Setor de serviços desacelera e sobe 0,2% em abril, aponta IBGE

Resultado indica uma desaceleração em relação ao mês anterior, quando avançou 1,4%, embora a atividade se mantenha no campo positivo

Foto: Rovena Rosa/Agência Brasil

O setor de serviços avançou 0,2% na passagem de março para abril, segundo dados da Pesquisa Mensal de Serviços divulgados pelo IBGE nesta terça-feira. O resultado indica uma desaceleração em relação ao mês anterior, quando avançou 1,4%, embora a atividade se mantenha no campo positivo.

O setor segue acima do nível pré-pandemia, agora 7,2% acima de fevereiro de 2020. Já as atividades de transporte de passageiros cresceram 2,3% em abril, superando pela primeira vez o patamar pré-pandemia. A melhora foi puxada pela maior mobilidade da população, refletida no crescimento das receitas das empresas que operam transporte aéreo, rodoviário e metroferroviário.

Serviços de TI em alta

Duas das cinco atividades investigadas na pesquisa apresentaram alta. O segmento de informação e comunicação (0,7%), que atingiu o ponto mais alto da sua série histórica, e os serviços prestados às famílias (1,9%) foram os que mais contribuíram para o desempenho do setor no campo positivo.

Na outra ponta, o segmento de transporte, armazenagem e correio recuou 1,7, enquanto os serviços profissionais, administrativos e complementares tiveram queda de 0,6%, e outros serviços caíram 1,6%, pressionado por atividades que compõem os serviços financeiros. Os dois primeiros interromperam uma sequência de cinco taxas positivas seguidas, enquanto o último, com a retração, eliminou o avanço de 1,4% de março.

Na comparação por estados, os serviços registraram alta em 12 das 27 unidades da federação. O impacto positivo mais relevante foi do Rio de Janeiro, com alta de 1,0%. Para Lobo, o carnaval fora de época que aconteceu no mês de abril pode ter contribuído para o crescimento do setor no estado fluminense. Outros destaques foram Espírito Santo (3,6%), Rio Grande do Norte (7,9%) e Ceará (2,4%).

Cenário desafiador

Analistas econômicos consideram que o setor de serviços deve seguir sua trajetória de recuperação este ano, dado que foi o setor que mais sofreu ao longo da pandemia. Mas não no radar altas muito expressivas por conta do cenário macroeconômico. Passados os efeitos mais duros da Covid-19, pesa sobre o setor o cenário macroeconômico que combina inflação em dois dígitos, juros em alta e desemprego ainda elevado.

O Índice de Confiança de Serviços (ICS), do FGV IBRE, subiu 2,1 pontos em maio, para 98,3 pontos, o maior nível desde outubro de 2021 (99,1 pontos). O resultado foi influenciado pela melhora na percepção do volume de serviços no mês quanto pela evolução favorável das expectativas. Outros pontos positivos são a aproximação do nível neutro de 100 pontos e a disseminação entre os segmentos.

“No médio e longo prazo, o ambiente macroeconômico desfavorável parece ser um fator impeditivo”, avaliou Rodolpho Tobler, economista do FGV IBRE.

Com conteúdo VALOR PRO, o serviço de informação em tempo real do Valor Econômico


Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 01.jul.2022 às 17h45
Juros futuros fecham em queda, em linha com taxas dos títulos públicos globais

Medo de recessão nos EUA pesou mais do que riscos fiscais no Brasil

Papo de Finanças Atualizado em 02.jul.2022 às 08h21
Como as eleições interferem nos seus investimentos?

De alguma maneira, seu bolso será afetado pelas eleições do fim do ano. O que pode acontecer? Nina Silva explica

JOTA Publicado em 01.jul.2022 às 16h58
Semana política: PEC “vale-tudo” une governo e oposição por votos

Enquanto isso, em campanha, Lula acena a empresários e ao mercado, diz Fábio Zambeli, do JOTA

Redação IF Publicado em 01.jul.2022 às 15h28
Bilionários dão adeus a US$ 1,4 tri no 1º semestre; veja quem perdeu mais

A fortuna de Elon Musk caiu quase US$ 62 bilhões. Jeff Bezos viu sua riqueza diminuir em cerca de US$ 63 bilhões. O patrimônio líquido de Mark Zuckerberg foi reduzido em mais da metade

Redação IF Atualizado em 01.jul.2022 às 15h08
Efeito bumerangue: entenda como quem tem menos grana vai pagar, no futuro, a conta da ‘PEC Eleitoral’

Aumento de gastos tende a pressionar a inflação e prejudicam, principalmente, as pessoas de menor poder aquisitivo

Redação IF Atualizado em 01.jul.2022 às 18h17
União Europeia chega a acordo histórico para regular critpoativos. ‘É o fim do Velho Oeste digital’, diz parlamentar

NFT com preço fixo, como ingressos para eventos ou itens em games, não serão regulados. Provedores deverão divulgar impacto ambiental dos ativos digitais