Dow Jones sobe mais de 600 pontos; S&P 500 se afasta do território ‘Bear Market’

O S&P 500, índice de referência do mercado de ações nos EUA, avançou 1,9% nesta segunda-feira

(Foto: Richard Drew/AP)

Nos Estados Unidos, as ações subiram, lideradas pelo setor financeiro, com o S&P 500 se afastando do território de baixa após flertar com esses níveis em um pregão volátil na sexta-feira.

O S&P 500, índice de referência do mercado de ações nos EUA, avançou 1,9% nesta segunda-feira. Em um ponto na sexta-feira, o S&P 500 caiu tanto que estava a caminho de fechar pelo menos 20% abaixo do pico de janeiro. Seria um indicador de que o mercado passaria a operar em baixa (‘Bear Market’). Antes do fim da sessão de sexta, o S&P 500 recuperou tereno. Hoje, o Dow Jones subiu 2%, ou mais de 600 pontos, enquanto o Nasdaq focado em tecnologia, subiu 1,6%.

Todos os 11 setores do S&P 500 subiram nesta segunda-feira. O setor financeiro se saiu melhor, subindo 3,7%. O JPMorgan Chase subiu cerca de 7,3%. O banco disse que espera se beneficiar do crescimento dos empréstimos e do aumento das taxas de juros.

Outras ações que subiram foram as da John Deere, com alta de 6,6%, e Caterpillar, 3,7%. A varejista Ross, famosa entre brasileiros que buscam no exterior suas lojas de descontos, ganhou 9,6%.

Na semana passada, os principais índices de ações dos Estados Unidos estenderam a série de semanas no vermelho. O pior dia foi a quinta-feira, quando as bolsas americanas perderam US$ 1,5 trilhão em uma única sessão.

Alguns analistas e pesquisadores chamam de a ‘Era da Escassez.’ A globalização está sofrendo um revés histórico. Como efeito, o PIB mundial será US$ 1,6 tri menor. Entenda.

Nos EUA, esta pode ser uma década perdida para ações. Na contramão, banco americano J.P. Morgan vê potencial de alta de até 10% nas cotações das ações até o fim de junho.

Inflação e política monetária seguem no radar

Nas últimas semanas, as ações recuaram nos EUA, com os investidores debatendo a agressividade com que o Federal Reserve (Fed, banco central dos EUA) aumentará as taxas de juros para domar a inflação elevada.

As pressões sobre os preços prejudicaram alguns lucros corporativos, mas os gestores de recursos também temem que o aperto excessivo das condições financeiras arrisque o crescimento econômico.

As preocupações com a inflação foram exacerbadas nos últimos meses, quando a China implementou bloqueios para conter a disseminação do Covid-19, aumentando a tensão nas cadeias de suprimentos.

O conflito na Ucrânia também fez com que os países europeus se afastassem do petróleo e do gás de Moscou, aumentando os preços das commodities.

Todos esses fatores levam a crer que, apesar da recuperação de hoje, os índices de ações nas bolsas em Nova York devem ter dias voláteis pela frente.  


Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 24.jun.2022 às 18h11
NY: Bolsas fecham em alta e quebram sequencia de três semanas de perdas; Nasdaq acumula alta de 7,5%

Ainda que o medo por uma recessão continue presente, o temor vem sendo calibrado, com analistas enxergando exagero nas projeções

Redação IF Publicado em 24.jun.2022 às 16h21
Americanos buscam ações defensivas com medo da recessão

Investidores monitoram o Fed, que quer derrotar a inflação a qualquer custo

Redação IF Publicado em 24.jun.2022 às 12h57
Dólar apresenta volatilidade e bate R$ 5,27 na máxima

Moeda americana opera sem uma tendência definida

Redação IF Atualizado em 23.jun.2022 às 16h27
Carteira recomendada Itaú: sai Banco do Brasil entra Bradesco

Banco faz parte das recomendações de duas carteiras: Top 5 e a de Dividendos

Redação IF Publicado em 23.jun.2022 às 15h19
Seca de IPOs brasileiros traz 1º semestre mais fraco desde 2016

Nenhuma empresa brasileira abriu capital neste ano até dia 20 de junho, contra 29 transações que levantaram US$ 6,9 bilhões no mesmo período no ano passado

Redação IF Atualizado em 23.jun.2022 às 19h23
‘Timing’ para estreia na Nasdaq foi excelente, diz CEO do Inter; ações fecham em forte queda em NY

O primeiro dia foi negativo para os ativos, fechando com uma forte baixa de 12,56%, a US$ 3,48