Como proteger seu dinheiro no último trimestre

Com inteligência financeira, dá para driblar o cenário econômico negativo e aproveitar o final de ano em que o Brasil volta à normalidade após a pandemia

ECO - Rio de Janeiro (RJ) - 23/09/2021 - ANTECIPAÇÃO DAS VENDAS DE ALIMENTOS E DECORAÇÃO DE NATAL PARA SETEMBRO. - Supermercado Zonal Sul, Barão da Torre, 201. - Ipanema. Na foto: Torre de Panetone. Foto: Maria Isabel Oliveira / Agência O Globo.
Supermercado na zona Sul do Rio de Janeiro se prepara para receber os clientes em suas compras de final de ano (Foto: Maria Isabel Oliveira/Agência O Globo)

Já são 156,6 milhões de brasileiros totalmente vacinados contra a Covid-19 no país (74,4% da população), e a pandemia se enfraquece dia após dia. A perspectiva de se reunir no Natal, celebrar um Réveillon muito simbólico – que oxalá marque a passagem de um período terrível para uma rotina mais parecida com a que antes chamávamos de normal – e viajar nas férias volta a animar as famílias. Mas o cenário econômico inspira cautela.

A inflação medida pelo IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo), do IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística) deve fechar 2021 em 9,33%, segundo a pesquisa Focus, realizada semanalmente pelo Banco Central com analistas do mercado financeiro. Se a projeção se confirmar, será a maior alta desde 2015, quando bateu em 10,67%. Não há quem não tenha notado que o dinheiro encolheu e vem sobrando mais mês no final do salário.

Para tentar domar a inflação, a principal ferramenta de que o BC dispõe é a taxa de juros. A Selic, que é a referência para todas as operações de crédito no Brasil, subiu de 2% no início do ano para 7,75%, e deve acabar o ano em 9,25%, de acordo com as previsões da Focus. No entanto, parte da inflação atual é resultado da escassez global de matérias-primas e alimentos, então a arma dos juros pode não ser suficiente para segurar os preços.

Os juros em alta atrapalham a retomada da economia após a desaceleração forçada pela pandemia, pois desencorajam investimentos por parte das empresas e encarecem as compras parceladas das famílias. Assim, vai demorar mais para que os atuais 14,4 milhões de desempregados (14,1% da população economicamente ativa), de acordo com o IBGE, encontrem uma ocupação.

A instabilidade política decorrente das movimentações com vistas à eleição de 2022 também ajuda a alimentar um sentimento de preocupação que pode atrapalhar a alegria do final de ano. Como administrar o orçamento para conseguir pagar as contas e ainda curtir as festas? Como garantir que os investimentos vão continuar rendendo?

Muita calma nesta hora! Leia a seguir duas reportagens que vão orientar sobre como agir neste momento:


Você também pode gostar

Leonardo Guimarães

Atualizado em 07.dez.2021 às 19h52

O que não fazer com seus investimentos em 2022

Elaboramos dicas essenciais para 2022, que será um ano desafiador e vai exigir preparo dos investidores

Júlia Moura

Atualizado em 07.dez.2021 às 15h46

Ibovespa segue em alta, impulsionando ações de petrolíferas, mineradoras e siderúrgicas

Recuperação dos preços de minério de ferro, que subiram mais de 8% na China, impulsionam ações de mineradoras e siderúrgicas

Valor Econômico

Publicado em 07.dez.2021 às 08h09

Novo foco do Banco Central, expectativas para 2023 voltam a subir

Até a reunião de outubro, o BC vinha calibrando o ritmo de alta de juros para trazer a inflação para o centro da meta ainda em 2022

Redação IF

Atualizado em 07.dez.2021 às 12h04

Poupança deve voltar a ter rendimento pela regra antiga após reunião do Copom; entenda como funciona e onde investir

Com uma Selic acima de 8,5% ao ano, poupança passará a ter retorno fixo de 0,5% ao mês + TR, ou 6,17% ao ano. Mesmo rendendo mais, aplicação segue perdendo para a inflação

Júlia Moura

Atualizado em 07.dez.2021 às 08h59

IF HOJE: IGP-DI recua 0,58% em novembro

O Índice Geral de Preços-Disponibilidade Interna (IGP-DI) caiu 0,58% em novembro, ante elevação de 1,60% no mês anterior, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV), nesta terça-feira

Redação IF

Publicado em 06.dez.2021 às 16h17

Saques na poupança superam depósitos em R$ 12,3 bilhões em novembro

Foi o quarto mês seguido com saída líquida de recursos da modalidade de investimento

Valor Econômico

Atualizado em 06.dez.2021 às 08h07

Poupador não se anima com Tesouro Prefixado

Segundo o Tesouro Nacional, esses foram os papéis que menos venderam nos últimos meses