Commodities pesam, e Ibovespa cai quase 2%

Vale e Petrobras foram destaques negativos no pregão; índice já acumula perda de 15% desde o pico, em abril

Foto: Pixabay

O receio dos investidores com o cenário de inflação elevada, aperto das condições financeiras e desaceleração no crescimento global segue penalizando os ativos de risco ao redor do mundo. A segunda-feira não foi diferente e, tanto no Brasil como em Wall Street, as ações voltaram a registrar perdas expressivas, levando o Ibovespa a fechar em queda firme, em nível próximo aos mais baixos observados em 2022.

Após ajustes, a principal referência da bolsa local encerrou o dia em queda de 1,79%, aos 103.250,02 pontos, após ter marcado 102.768 pontos nas mínimas da sessão. No ano, as perdas acumuladas pela referência já somam 1,50% em moeda local e, das máximas recentes de fechamento registradas no dia 1º de abril, a queda do Ibovespa já é de 15%.

O volume de negócios dentro do índice hoje foi de R$ 22,80 bilhões, em linha com a média diária anual de 2022.

Com conteúdo VALOR PRO, o serviço de informação em tempo real do Valor Econômico


Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 20.maio.2022 às 11h01
Bolsas de NY apontam para recuperação na sessão desta sexta

Mercado americano vem de dois pregões seguidos de queda

Manhã Inteligente Publicado em 20.maio.2022 às 10h40
ETFs de renda fixa, privatização da Eletrobras, queda de lucro de empresas

Isabella Carvalho e Caio Camargo falam sobre esses e outros assuntos que podem afetar seus investimentos nesta sexta (20)

Redação IF Publicado em 20.maio.2022 às 08h16
Bolsas asiáticas fecham em alta após China cortar taxa de juros

Mesmo assim, os investidores seguem atentos à perspectiva de aumento dos juros nos EUA

Redação IF Publicado em 20.maio.2022 às 08h09
Fundos de ações de Petrobras e Vale renderam até 25 vezes mais que o FGTS desde o lançamento

Trabalhador poderá usar dinheiro do fundo de garantia para comprar ações da Eletrobras

Redação IF Atualizado em 19.maio.2022 às 13h41
Bolsas americanas perdem US$ 1,5 tri em um dia, e índices operam em queda nesta quinta

Temor de inflação global maior e recessão nos EUA leva nervosismo aos mercados. Na Europa, pregões operam em queda de mais de 2%