Confiança do consumidor tem terceira queda seguida e atinge menor valor desde abril

O aumento da incerteza econômica tem pesado contra o alívio com o sucesso da vacinação

Foto: Marcelo Theobald/Agência O Globo

O Índice de Confiança do Consumidor (ICC), medido pelo FGV IBRE (Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas), caiu 1,4 ponto em novembro, para 74,9 pontos – em uma escala de zero a 200 pontos. O resultado é o menor valor desde abril, quando o indicador ficou em 72,5 pontos. Em médias móveis trimestrais, o índice manteve o viés de baixa ao perder 2,3 pontos, para 75,5 pontos – sendo o terceiro mês consecutivo de queda.

“A confiança dos consumidores voltou a apresentar resultado negativo. Apesar do avanço da vacinação, suas consequências favoráveis na redução de casos e mortes e flexibilização das medidas restritivas, o aumento da incerteza econômica diante de uma inflação elevada, política monetária restritiva e maior endividamento das famílias de baixa renda tornam a situação ainda desconfortável e as perspectivas ainda cheias de ameaças”, afirma Viviane Seda Bittencourt, coordenadora das sondagens.

Em novembro, o ICC foi influenciado por piora tanto na avaliação da situação corrente quanto das expectativas. O Índice de Situação Atual (ISA) diminuiu 2,1 pontos, para 66,9 pontos; enquanto o Índice de Expectativas (IE) caiu 1,0 ponto, para 81,4 pontos. A avaliação negativa dos consumidores sobre o momento foi puxada por uma deterioração da situação econômica local e das finanças da famílias. Com relação às perspectivas para os próximos meses, o que pesou foi a percepção de que o panorama para o orçamento doméstico continuará desfavorável. Já o ímpeto de compras para próximos meses caiu pela terceira vez seguida, 1,1 ponto, para 66,4 pontos.

A análise por faixa de renda revela piora da confiança para todos os grupos, com exceção das famílias com renda entre R$ 4.800,01 e R$ 9.600,00, cujo ICC vem apresentando comportamento de acomodação pelo segundo mês consecutivo. A faixa de renda entre R$ 2.100,01 e R$ 4.800,00 registrou o pior desempenho com queda de 6,7 pontos, para 66,3 pontos.


Você também pode gostar
Henrique Silva Publicado em 20.maio.2022 às 16h51
Dinheiro deve ser assunto logo no primeiro encontro?

Caso da jornalista que recebeu planilha de gastos do "date" tem muito a ensinar

JOTA Atualizado em 21.maio.2022 às 07h47
Análise: Como mitigar os efeitos da inflação no seu bolso?

Correção dos rendimentos pela inflação os leva à faixa superior da tabela progressiva do IR

Redação IF Publicado em 20.maio.2022 às 09h28
Rio ou São Paulo: onde o aluguel é mais barato?

Se for para investir, cuidado. Até a poupança tem rentabilidade melhor do que a locação

Gustavo Zanfer Atualizado em 21.maio.2022 às 07h43
Como montar uma carteira de longo prazo?

É difícil, mas é importante ter uma estratégia financeira para daqui a alguns anos

Redação IF Publicado em 19.maio.2022 às 09h06
IGP-M desacelera para 0,39% na segunda prévia de maio, aponta FGV

Houve recuos nos preços ao produtor, ao consumidor e nos custos da construção

Listas IF Atualizado em 18.maio.2022 às 17h29 Duração 1 min.
Pense bem antes de gastar no cartão de crédito

O que você pode fazer para gastar com sabedoria (e sem afobação)? Maju Marques dá quatro dicas para cuidar do seu dinheiro