Defasagem deve fazer Petrobras reajustar gasolina e diesel

O último aumento nas refinarias ocorreu em 11 de março, há quase 60 dias

Foto: Gabriel de Paiva/Agência O Globo

Analistas do mercado avaliam que a Petrobras pode anunciar nos próximos dias um reajuste dos combustíveis vendidos em suas refinarias. O último aumento ocorreu em 11 de março, há quase 60 dias. A estimativa é que a defasagem da gasolina em relação à paridade internacional esteja entre 15% e 20%, enquanto a defasagem do diesel esteja no intervalo de 20% a 25%.

“Isso significa que a Petrobras precisa reajustar os preços brasileiros dos respectivos combustíveis para evitar a arbitragem e consequentemente o desabastecimento”, afirma Étore Sanchez, economista-chefe da Ativa Investimentos.

O especialista esclarece que, geralmente, os reajustes são inferiores ao indicado pela defasagem estrita. “Apostamos em uma elevação de cerca de 9% na gasolina, ao passo que o diesel deve ser reajustado em cerca de 13%”, acrescenta Sanchez.

A situação, conforme o Valor Econômico, é mais complexa no caso do diesel. Uma recomposição parcial do preço do combustível seria importante, neste momento, também para outros agentes do mercado, como refinarias privadas e importadores.

À medida em que a Petrobras segura os reajustes inibe a importação, uma vez que o preço do importado chega ao Brasil mais caro do que o vendido nas refinarias da companhia. Por isso, um novo aumento, se confirmado, pode facilitar a compra do produto no exterior por empresas de menor porte.

No mercado doméstico, a demanda por diesel segue em alta e há preocupações de que o crescimento do consumo, puxado pelo agronegócio, leve ao desabastecimento no segundo semestre em algumas regiões. A hipótese tem sido negada pela empresa e pelo governo.


Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 18.maio.2022 às 09h50
Petróleo sobe com redução dos bloqueios na China

Nesta manhã, o petróleo Brent e o West Texas Intermediate (WTI) sobem perto de 1%

Redação IF Publicado em 17.maio.2022 às 11h22
Governo mexe na tabela do frete para conter insatisfação de caminhoneiros

Presidente editou medida provisória reduzindo de 10% para 5% o gatilho que permite revisão da tabela

JOTA Atualizado em 14.maio.2022 às 06h53
ANÁLISE: Bolsonaro tenta se blindar de desgaste político causado por aumento no diesel

Presidente resolveu lançar mão de um pacote de medidas políticas para fazer frente à alta dos combustíveis

Valor Econômico Publicado em 13.maio.2022 às 09h00
Os preços da gasolina e do diesel vão cair se a Petrobras for privatizada?

Entenda os impactos que uma eventual privatização da Petrobras teria no mercado brasileiro de combustíveis

Redação IF Publicado em 12.maio.2022 às 07h50
Parecer do Cade sobre Petrobras pode ajudar governo a cortar até 15% no preço de diesel e gasolina

Decisão do órgão de defesa da concorrência pode permitir alinhar preços da estatal aos custos de exportação de combustíveis em vez dos de importação