Panorama econômico e final da temporada de balanços são destaques até fim da semana

A Secretaria de Política Econômica (SPE) do Ministério da Economia divulga novas projeções de indicadores macroeconômicos com a edição de novembro do Boletim Macrofiscal e a versão atualizada do Panorama Macroeconômico

Vitrine de roupas em loja de rua no centro do Rio de Janeiro: mercado financeiro busca afinar percepção sobre a recuperação do país (Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil)

A Secretaria de Política Econômica (SPE) do Ministério da Economia divulga novas projeções de indicadores macroeconômicos com a edição de novembro do Boletim Macrofiscal e a versão atualizada do Panorama Macroeconômico. No noticiário político, as atenções seguem voltadas para as negociações em torno da PEC dos Precatórios no Senado Federal.

Nos Estados Unidos, dados divulgados na terça-feira (16) pelo Departamento de Comércio indicaram alta de 1,7% nas vendas no varejo em outubro, um ritmo mais acelerado do que a expectativa de economistas. O Dow Jones avançaram 0,15%; o S&P, 0,39%; e o Nasdaq, 0,76%.

Hoje, no entanto, segundo uma nota divulgada pelo Commonwealth Bank of Australia, a força da atividade econômica nos Estados Unidos, aliada à inflação acima da meta podem elevar a pressão para que o Federal Reserve, o banco central dos EUA, acelere a redução do ritmo de compra de títulos.

O índice de preços ao consumidor (CPI) nos EUA subiu a 6,2% em outubro, na comparação com o mesmo mês do ano passado, com a escalada dos custos com alimentos, gás e habitação. Essa é a maior taxa de inflação nos EUA desde 1990, segundo os últimos dados divulgados pelo Departamento de Trabalho dos EUA.

A inflação da zona do euro saltou para mais do que o dobro da meta do Banco Central Europeu em outubro, confirmou nesta quarta-feira a agência de estatísticas da União Europeia, com mais da metade do avanço devendo-se ao aumento nos preços da energia. A Eurostat informou que a inflação nos 19 países que usam o euro foi de 0,8% em outubro sobre o mês anterior, alcançando 4,1% na base anual, em linha com estimativa anterior da Eurostat.

Por que importa?

Quem investe precisa ter dados sobre a atividade econômica para tentar projetar o desempenho de seus ativos e das empresas em que coloca seu dinheiro.

Como afeta os investimentos?

As perspectivas negativas para a economia brasileira têm feito quem investe se afastar das empresas negociadas na Bolsa de Valores (leia: Gestores estão mais pessimistas com Ibovespa) e reforçar a compra de títulos públicos e outras opções de ativos de renda fixa. Em 2021, até agora, o Ibovespa perdeu 10,9%. Esse movimento pode ter continuidade.

Mais destaques da semana

  • QUARTA-FEIRA, 17/11
    Empresas
    – Balanços: General Shopping
  • QUINTA-FEIRA, 18/11
    Economia
    5h: Fipe divulga o IPC 2a. quadrissemana
    – 8h: FGV divulga a 2a. prévia do IGP-M de novembro
  • SEXTA-FEIRA, 12/11
    Economia
    9h: FGV divulga o monitor do PIB de setembro
    Empresas
    – Balanços: Dasa

Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 20.maio.2022 às 07h39
2 min
Redação IF Atualizado em 19.maio.2022 às 13h41
Bolsas americanas perdem US$ 1,5 tri em um dia, e índices operam em queda nesta quinta

Temor de inflação global maior e recessão nos EUA leva nervosismo aos mercados. Na Europa, pregões operam em queda de mais de 2%

1 min
Redação IF Publicado em 19.maio.2022 às 10h53
Como o trabalhador poderá usar o FGTS para comprar ações da Eletrobras

Tipo de investimento já foi feito anteriormente em vendas de ações da Petrobras e da Vale

3 min
Redação IF Atualizado em 19.maio.2022 às 09h39
Bolsas europeias caem mais de 2% e futuros de NY sinalizam continuidade das perdas

Clima de cautela prevalece nos negócios em meio às preocupações com o impacto da inflação elevada no crescimento econômico global

3 min