Dólar tem queda firme e derruba juros futuros

Dólar se ajusta em queda contra o real após a Pnad mostrar que a taxa de desemprego ficou abaixo das projeções do mercado

cropped-Dolar-americano-scaled-1.jpg

Na esteira do alívio observado no dólar nos mercados globais, o câmbio dá início ao pregão desta sexta-feira com valorização do real e queda dos juros futuros ao longo de toda a estrutura a termo da curva. A recuperação dos ativos de risco se dá após novas sinalizações da China de que deve dar estímulos adicionais à sua economia, o que ajuda a dar sustentação às moedas de mercados emergentes, após dias de fortalecimento do dólar antes da decisão do Federal Reserve (Fed).

Por volta de 9h50, o dólar era negociado a R$ 4,8653, em queda de 1,54% no mercado à vista, enquanto o dólar futuro para junho, contrato mais líquido, recuava 1,61%, a R$ 4,9135. No mesmo horário, a taxa do contrato de Depósito Interfinanceiro (DI) para janeiro de 2023 caía de 13,025% no ajuste anterior para 13,01%; a do DI para janeiro de 2024 cedia de 12,585% para 12,54%; a do contrato para janeiro de 2025 recuava de 12,01% para 11,945%; e a do DI para janeiro de 2027 passava de 11,835% para 11,78%.

No momento em que a pandemia continua a gerar temores de que a China adote medidas ainda mais fortes de isolamento social, o Politburo, que reúne a liderança do Partido Comunista do país, prometeu esforços adicionais para impulsionar o crescimento econômico e conter o atual surto de covid-19. Com essas sinalizações em mãos, os ativos de risco exibem um dia de recuperação e o dólar, que escalou a níveis historicamente elevados nesta semana, tem algum alívio.

No horário acima, o índice DXY, que mede o desempenho da moeda americana contra uma cesta de outras seis divisas, recuava 0,24%, a 103,37 pontos. O dólar ainda caía 0,63% em relação ao peso mexicano; cedia 1,32% contra o rand sul-africano; e exibia recuo de 0,93% na comparação com o peso chileno. Já no mercado de Treasuries, o retorno da T-note de dez anos subia para 2,883%.

Assim, o dólar também se ajusta em queda contra o real, em um movimento apoiado, ainda, pelo desempenho mais favorável do mercado de trabalho, após a Pnad Contínua mostrar que a taxa de desemprego ficou em 11,1% no primeiro trimestre deste ano, abaixo das projeções consensuais do mercado (11,4%). No mercado de juros, o dólar em queda faz os agentes retirarem prêmio de risco da curva, em especial dos trechos intermediários. Vale lembrar, ainda, que o dia é de formação da Ptax do mês, o que deve causar volatilidade no câmbio ao menos até o início da tarde.

Com conteúdo VALOR PRO, o serviço de informação em tempo real do Valor Econômico


Você também pode gostar
Manhã Inteligente Publicado em 20.maio.2022 às 10h40
ETFs de renda fixa, privatização da Eletrobras, queda de lucro de empresas

Isabella Carvalho e Caio Camargo falam sobre esses e outros assuntos que podem afetar seus investimentos nesta sexta (20)

Redação IF Publicado em 20.maio.2022 às 08h16
Bolsas asiáticas fecham em alta após China cortar taxa de juros

Mesmo assim, os investidores seguem atentos à perspectiva de aumento dos juros nos EUA

3 min
Redação IF Publicado em 20.maio.2022 às 08h09
Fundos de ações de Petrobras e Vale renderam até 25 vezes mais que o FGTS desde o lançamento

Trabalhador poderá usar dinheiro do fundo de garantia para comprar ações da Eletrobras

2 min
Redação IF Atualizado em 19.maio.2022 às 13h41
Bolsas americanas perdem US$ 1,5 tri em um dia, e índices operam em queda nesta quinta

Temor de inflação global maior e recessão nos EUA leva nervosismo aos mercados. Na Europa, pregões operam em queda de mais de 2%

1 min