Ilan Goldfajn, ex-presidente do BC: ‘moeda digital torna dinheiro mais inclusivo’

Tecnologia pode tornar o sistema mais barato, avalia ex-chefe da autoridade monetária

Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Já pensou em como será o dinheiro no futuro? O diretor do Departamento do Hemisfério Ocidental do FMI, Ilan Goldfajn, adiantou que será bem diferente do que estamos acostumados. “A nossa capacidade de computação avançou de tal forma que a gente pode oferecer dinheiro digital. O Banco Central entendeu essa demanda e, já que é necessário, que seja feita com segurança, evitando ilícitos e bem feita. Então, vamos ver muito mais transformações nas próximas décadas, com a adoção das moedas digitais pelos bancos centrais”, disse durante a live realizada nesta sexta-feira (6) pelo Valor.

O ex-presidente do Banco Central defende que a autoridade monetária se envolva cada vez mais no desenvolvimento de novas formas de pagamento virtual, além do que já é executado pelos bancos.

“Primeiro que é uma garantia, dada pelo governo, de que o que você está pagando é estável. Segundo que a tecnologia permite que você faça tudo mais barato. O Pix, por exemplo, é de graça e o custo para o sistema é menor. Terceiro é a capacidade de chegar em mais pessoas, ser mais inclusivo. A moeda digital do banco central consegue chegar onde alguns bancos não conseguem”.

Durante sua passagem pelo BC, Goldfajn lançou uma agenda de reformas do sistema financeiro, após acompanhar as experiências e desafios dos países para desenvolver as suas novas moedas, incluindo a execução da política monetária, preservação da privacidade e lavagem de dinheiro.

“Mais de 100 países estão na mesma situação do Brasil. Esse piloto, esse começo, faz parte de um movimento global relevante, mas que ainda está no começo, é uma dinâmica para se acompanhar ao longo dos anos”.

Recorrentes no Brasil e também em outros países são as dúvidas sobre a sobrevivência do sistema bancário. Para o diretor do FMI, essa é uma preocupação que pode ser equilibrada com a democratização das moedas digitais, mas não pode começar a valer antes das partes pontuar todos os detalhes.

“No final das contas, os BCs têm, hoje, a capacidade de pegar essas moedas e permitir que os bancos tenham financiamento para emprestar para os clientes. Teremos, então, o sistema de pagamento através das moedas do Banco Central e, na hora dos empréstimos, os bancos vão continuar com a mediação porque vão captar, a liquidez vai estar garantida pelos BCs, e portanto os empréstimos vão continuar acontecendo”.

Sobre os desafios que a autoridade monetária deve enfrentar para chegar até o brasileiro, Goldfajn acredita que serão na mesma proporção que o dinheiro físico enfrenta no território.

“A moeda digital consegue preencher algumas questões que a física torna mais difícil. Ela evita que você tenha que ir para outras cidades para pegar dinheiro físico. Mas claro que essa nova moeda terá seus próprios desafios, como tornar a sociedade capaz de manejar essa moeda digital. Onde o celular não chegou ainda, por exemplo, será difícil. No entanto, acredito que mesmo a moeda física tem os seus obstáculos e não seria diferente com a virtual”.

Com conteúdo VALOR PRO, o serviço de informação em tempo real do Valor Econômico


Você também pode gostar
Valor Econômico Publicado em 24.maio.2022 às 16h31
Brasil preocupa mais por crescimento do que por eleição, em Davos, diz Mesquita, do Itaú

Em conversas no evento, economista-chefe do banco diz ter constatado que, num ambiente mundial complicado, o Brasil é visto como um país bem posicionado, como grande exportador de alimentos

Redação IF Atualizado em 25.maio.2022 às 08h00
Nubank renova mínimas históricas e já vale menos que o BTG. Efeito colateral do fim do lock-up?

Valor de mercado do Nubank corresponde a menos de um terço do Itaú, que vale US$ 48,8 bilhões; no IPO em dezembro, o Nubank estreou com valor de US$ 41,5 bilhões