Fusões e aquisições: transações crescem 44% em 2021, com 1.504 operações

Segundo analistas, o cenário para M&A é mais atrativo do que o de IPOs em 2022 – entenda por que

Boletim Focus 22 de março de 2022
Juros mais altos deixam produtos de renda fixa mais atrativos (Foto: Adam Nowakowski/Unsplash)

Pontos-chave

  • De acordo com o especialistas, a tendência é que esse mercado continue crescendo nos próximos anos
  • Uma explicação para isso são os mais de R$ 65,6 bilhões movimentados com as ofertas públicas de ações e com investidores de olho no futuro
  • Nos setores de tecnologia, comércio eletrônico e de saúde, o caminho adotado tem sido o de “verticalizar” negócios

Em 2021, houve um salto no número de fusões e aquisições no país: foram 1.504 transações, um aumento de 44,9% em relação ao ano anterior. Parte desse movimento foi resultado de uma conjuntura mais favorável do que a atual, que conjuga alta de juros, inflação de dois dígitos no acumulado em 12 meses e a previsão de instabilidade durante o período eleitoral.

Um exemplo ocorreu na semana passada, com a compra do Banco Modal pela XP. O negócio representou uma escalada em uma estratégia de expansão que, por si só, já era considerada agressiva. Antes disso, o carrinho de compras da companhia já listava 14 aquisições desde o ano passado, com foco em participações minoritárias de gestoras e corretoras.

A iniciativa da XP não se trata de movimento isolado. Com mais capital em caixa e dispostas a ganhar fôlego para fazer frente a mudanças tecnológicas e de hábitos de consumo durante a pandemia, as empresas podem, a médio e longo prazos, dar continuidade a esse movimento de “comprar para crescer”.

De acordo com o especialistas, a tendência é que esse mercado continue crescendo nos próximos anos, ainda sob os efeitos dos mais de R$ 65,6 bilhões movimentados com as ofertas públicas de ações e com investidores de olho no futuro. Nos setores de tecnologia, comércio eletrônico e de saúde, o caminho adotado tem sido o de “verticalizar” negócios.

Segundo analistas, o cenário para M&A é mais atrativo do que o de IPOs em 2022. Os grandes bancos vão focar muito em M&A. É muito mais oportuno fazer essas aquisições quando o mercado está mais fragilizado. Você tem empresas capitalizadas, que se aproveitam da fragilidade de empresas menores para fazer aquisições.

No ano passado, 46 empresas estrearam na Bolsa por meio de ofertas iniciais de ação. O patamar recorde supera largamente o do ano anterior, quando 28 companhias fizeram IPOs. As operações, porém, foram mais concentradas no primeiro semestre.

Um dos efeitos do crescimento dos IPOs foi a ampliação de setores até então pouco representados na Bolsa, como os de tecnologia, varejo e saúde. Atualmente, o Ibovespa, principal índice da B3, é formado principalmente por empresas dos segmentos de petróleo e gás, com 21,4% de participação, e do setor financeiro, com 24,8%, segundo relatório da XP.


Você também pode gostar
Redação IF Atualizado em 17.maio.2022 às 20h10
Deputados do PT apelam ao STF para barrar privatização da Eletrobras no TCU

Parlamentares do PT entraram com pedido de liminar no STF para suspender o julgamento da privatização da estatal

Redação IF Publicado em 17.maio.2022 às 14h22
Nubank: analistas veem resultados positivos, mas inadimplência gera cautela

Desde o IPO, em 8 de dezembro, quando foi precificado a US$ 9, o papel do banco digital acumula queda de 50,2%

Valor Econômico Publicado em 17.maio.2022 às 12h07
Setor de tecnologia faz ajustes nos EUA

Austeridade decorre da venda de ações por investidores aflitos pela taxa de juros e desaceleração

Valor Econômico Atualizado em 16.maio.2022 às 20h10
Magazine Luiza reverte lucro e tem prejuízo de R$ 161,3 milhões no primeiro trimestre

Rede afirma que o resultado reflete o aumento de despesas financeiras no período