Confiança do consumidor tem terceira queda seguida e atinge menor valor desde abril

O aumento da incerteza econômica tem pesado contra o alívio com o sucesso da vacinação

Foto: Marcelo Theobald/Agência O Globo

O Índice de Confiança do Consumidor (ICC), medido pelo FGV IBRE (Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas), caiu 1,4 ponto em novembro, para 74,9 pontos – em uma escala de zero a 200 pontos. O resultado é o menor valor desde abril, quando o indicador ficou em 72,5 pontos. Em médias móveis trimestrais, o índice manteve o viés de baixa ao perder 2,3 pontos, para 75,5 pontos – sendo o terceiro mês consecutivo de queda.

“A confiança dos consumidores voltou a apresentar resultado negativo. Apesar do avanço da vacinação, suas consequências favoráveis na redução de casos e mortes e flexibilização das medidas restritivas, o aumento da incerteza econômica diante de uma inflação elevada, política monetária restritiva e maior endividamento das famílias de baixa renda tornam a situação ainda desconfortável e as perspectivas ainda cheias de ameaças”, afirma Viviane Seda Bittencourt, coordenadora das sondagens.

Em novembro, o ICC foi influenciado por piora tanto na avaliação da situação corrente quanto das expectativas. O Índice de Situação Atual (ISA) diminuiu 2,1 pontos, para 66,9 pontos; enquanto o Índice de Expectativas (IE) caiu 1,0 ponto, para 81,4 pontos. A avaliação negativa dos consumidores sobre o momento foi puxada por uma deterioração da situação econômica local e das finanças da famílias. Com relação às perspectivas para os próximos meses, o que pesou foi a percepção de que o panorama para o orçamento doméstico continuará desfavorável. Já o ímpeto de compras para próximos meses caiu pela terceira vez seguida, 1,1 ponto, para 66,4 pontos.

A análise por faixa de renda revela piora da confiança para todos os grupos, com exceção das famílias com renda entre R$ 4.800,01 e R$ 9.600,00, cujo ICC vem apresentando comportamento de acomodação pelo segundo mês consecutivo. A faixa de renda entre R$ 2.100,01 e R$ 4.800,00 registrou o pior desempenho com queda de 6,7 pontos, para 66,3 pontos.


Você também pode gostar

Isabella Carvalho

Publicado em 07.dez.2021 às 18h54

Carteira digital, casamento e reforma da casa: para onde o consumidor brasileiro está olhando

Estudo mostra quais setores estão em alta e como o dinheiro está se tornando cada vez mais virtual

Denyse Godoy

Atualizado em 07.dez.2021 às 14h48

Pedidos pagos e cancelados: consumidores relatam instabilidade no iFood

É o segundo incidente a afetar o aplicativo em pouco mais de um mês

Valor Econômico

Publicado em 07.dez.2021 às 08h09

Novo foco do Banco Central, expectativas para 2023 voltam a subir

Até a reunião de outubro, o BC vinha calibrando o ritmo de alta de juros para trazer a inflação para o centro da meta ainda em 2022

Júlia Moura

Atualizado em 07.dez.2021 às 08h59

IF HOJE: IGP-DI recua 0,58% em novembro

O Índice Geral de Preços-Disponibilidade Interna (IGP-DI) caiu 0,58% em novembro, ante elevação de 1,60% no mês anterior, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV), nesta terça-feira

Direto no Bolso

Atualizado em 07.dez.2021 às 10h41

Não perca controle dos seus gastos no fim de ano

Especialistas dão dicas de como não estourar o orçamento nas festas de Natal e Ano-Novo