Bolsa tem 2ª alta consecutiva, com ajuda de papéis ligados à economia doméstica

Empresas que sofreram mais durante o ano estão entre os destaques da alta

B3, a Bolsa de Valores brasileira (Foto: Divulgação)

A principal referência da Bolsa local teve um pregão de alta nesta quinta-feira (12), impulsionada pela demanda de agentes financeiros por papéis que vinham demonstrando fraqueza expressiva em 2022.

Em um pregão marcado pela volatilidade, a Bolsa conseguiu se descolar do cenário negativo visto no exterior e fechou em alta pelo segundo dia consecutivo, voltando a acumular ganhos no ano.

O desempenho positivo de papéis do setor financeiro e ligados à economia doméstica deram sustentação ao Ibovespa. O Ibovespa terminou o dia com elevação de 1,24%, aos 105.687 pontos.

Segundo os grafistas da Ágora, o Ibovespa iniciou uma recuperação esperada a partir do patamar dos 104 mil pontos ontem e, caso confirme este movimento hoje, pode alcançar o patamar dos 107,7 mil pontos. “A quebra deste último patamar liberaria o índice para uma busca mais longa, que projetaria em 115 mil pontos”, afirma a equipe da corretora.

Aproximadamente 20 ações registraram alta superior a 2,5% no Ibovespa hoje. Na ponta positiva, Méliuz ON subiu 7,27%, Qualicorp ON ganhou 6,29%, SulAmérica units avançou 4,38% e Magazine Luiza ON teve ganhos de 4,07%. No ano, as perdas de Méliuz, Qualicorp, SulAmérica e Magazine Luiza são de 45,37%, 32,69%, 10,88% e 43,49%.

Com conteúdo VALOR PRO, o serviço de informação em tempo real do Valor Econômico


Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 19.maio.2022 às 11h27
Ibovespa sobe com ajuda de Vale e siderúrgicas

Mercado acionário doméstico resiste a nova abertura negativa em NY

Redação IF Publicado em 19.maio.2022 às 10h53
Como o trabalhador poderá usar o FGTS para comprar ações da Eletrobras

Tipo de investimento já foi feito anteriormente em vendas de ações da Petrobras e da Vale

Redação IF Atualizado em 19.maio.2022 às 09h39
Bolsas europeias caem mais de 2% e futuros de NY sinalizam continuidade das perdas

Clima de cautela prevalece nos negócios em meio às preocupações com o impacto da inflação elevada no crescimento econômico global

Valor Econômico Atualizado em 19.maio.2022 às 08h39
Cenário global desperta interesse por Brasil, diz executivo da bolsa de Nova York

Chefe de mercados internacionais da bolsa de Nova York aponta que ADRs brasileiros são um dos ativos mais líquidos no mercado americano atualmente

Valor Econômico Publicado em 19.maio.2022 às 06h12
Grandes investidores ampliam dinheiro em caixa para maior patamar desde atentados de 11 de setembro

Preferência por dinheiro vivo coincide com enfraquecimento significativo das expectativas quanto aos lucros das empresas

Valor Econômico Publicado em 19.maio.2022 às 06h03
Nos EUA, esta pode ser uma década perdida para ações

Aumento de custos e aperto monetário devem pressionar margens de empresas dos EUA