Como fica o crescimento da economia com a subida dos juros?

A avaliação de especialistas é que o Banco Central, na missão de conter a inflação, terá o desafio de não comprometer o PIB de 2022

taxa de juros
Foto: Leo Pinheiro/Agência O Globo

Pontos-chave

  • Mercado piorou a expectativa de expansão do PIB para o ano que vem
  • Ritmo de aumento da Selic pode ser decisivo para o desempenho da atividade econômica

O novo boletim Focus, divulgado nesta segunda-feira (1) pelo Banco Central (BC), trouxe as expectativas atualizadas dos agentes do mercado financeiro para os rumos da economia na reta final de 2021. As perspectivas atuais apontam para uma inflação maior (9,17% contra 8,96%), uma taxa Selic mais elevada (9,25% contra 8,75%) e um avanço menor do PIB (4,94% contra 4,97%).

Para 2022, conforme o relatório, as estimativas vão na mesma linha. O mercado projeta ainda uma inflação alta (4,55% ante 4,40%), os juros básicos em ascensão (10,25% ante 9,50%) e um crescimento da economia em desaceleração (1,20% ante 1,40%).

Para especialistas ouvidos pela Inteligência Financeira, o quadro para os próximos meses é de muitas incertezas. A avaliação é que o Banco Central, na manutenção do ciclo de subida da Selic para conter a pressão dos preços aos consumidores, terá o desafio de não comprometer o crescimento do PIB.

Alexandre Espírito Santo, economista-chefe da corretora Órama e professor da Ibmec (RJ), diz que, por isso, “o mais provável” é que o Comitê de Política Monetária (Copom) aumente os juros em 1,5 ponto percentual, de 7,75% para 9,25% ao ano, na última reunião de 2021, em dezembro. “É preciso conduzir com parcimônia essa elevação para não prejudicar a atividade econômica, que vem tentando se recuperar com a vacinação”, afirma. Mesmo esperando uma prudência do Copom, a Órama destoa do quadro geral do Focus e estima que o PIB irá crescer 0,5% no ano que vem.

O economista-chefe da corretora considera que, “para o BC subir ainda mais (os juros), é preciso um sinal de desancoragem nas expectativas da inflação para 2022 no boletim Focus”. “Se as projeções subirem muito fortemente pode ser, mas não apostaria nessa hipótese”, avalia. “Parte importante da nossa inflação está associada a choques de preços, como combustíveis, energia e alimentos. Com as chuvas recentes, a energia pode dar uma pequena aliviada, o que é positivo”, acrescenta.

Álvaro Bandeira, economista-chefe do banco Modalmais, também vê um “processo complicado” para o BC. “Fazer um aumento poderoso na taxa básica de juros terá efeito na atividade econômica”, diz. “Mesmo agora, já se fala em estagnação. Então não surpreenderia termos um PIB zero ou até negativo no ano que vem”. Ele observa que a inflação persistente e o aperto da Selic vão contribuir “ainda mais para a perda do poder de compra das pessoas” e “para a queda no consumo”.

O cenário para os investidores

Alexandre Espírito Santo aponta que “é preciso ter cuidado com movimentos bruscos” neste momento para ajustar a carteira. “A volatilidade subiu, inclusive na renda fixa”, diz. “Minha sugestão é ter um pouco de calma e não agir por impulso. Os preços dos ativos estão distorcidos e devem voltar à normalidade daqui a pouco”, acrescenta o economista-chefe da Órama.

Já Álvaro Bandeira, mesmo com o Ibovespa em queda de mais de 10% no ano, avalia que o cenário indefinido não pode ser um empecilho para quem investe ou deseja aplicar na Bolsa de Valores. “É possível realizar compras progressivas visando um retorno de médio ou longo prazo”, diz. “Temos empresas pagando bons dividendos, como Vale e Petrobras. Além de companhias com boa governança, com pegada ESG, que valem a pena selecionar”, completa o economista-chefe do Modalmais.


Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 20.maio.2022 às 17h52
Ibovespa sobe 1,39% com alta das commodities; na semana, avanço é de 1,46%

Investidores estão otimistas com a retomada dos estímulos econômicos pela China

1 min
Papo de Finanças Publicado em 20.maio.2022 às 17h09
Você confia no robô-investidor?

O robô investidor é um algoritmo que negocia ativos financeiros sozinho. Saiba como eles funcionam no Papo de Finanças

JOTA Atualizado em 21.maio.2022 às 07h47
Análise: Como mitigar os efeitos da inflação no seu bolso?

Correção dos rendimentos pela inflação os leva à faixa superior da tabela progressiva do IR

5 min
Anne Dias Publicado em 20.maio.2022 às 11h12
3 min
Redação IF Atualizado em 20.maio.2022 às 17h58
Dólar tem queda de 0,89% com corte de juros na China e acumula baixa de 3,64% na semana

O real seguiu o movimento das moedas de países emergentes nesta sexta (20)

1 min
Manhã Inteligente Publicado em 20.maio.2022 às 10h40
ETFs de renda fixa, privatização da Eletrobras, queda de lucro de empresas

Isabella Carvalho e Caio Camargo falam sobre esses e outros assuntos que podem afetar seus investimentos nesta sexta (20)

Redação IF Publicado em 20.maio.2022 às 09h28
Rio ou São Paulo: onde o aluguel é mais barato?

Se for para investir, cuidado. Até a poupança tem rentabilidade melhor do que a locação

3 min
Redação IF Publicado em 20.maio.2022 às 08h16
Bolsas asiáticas fecham em alta após China cortar taxa de juros

Mesmo assim, os investidores seguem atentos à perspectiva de aumento dos juros nos EUA

3 min
Redação IF Publicado em 20.maio.2022 às 08h09
Fundos de ações de Petrobras e Vale renderam até 25 vezes mais que o FGTS desde o lançamento

Trabalhador poderá usar dinheiro do fundo de garantia para comprar ações da Eletrobras

2 min