Confiança do comércio inicia 2022 em baixa; desaceleração da economia também afeta serviços

A inflação elevada e a renda média do trabalhador em queda estão entre os fatores para o desempenho negativo

(Foto: Pixabay)

O Instituto Brasileiro de Economia da FGV (FGV IBRE) informou nesta sexta-feira (28) que o Índice de Confiança do Comércio (ICOM) cedeu 0,4 ponto em janeiro, ao passar de 85,3 para 84,9 pontos – em uma escala de zero a 200 pontos. O resultado representa menor nível do indicador desde abril de 2021 (84,1 pontos). No primeiro mês de 2022, houve queda em três dos seis principais segmentos do setor. O recuo no mês foi resultado da piora da percepção sobre o momento presente. O Índice de Situação Atual (ISA-COM) caiu 3,5 pontos chegando a 80,5 pontos, menor valor desde março de 2021 (75,9 pontos). Já o Índice de Expectativas (IE-COM) avançou 2,7 pontos, ao passar de 87,3 pontos para 90,0 pontos.

“A confiança do comércio inicia o ano reduzindo a velocidade da desaceleração observada no final de 2021. O resultado negativo foi influenciado pela percepção de queda no volume de vendas no momento. As perspectivas para os próximos meses melhoram, mas ainda é cedo para comemorar, considerando o patamar abaixo do nível neutro do índice”, destaca Rodolpho Tobler, economista do FGV IBRE. “A inflação elevada, renda média do trabalhador em baixa, confiança dos consumidores em queda e juros em alta, parecem ser fatores que pressionaram a confiança do comércio nesse nível mais baixo. Para voltar ao caminho de recuperação da confiança, será preciso sinais positivos nos fatores mencionados, além da continuidade do controle da pandemia”, acrescenta.

Desempenho do setor de serviços

O Índice de Confiança de Serviços (ICS) perdeu 4,3 pontos em janeiro, para 91,2 pontos – menor nível deste maio de 2021 (88,1 pontos). A queda foi resultado da piora na avaliação das empresas sobre a situação atual e das perspectivas para os próximos meses. O Índice de Situação Atual (ISA-S) caiu 3,1 pontos, para 89,4 pontos, menor nível desde junho de 2021 (88,7 pontos). O Índice de Expectativas (IE-S) recuou 5,5 pontos, para 93,2 pontos, menor nível desde maio de 2021 (92,4 pontos).

“O setor de serviços inicia 2022 com uma nova queda, sendo a mais intensa desde março de 2021, período da segunda onda da pandemia de covid-19. O resultado negativo desse mês parece refletir a desaceleração que já vinha sendo sinalizada nos últimos meses, mas com o acréscimo da nova onda da pandemia”, diz Tobler. “Além do cenário macroeconômico ainda difícil e da cautela dos consumidores, a volta de algumas medidas restritivas já impacta a atividade do setor e liga o sinal de alerta sobre o ritmo dos próximos meses. Enquanto esses fatores persistirem vai ser difícil observar o retorno da tendência positiva da confiança no setor de serviços”, completa o economista do FGV IBRE.


Você também pode gostar
Valor Econômico Publicado em 28.jun.2022 às 07h57
Tecnologia 5G será disseminada mais rapidamente do que o 4G

Velocidade de expansão deve reduzir preço de celulares compatíveis

Redação IF Publicado em 24.jun.2022 às 12h53
Inflação e baixa renda inibem recuperação do consumo no Brasil

Indicador da FGV mostrou uma melhora da confiança entre as faixas de maior poder aquisitivo

Redação IF Atualizado em 14.jun.2022 às 10h50
Setor de serviços desacelera e sobe 0,2% em abril, aponta IBGE

Resultado indica uma desaceleração em relação ao mês anterior, quando avançou 1,4%, embora a atividade se mantenha no campo positivo

Redação IF Publicado em 07.jun.2022 às 09h54
Amazon amplia serviços para atrair mais vendedores para sua plataforma no Brasil

Iniciativa ocorre em meio ao acirramento da competição entre os marketplaces que operam no país

Redação IF Atualizado em 03.jun.2022 às 16h52
Inflação do aluguel desacelera em maio, dando alívio ao bolso do inquilino

Para quem tem contrato que vence este mês, o reajuste será menor, de 10,72%