Ibovespa volta a fechar em queda e perde 2,54% na semana

No acumulado do ano, o Ibovespa mantém alta de apenas 0,3%

B3, em São Paulo (Foto: Divulgação)

O Ibovespa, principal índice da bolsa brasileira, oscilou entre perdas e ganhos durante boa parte do pregão desta sexta-feira (6), mas acabou fechando em leve queda de 0,16%, aos 105.134 pontos. Na semana, a perda foi de 2,54%.

Nas mínimas do dia, o Ibovespa recuou 1,25%, aos 103.984 pontos e, nas máximas, subiu 0,91%, aos 106.268 pontos. Com a queda da sessão, o índice passou a acumular alta de apenas 0,3% em 2022. Das máximas anotadas no início de abril, a queda já soma quase 14%.

Nos EUA, Dow Jones, S&P 500 e Nasdaq recuaram, respectivamente, 0,30%, 0,57% e 1,40%.

No Brasil, o destaque negativo do pregão foi a Petz. As ações da rede de pet shop despencaram 12,72%, a R$ 13,24 cada uma no pregão desta sexta-feira. Apesar da forte pressão negativa nos papéis, a avaliação majoritária dos analistas sobre os números da companhia foi positiva.

Segundo o BTG Pactual, a Petz reportou um primeiro trimestre forte, apesar do cenário macroeconômico desafiador. A recomendação para a ação da varejista é de compra, com preço alvo de R$ 26.

Para o Itaú BBA, o trimestre da companhia foi “ligeiramente positivo”. “O primeiro trimestre foi marcado por um sólido (e em linha) crescimento de receita (+39% incluindo Zee Dog). O principal destaque foi a estabilidade da margem bruta na base anual, apesar dos ventos contrários inflacionários”, afirmam os analistas da instituição.

(Com Valor Econômico)


Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 19.maio.2022 às 11h27
Ibovespa sobe com ajuda de Vale e siderúrgicas

Mercado acionário doméstico resiste a nova abertura negativa em NY

Redação IF Publicado em 19.maio.2022 às 10h53
Como o trabalhador poderá usar o FGTS para comprar ações da Eletrobras

Tipo de investimento já foi feito anteriormente em vendas de ações da Petrobras e da Vale

Redação IF Atualizado em 19.maio.2022 às 09h39
Bolsas europeias caem mais de 2% e futuros de NY sinalizam continuidade das perdas

Clima de cautela prevalece nos negócios em meio às preocupações com o impacto da inflação elevada no crescimento econômico global

Valor Econômico Atualizado em 19.maio.2022 às 08h39
Cenário global desperta interesse por Brasil, diz executivo da bolsa de Nova York

Chefe de mercados internacionais da bolsa de Nova York aponta que ADRs brasileiros são um dos ativos mais líquidos no mercado americano atualmente

Valor Econômico Publicado em 19.maio.2022 às 06h12
Grandes investidores ampliam dinheiro em caixa para maior patamar desde atentados de 11 de setembro

Preferência por dinheiro vivo coincide com enfraquecimento significativo das expectativas quanto aos lucros das empresas

Valor Econômico Publicado em 19.maio.2022 às 06h03
Nos EUA, esta pode ser uma década perdida para ações

Aumento de custos e aperto monetário devem pressionar margens de empresas dos EUA