Fed deve considerar aumento de 0,75 ponto percentual na taxa básica de juro nos EUA

O banco central dos EUA, comandado por Jerome Powell, elevou as taxas pela última vez em 0,75 ponto percentual em uma reunião em 1994;

Jerome Powell, o presidente do Fed, o banco central dos EUA (Foto: Fed/divulgação)

Nos EUA, uma série de relatórios de inflação deixou os agentes de mercado e as autoridades do governo preocupadas com o ritmo da escalada de preços. A necessidade de se combater a inflação deve levar as autoridades do Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA) a anunciar hoje um aumento da taxa de juros de 0,75 ponto percentual, acima do esperado. Este é a expectativa de mercado, segundo o The Wall Street Journal.

Antes de as autoridades iniciarem seu período de silêncio pré-reunião em 4 de junho, houve sinalização de que o Fed estava preparado para aumentar as taxas de juros em meio ponto percentual nesta semana e novamente em sua reunião em julho. Autoridades do Fed também disseram que suas perspectivas dependiam da evolução da economia. O relatório de inflação da semana passada, divulgado na sexta-feira pelo Departamento do Trabalho, mostrou um salto maior nos preços em maio do que as autoridades previam.

Duas pesquisas com consumidores também mostraram que as expectativas das famílias em relação à inflação futura aumentaram nos últimos dias. Esses dados alarmaram os agentes de mercado e as autoridades do Fed porque acreditam que essas expectativas podem ser auto-realizáveis.

O Fed elevou as taxas em meio ponto percentual em sua reunião do mês passado, o primeiro aumento desse tipo desde 2000, para uma faixa entre 0,75% e 1%. O Fed elevou as taxas pela última vez em 0,75 ponto percentual em uma reunião em 1994, quando o banco central estava aumentando rapidamente as taxas para evitar um potencial aumento da inflação.

O presidente do Fed, Jerome Powell, evitou surpreender os mercados no dia das reuniões de política, argumentando em vez disso que o banco central pode atingir seus objetivos de apertar a política moldando as expectativas do mercado.

Mas ele também disse em uma entrevista no mês passado que o Fed seria guiado pelos dados econômicos que estão por vir. “O que precisamos ver são evidências claras e convincentes de que as pressões inflacionárias estão diminuindo e a inflação está caindo. E se não virmos isso, teremos que considerar uma mudança mais agressiva”, disse Powell.

Em uma entrevista coletiva no mês passado, Powell disse que o banco central “se esforçaria para evitar o acréscimo de incerteza”, mas também reconheceu a possibilidade de “mais surpresas” nos dados de inflação. “Portanto, precisaremos ser ágeis na resposta aos dados recebidos e às perspectivas em evolução”, disse ele.

O Departamento do Trabalho informou na sexta-feira que seu índice de preços ao consumidor subiu 8,6% em maio em relação ao mesmo mês do ano anterior, empurrando a inflação para uma alta de 40 anos. Isso foi um revés para os analistas que buscavam sinais de que a inflação havia atingido o pico em março. O aumento dos preços dos combustíveis e as interrupções na cadeia de suprimentos da guerra da Rússia contra a Ucrânia elevaram os preços nos últimos meses.

Um punhado de analistas de Wall Street, incluindo os bancos de investimento Barclays e Jefferies, disseram na sexta-feira, após a divulgação dos dados de inflação, que esperavam que o Fed aumentasse as taxas em 0,75 ponto percentual nesta semana.


Você também pode gostar
Manhã Inteligente Publicado em 30.jun.2022 às 12h06
PIB dos Estados Unidos, investimentos em debêntures, golpes financeiros

Isabella Carvalho e Ítalo Martinelli comentam esses e outros assuntos que podem afetar seu bolso nesta quinta (30)

Redação IF Atualizado em 30.jun.2022 às 10h53
Inflação com consumo nos EUA sobe 0,6% em maio; ativos domésticos são pressionados pelo cenário mais adverso no exterior

O Ibovespa tem forte queda enquanto o dólar opera em alta ante o real no início desta quinta-feira