Há espaço para a Petrobras cortar mais o preço da gasolina?

O barril tipo brent, referência global, que chegou a US$ 86 no fim de outubro, atualmente está na faixa de US$ 73

Foto: Diego Vara/Reuters

Pontos-chave

  • Defasagem de preço chegou a 30% no final de outubro, quando a companhia poderia cobrar R$ 0,50 a mais pelo litro do combustível
  • Especialistas apontam que o reflexo nas bombas dos postos deve ser sentido no começo de janeiro de 2022

A gasolina vendida pela Petrobras nas refinarias está R$ 0,10 mais barata desde a quarta-feira (15), negociada a R$ 3,09. A primeira redução anunciada pela companhia desde junho, quando o combustível saía a R$ 2,53, deixa no radar a dúvida se o movimento é pontual ou há brecha para uma nova baixa ainda em 2021.

O alívio momentâneo foi puxado principalmente pela queda do preço do petróleo no mercado internacional. O barril tipo brent, referência global, que chegou a US$ 86 no fim de outubro, atualmente está na faixa de US$ 73.

Para Étore Sanchez, economista-chefe da Ativa Investimentos, a defasagem, que naquele momento de disparada da commodity atingiu 30%, ou o equivalente a R$ 0,50 a mais que a Petrobras poderia cobrar pelo combustível, “foi completamente mitigada”. “Os preços domésticos e internacionais são equivalentes no momento, sem grandes espaços para novas alterações”, afirma Sanchez.

A estabilização do petróleo no atual patamar, na avaliação de Jason Vieira, economista-chefe da Infinity Asset, pode permitir que uma nova redução seja feita. “Vemos espaço para um novo corte modesto na faixa de 3%”, aponta. Ele lança dúvidas se haveria tempo de o anúncio ser realizado ainda na segunda quinzena de dezembro.

Sobre o câmbio, outro componente importante na política de reajustes da petrolífera, Vieira observa pouca influência para mexer no preço da gasolina nas refinarias. “O dólar, mesmo com toda volatilidade, tem uma pretensa estabilidade. A moeda americana está rodando uma faixa média de R$ 5,65 faz um tempo”, comenta.

Outra expectativa em relação ao assunto é quando os efeitos passarão a ser sentidos pelos consumidores. Os economistas da Ativa e da Infinity acreditam que o repasse nas bombas dos postos deve ser notado no começo de janeiro de 2022, o que deve contribuir inclusive para a desaceleração da inflação.


Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 25.maio.2022 às 09h49
Guedes diz ser possível reajuste de 5% para servidores: ‘Mas esqueçam inflação anterior’

A proposta do governo de aumento do funcionalismo público tem sofrido resistências de diversas categorias

Redação IF Publicado em 25.maio.2022 às 08h55
Inflação: pequenas mudanças driblam a disparada dos preços

Com regras simples, você vai tomar as melhores decisões para o seu bolso

Redação IF Atualizado em 25.maio.2022 às 08h46
Redação IF Publicado em 25.maio.2022 às 07h48
Bolívia reduz envio de gás para o Brasil e custo pode subir

Produção boliviana tem sido direcionada para atender uma demanda maior da Argentina

Redação IF Publicado em 25.maio.2022 às 07h28
Bagagem despachada em voo: Bolsonaro deve decidir se confirma ou rejeita gratuidade

O governo argumenta que a proibição de cobrança fará com que as aéreas de baixo custo não venham para o Brasil

Valor Econômico Publicado em 24.maio.2022 às 16h31
Brasil preocupa mais por crescimento do que por eleição, em Davos, diz Mesquita, do Itaú

Em conversas no evento, economista-chefe do banco diz ter constatado que, num ambiente mundial complicado, o Brasil é visto como um país bem posicionado, como grande exportador de alimentos

Redação IF Atualizado em 24.maio.2022 às 18h02
Prévia da inflação de maio deve elevar projeções para a Selic, avaliam economistas

Analistas do mercado consideram que ciclo de aperto monetário pode se estender mais um pouco