EUA avaliam remover tarifa sobre produtos chineses para combater inflação

Medidas protecionistas foram adotadas durante o governo Donald Trump

Foto: Pexels

A decisão do presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, de revisar o legado da guerra comercial entre seu país e a China, iniciada por seu antecessor, Donald Trump, não tem mais como motivo principal as rusgas entre os países, mas sim a inflação americana.

A inflação atingiu a maior alta em 40 anos em maio passado, com os preços ao consumidor subindo 8,6%, informou o Departamento do Trabalho na última sexta-feira. Do gás à comida, os custos crescentes estão pressionando severamente as famílias americanas.

À medida Biden se dirige para eleições de meio de mandato cruciais em novembro, com seu Partido Democrata possivelmente perdendo assentos no Congresso, ele é confrontado com uma escolha difícil: manter as tarifas e enfrentar a culpa pelos preços altos, ou revertê-los e parecer fraco na China.

Na sexta-feira, Biden apontou o dedo para as grandes petrolíferas e a Rússia, dizendo que a alta nos preços do petróleo é um importante fator inflacionário, enquanto a guerra na Ucrânia é a principal causa.

“Não se engane: entendo que a inflação é um verdadeiro desafio para as famílias americanas”, disse Biden em comunicado. “Meu governo continuará fazendo tudo o que pudermos para baixar os preços para o povo americano.”

Em uma entrevista coletiva em Los Angeles, o presidente dos Estados Unidos conclamou as grandes empresas de petróleo, como a Exxon Mobil, a aumentarem a produção.

“A Exxon ganhou mais dinheiro do que Deus este ano”, disse Biden. “Uma coisa eu quero dizer sobre as companhias de petróleo: elas têm 9 mil licenças para perfurar, elas não estão perfurando… porque elas ganham mais dinheiro ao não produzirem mais petróleo, porque o preço sobe.”

No mês passado, Biden disse que seu governo estava considerando suspender tarifas que o governo Trump impôs à China em julho de 2018. Essas medidas foram promulgadas sob a Seção 310 da Lei de Comércio de 1974, que exige uma “revisão da necessidade” a cada quatro anos.

Muitos economistas e empresas têm pedido a Biden que corte as tarifas comerciais para diminuir a inflação nos Estados Unidos – provocada por fatores severos, incluindo a recuperação pós-covid, a crise da cadeia de suprimentos e a guerra na Ucrânia.

“Se os Estados Unidos ajustarem as tarifas, não será para ajudar a China, será para ajudar os Estados Unidos”, disse Shang-Jin Wei, economista e professor de negócios e economia chinesa na Universidade de Columbia. “Para cada US$ 100 que os Estados Unidos compram da China, cerca de US$ 40 são peças e componentes para empresas americanas e US$ 60 são para residências”.

“A remoção de tarifas pode ajudar a reduzir o custo de produção das empresas americanas e o custo de vida das famílias”, disse Wei.

O governo Trump impôs tarifas de até 25% sobre produtos chineses durante a guerra comercial, que incluiu centenas de bilhões de dólares em produtos de consumo chineses. Espera-se que a questão de manter as tarifas se torne uma batata quente política – com a reação de alguns políticos e líderes do setor acusando Biden de ser fraco com a China se ele reduzir as tarifas.

O corte de tarifas sobre produtos chineses pode reduzir os preços em algumas áreas, como matérias-primas, mas especialistas alertam que isso não reduzirá a inflação para os níveis desejados.

A secretária do Tesouro dos Estados Unidos, Janet Yellen, disse na quarta-feira que a redução das tarifas sobre produtos chineses não é uma bala mágica para a inflação alta.

“Acho que algumas reduções podem ser justificadas e podem ajudar a reduzir os preços das coisas que as pessoas compram que são onerosas”, disse Yellen durante uma audiência do Comitê de Meios e Meios da Câmara. “Quero deixar claro, honestamente, não acho que a política tarifária seja uma panacéia em relação à inflação.”

Mas isso não significa que as tarifas devam permanecer em vigor, pois a política não foi muito eficaz em seu objetivo inicial, dizem os economistas.

“Não acho que a imposição de tarifas tenha mudado o comportamento da China de forma significativa”, disse David Sacks, pesquisador com foco nas relações Estados Unidos-China no Conselho de Relações Exteriores. “O debate mudou, nossos principais problemas que estamos tentando abordar são as práticas não comerciais das empresas estatais chinesas e outras empresas. Não acho que as tarifas resolverão nossos principais problemas estruturais com a China”.

“E não estamos usando tarifas para alavancar os debates em andamento”, acrescentou Sacks.

Robert Handfield, professor de gestão da cadeia de suprimentos da Universidade da Carolina do Norte, disse que o governo Biden reduzirá seletivamente as tarifas por setor. Os projetos solares serão priorizados porque a maioria dos painéis solares vem do Sudeste Asiático e da China.

O governo Biden já declarou uma pausa de dois anos nas tarifas sobre as importações de painéis solares de quatro países do Sudeste Asiático e invocou a Lei de Produção de Defesa para impulsionar as instalações solares nos Estados Unidos.

A redução de tarifas “pode não ter impacto material a longo prazo, mas pode ter impacto a curto prazo e, mesmo assim, não está claro se terá muito impacto”, disse Handfield. “Muitas organizações encontraram maneiras de contornar as tarifas nesse ínterim para evitá-las. Não está claro se a remoção delas terá um impacto imediato nos custos inflacionários”.

Alguns – incluindo grupos que têm influência nas eleições – se opuseram ao levantamento das tarifas.

A United Steelworkers, um sindicato trabalhista que reivindica 1,2 milhão de membros na América do Norte e é membro do Comitê Consultivo Trabalhista (LAC) sobre Políticas e Negociações Comerciais, um grupo consultivo da Casa Branca, enviou uma carta em 6 de junho ao Escritório do Representante de Comércio dos Estados Unidos, pedindo ao governo Biden que não levante as tarifas.

O sindicato argumentou que as políticas comerciais do Partido Comunista Chinês (PCC) estavam prejudicando as empresas americanas.

“As tarifas gerais que foram impostas e a amplitude dos setores e produtos envolvidos foram projetadas para abordar tanto as políticas e práticas do PCC quanto o impacto em nossa economia, produtores e força de trabalho”, escreveu na carta Thomas Conway, presidente internacional da United Steelworkers e presidente da LAC.

“Muitas empresas dos Estados Unidos falharam em tomar as medidas necessárias para lidar com a ameaça representada pelas políticas do PCC. Muitas continuam a terceirizar a produção, pesquisa e desenvolvimento, minando a competitividade dos Estados Unidos e os interesses de segurança nacional”.

“Nosso governo deve agir no interesse nacional para fortalecer nossa economia para o futuro”, disse Conway.

Handfield explicou que algumas tarifas apoiam certas indústrias, como as tarifas sobre o aço.

“Se as tarifas forem altas sobre o aço chinês, isso protege os fabricantes de aço americanos e permite que eles tenham lucros e volumes maiores, e isso gera empregos”, disse ele. “Os preços do aço estão muito altos, eles estão felizes com essa situação.”

Políticos de ambos os lados do corredor pediram que as tarifas permaneçam. Além dos senadores republicanos Rob Portman e Sherrod Brown, de Ohio, e Mitt Romney, de Utah, a senadora democrata Elizabeth Warren, de Massachusetts, também se opôs ao levantamento das tarifas.

“Remover as tarifas provavelmente resultaria em alguma reação política doméstica e imagino que os republicanos diriam que isso mostra que o governo Biden é fraco em relação à China ou está dando passe livre à China”, disse Sacks, do Conselho de Relações Exteriores. “Mas acho que, no mérito, as tarifas devem ser removidas.”

Além da guerra na Ucrânia e da pandemia, Handfield disse que o principal problema com a disparada da inflação está na infraestrutura da cadeia de suprimentos. A pandemia revelou fraquezas no fluxo global da cadeia de suprimentos, o que causou o congestionamento dos maiores portos dos Estados Unidos – Los Angeles e Long Beach, ambos na Califórnia.

“Acho que não há nada que possa ser feito a curto prazo pelo governo”, disse Handfield. “Algumas das coisas que eles estão fazendo são aumentar as taxas de juros, o que pode diminuir a demanda por alguns bens, mas as cadeias de suprimentos globais têm muitos gargalos, há muitas razões para isso , mas não tem nada a ver com a política do governo.”

“Acho que levará pelo menos dois anos para que eles voltem a fluir efetivamente”, acrescentou.

Com conteúdo VALOR PRO, o serviço de informação em tempo real do Valor Econômico


Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 01.jul.2022 às 18h00
Ibovespa tem sessão de alta liderada por Petrobras e sobe 0,29% na semana

Entre as baixas, se destacaram empresas do setor de minério de ferro devido à preocupação com a retomada da China

Redação IF Publicado em 01.jul.2022 às 17h45
Juros futuros fecham em queda, em linha com taxas dos títulos públicos globais

Medo de recessão nos EUA pesou mais do que riscos fiscais no Brasil

Papo de Finanças Atualizado em 02.jul.2022 às 08h21
Como as eleições interferem nos seus investimentos?

De alguma maneira, seu bolso será afetado pelas eleições do fim do ano. O que pode acontecer? Nina Silva explica

JOTA Publicado em 01.jul.2022 às 16h58
Semana política: PEC “vale-tudo” une governo e oposição por votos

Enquanto isso, em campanha, Lula acena a empresários e ao mercado, diz Fábio Zambeli, do JOTA

Redação IF Publicado em 01.jul.2022 às 15h28
Bilionários dão adeus a US$ 1,4 tri no 1º semestre; veja quem perdeu mais

A fortuna de Elon Musk caiu quase US$ 62 bilhões. Jeff Bezos viu sua riqueza diminuir em cerca de US$ 63 bilhões. O patrimônio líquido de Mark Zuckerberg foi reduzido em mais da metade

Redação IF Atualizado em 01.jul.2022 às 15h08
Efeito bumerangue: entenda como quem tem menos grana vai pagar, no futuro, a conta da ‘PEC Eleitoral’

Aumento de gastos tende a pressionar a inflação e prejudicam, principalmente, as pessoas de menor poder aquisitivo