Inflação e subida dos juros podem frustrar expectativas do varejo com Black Friday e Natal

Aumento dos preços aos consumidores reduz a perspectiva de grandes ganhos do setor até o final do ano

Foto: Marcelo Theobald/Agência O Globo

Pontos-chave

  • Entre as razões está a queda no poder de compra dos brasileiros
  • As pessoas estão pagando mais por menos produtos

A queda no volume de vendas do comércio varejista entre agosto e setembro, que veio acima das expectativas do mercado, teve como principal influência a inflação. Para Cristiano Santos, gerente da Pesquisa Mensal de Comércio (PMC), divulgada nesta quinta-feira (11) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), a avaliação pode ser confirmada pelo desempenho da receita nominal no período, que ficou perto da estabilidade

“O fator determinante é a inflação. Isso fica claro quando comparamos a queda de 1,3% no volume e a variação de -0,2% na receita, estável”, diz. “O componente que joga o volume para baixo é a inflação. As mercadorias subiram de preço”, afirma Santos.

A constatação é a mesma de Felipe Sichel, estrategista-chefe do banco Modalmais. Ele cita o preço dos combustíveis, considerado o principal vilão nos últimos meses após reajustes consecutivos, e a disseminação que contribui para elevar os custos de outras atividades, com repasse aos consumidores.

“Os efeitos da inflação já se fazem presentes nos números da pesquisa, ainda que o volume de vendas de combustíveis e lubrificantes tenha caído 2,6%, o índice de receita nominal caiu apenas 0,1%”, destaca. “Essa diferença entre o volume de vendas e a receita nominal pode ser constatada ainda nas atividades de hipermercados, supermercados, produtos alimentícios, bebidas e fumo (-1,5% x 0,1%), outros artigos de uso pessoal e doméstico (-2,2% x 0%), veículos, motocicletas, partes e peças (-1,7% x -0,2%) e materiais de construção (-1,1% x -0,2%)”, acrescenta.

A subida da taxa Selic, que passou de 2% ao ano no começo de 2021 para 7,75% ao ano na reunião de outubro do Copom (Comitê de Política Monetária do Banco Central), também é um fator que já afeta o desempenho do setor.

“A leitura do resultado de setembro mostra um cenário desafiador. Temos uma inflação corroendo o poder de compra do consumidor ao mesmo tempo em que pressiona o Banco Central a apertar as condições financeiras”, avalia Victor Beyruti, economista da Guide Investimentos.

O economista considera que a tendência de mais aumentos dos juros básicos pode prejudicar a projeção “de uma recuperação muito forte nos dados de outubro, novembro e dezembro”. “Mesmo com Black Friday e Natal, o cenário macroeconômico reduz a perspectiva de grandes ganhos do setor até o final do ano”, diz.

A manutenção do panorama de inflação persistente e avanço da Selic, na percepção da CM Capital, alimenta o pessimismo para o desempenho do comércio nos últimos meses de 2021. “A frustração com os dados de varejo deve persistir mesmo em períodos que beneficiam sazonalmente o setor, como nos casos das festas de fim de ano”, aponta a gestora em relatório.


Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 20.maio.2022 às 10h11
O que Elon Musk deve discutir na passagem pelo Brasil

Bilionário terá encontro com o presidente Jair Bolsonaro e empresários

Redação IF Publicado em 20.maio.2022 às 08h16
Bolsas asiáticas fecham em alta após China cortar taxa de juros

Mesmo assim, os investidores seguem atentos à perspectiva de aumento dos juros nos EUA

Redação IF Atualizado em 19.maio.2022 às 17h39
Juros futuros fecham em forte queda, com expectativas de inflação no foco

Mercado vê que a inflação pode ser impactada por possível alíquota máxima de 17% do ICMS cobrado sobre energia, telecomunicações, combustíveis e energia

Redação IF Atualizado em 19.maio.2022 às 18h15
Trabalhador poderá usar até 50% do saldo do FGTS na privatização da Eletrobras

Valor mínimo do investimento é de R$ 200. Governo estabeleceu R$ 6 bilhões como teto global para uso do Fundo, o que pode reduzir percentual que cada trabalhador poderá investir