Confiança da indústria recua pelo sexto mês seguido, aponta FGV

O resultado de janeiro foi influenciado por uma piora tanto das avaliações sobre a situação atual quanto das perspectivas para os próximos meses

Foto: Miguel Ângelo/CNI

O Índice de Confiança da Indústria (ICI) do FGV IBRE caiu 1,7 ponto em janeiro, para 98,4 pontos – em uma escala de zero a 200 pontos. Foi o sexto recuo mensal consecutivo do indicador, que atingiu o menor nível desde julho de 2020 (89,8 pontos).

“O setor industrial inicia 2022 com queda disseminada da confiança entre os segmentos, pesando sobre esse resultado as incertezas em decorrência do aumento nos casos de covid-19 que tem levado a reduções no quadro de funcionários e a ampliação das restrições em por países que sentiram o recrudescimento da pandemia. Nesse sentido, tanto as perspectivas sobre o ritmo da atividade produtiva, quanto sobre a evolução da demanda foram comprometidas”, destaca Claudia Perdigão, economista do FGV IBRE. “A sequência de quedas não é observada desde 2014, quando foram registrados oito meses consecutivos de retração. A redução gradual dos gargalos que vêm pressionando a indústria, como a escassez de insumos, podem colaborar para a recuperação do setor no decorrer de 2022”, acrescenta.

O resultado do mês foi influenciado por uma piora tanto das avaliações sobre a situação atual quanto das perspectivas para os próximos meses. O Índice Situação Atual (ISA) cedeu 1,2 ponto, para 99,8 pontos, menor valor desde agosto de 2020 (97,8 pontos). O Índice de Expectativas (IE) caiu 2,0 pontos para 97,1 pontos, menor patamar desde abril de 2021 (96,9 pontos).

Entre os quesitos que compõem o ISA, o pior desempenho se deu no indicador que mede a situação atual dos negócios, com queda de 6,4 pontos para 89,4 pontos, menor valor desde julho de 2020 (87,0 pontos). O indicador de demanda total recuou 4,2 pontos para 99,5 pontos e acumula perda de 14,1 pontos nos últimos sete meses.

Dos indicadores que integram o IE, a produção prevista para os próximos três meses foi o que mais influenciou a queda do ICI no mês de janeiro, ao cair 4,7 pontos para 94,1 pontos, menor nível desde maio de 2021 (93,1 pontos). O emprego previsto para os próximos meses se manteve relativamente estável ao variar 0,3 ponto para 102,1 pontos. A tendência dos negócios para os próximos seis meses continua em trajetória negativa pelo sexto mês consecutivo, caindo 1,2 ponto em janeiro, para 95,4 pontos, menor valor desde agosto de 2020 (88,8 pontos).

O Nível de Utilização da Capacidade Instalada retornou ao patamar de novembro de 2021 ao subir 1,0 ponto percentual, para 80,7%.


Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 07.jun.2022 às 12h17
Anfavea: 150 mil veículos deixaram de ser produzidos no ano por falta de semicondutores

Balanço divulgado pela associação indica que houve 16 paralisações de fábricas de janeiro a maio de 2022

Redação IF Atualizado em 03.jun.2022 às 16h52
Inflação do aluguel desacelera em maio, dando alívio ao bolso do inquilino

Para quem tem contrato que vence este mês, o reajuste será menor, de 10,72%

Isabella Carvalho Publicado em 25.maio.2022 às 12h13
Conheça o IAGRO, índice de agronegócio lançado pela B3

Você deve ficar de olho nele, ainda que não invista em ações do setor

JOTA Atualizado em 21.maio.2022 às 07h47
Análise: Como mitigar os efeitos da inflação no seu bolso?

Correção dos rendimentos pela inflação os leva à faixa superior da tabela progressiva do IR

Valor Econômico Publicado em 09.maio.2022 às 07h29
Com inflação e juros em alta, produção de eletrodomésticos cai 25% no 1º tri

Mercado apresenta demanda fraca e produtos mais caros com repasse de custos