Economista vê risco de Selic ficar acima de 12,25% ao ano

Sérgio Vale, da consultoria MB Associados, avalia que o Banco Central está sozinho no combate à inflação

Foto: Daniel Dan/Pexels

A consultoria MB Associados revisou para cima as perspectivas para o IPCA (Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo) e a taxa Selic em 2022. A projeção para a inflação no final do ano subiu de 4,7% para 5,9%, enquanto a previsão para o aumento dos juros básicos da economia passou de 11,75% no final do atual ciclo de aperto monetário para 12,25%.

“Há riscos de que a Selic acabe subindo mais do que isso, mas preferimos esperar as próximas decisões do Banco Central”, destacou em relatório Sérgio Vale, economista-chefe da MB. “Vale lembrar que o BC está sozinho no combate à inflação este ano. Não há ajuda da política fiscal, o câmbio deverá se manter pressionado com os riscos de juros nos EUA e eleições por aqui”, acrescentou.

Na avaliação de Vale, a inflação tem dados sinais de pressão que vão se estender além de 2021. “O IPCA fechado pouco acima de 10% deve permanecer acima desse patamar até março e ceder lentamente até o final do ano. Alimentos voltam a ser motivo de preocupação nesse começo de 2022, com quebras importantes de soja e feijão, em
que pese as culturas futuras de milho e cana e a produção de carnes ainda terem perspectivas positivas para o ano”, escreveu. “Além disso, preocupa o indicador de difusão da inflação que chegou a quase 75% no final do ano passado, dando sinais de que a inflação está se espalhando rapidamente.”

Ainda no relatório, o economista-chefe da MB Associados destacou que, diferente dos ciclos de alta do IPCA de 2002 e 2016, dessa vez o trabalho da autoridade monetária para conter a inflação está mais difícil. “O BC terá que dar sinais continuamente contundentes nos próximos meses para evitar que as expectativas de 2023 também sejam contaminadas. A meta (para o IPCA) ano que vem é 3,25% e não será tão simples sair de um nível de quase 6% para praticamente metade do que se verá este ano. Por isso, é mais provável que a Selic permaneça em 12,25% o ano inteiro por conta dos riscos envolvidos”, completou.


Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 01.jul.2022 às 17h45
Juros futuros fecham em queda, em linha com taxas dos títulos públicos globais

Medo de recessão nos EUA pesou mais do que riscos fiscais no Brasil

Valor Econômico Publicado em 01.jul.2022 às 11h39
Análise: PEC dos Combustíveis dificulta o trabalho do Banco Central para baixar a inflação

O assunto novo levantado pelo Copom em junho é o risco de as medidas colocarem o pé no acelerador da economia, num momento em que a política monetária pisa no freio

Redação IF Atualizado em 01.jul.2022 às 08h39
Com PEC aprovada no Senado, pacote de medidas eleitoreiras de Bolsonaro já supera R$ 343 bilhões

Montante inclui ações que têm impacto nas contas do governo, como a ampliação do Auxílio Brasil, o vale para caminhoneiros e renúncias fiscais

Redação IF Atualizado em 30.jun.2022 às 10h53
Inflação com consumo nos EUA sobe 0,6% em maio; ativos domésticos são pressionados pelo cenário mais adverso no exterior

O Ibovespa tem forte queda enquanto o dólar opera em alta ante o real no início desta quinta-feira