Inflação deve ficar perto de dois dígitos até maio, diz economista do Itaú

Alimentos, combustíveis e reajustes anuais de preços indexados vão pressionar o IPCA no começo de 2022

Foto: Custódio Coimbra/Agência O Globo

Pontos-chave

  • O Itaú manteve em 5% a previsão para o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) no final de 2022
  • A expectativa é que a inflação oficial, que encerrou 2021 em 10,06%, comece a desacelerar a partir de maio

O Itaú Unibanco manteve em 5% a previsão para o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) no final de 2022. A expectativa é que a inflação oficial medida pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), que encerrou 2021 em 10,06%, siga pressionada no começo do ano e comece a desacelerar com maior intensidade a partir de maio.

“Nossa projeção para o IPCA está em 0,46% em janeiro, 0,87% em fevereiro e 0,51% em março. Com isso, ainda teremos uma inflação em 12 meses perto de dois dígitos no primeiro trimestre de 2022”, disse Júlia Passabom, economista do banco. “Somente em maio veremos uma desinflação maior, com a taxa em 12 meses recuando para 8,90%”, acrescentou.

A pressão nos primeiros meses deste ano, conforme a economista, deve vir de alimentos, combustíveis e reajustes anuais de preços indexados, como do transporte público e das matrículas escolares. “No curto prazo, vemos uma alta sazonal principalmente do alimento in natura, em razão das chuvas”, apontou Júlia Passabom. “Já os combustíveis devem pesar com o anúncio feito nesta terça-feira pela Petrobras de altas da gasolina (4,85%) e do diesel (8,08%) nas vendas para as refinarias.”

A especialista do Itaú falou dos possíveis efeitos do avanço da variante ômicron do coronavírus. “Temos um impacto pouco ambíguo e que tende a ser muito menor em relação ao auge da pandemia. Se os gargalos de produção podem piorar, uma eventual desaceleração da atividade econômica traz também o lado desinflacionário”, observou.

Sobre cenários climáticos extremos, como os temporais em Minais Gerais e a onda de calor no Rio Grande do Sul, Júlia Passabom fez uma avaliação semelhante. “Uma revisão para baixo da safra ou até uma colheita de qualidade menor pressiona os alimentos. Ao mesmo tempo, o nível dos reservatórios tem melhorado bastante, o que ajuda no recuo do componente de energia”, completou.


Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 25.maio.2022 às 08h55
Inflação: pequenas mudanças driblam a disparada dos preços

Com regras simples, você vai tomar as melhores decisões para o seu bolso

Redação IF Atualizado em 24.maio.2022 às 18h02
Prévia da inflação de maio deve elevar projeções para a Selic, avaliam economistas

Analistas do mercado consideram que ciclo de aperto monetário pode se estender mais um pouco

Redação IF Publicado em 24.maio.2022 às 10h23
Presidente do Bradesco diz que inflação deve começar a ficar ‘mais controlada’ a partir de 2023

Octavio de Lazari Junior acredita também que a taxa de juros 'só poderá ser reduzida no ano que vem'

Redação IF Publicado em 23.maio.2022 às 09h16
Macy’s pode oferecer pistas sobre força dos gastos do consumidor nos EUA

Investidores monitoram pistas sobre o comportamento da inflação no país