Câmara aprova mudança em ICMS sobre combustíveis que pode reduzir o valor em 2022

A proposta deverá diminuir a volatilidade dos preços e reduzir o custo da gasolina, do etanol e do diesel em 2022, mas também pode causar efeito inverso para o próximo governo, em 2023, com a manutenção artificial de um preço mais alto

Foto: Pablo Valadares/Câmara dos Deputados

Pontos-chave

  • Arthur Lira diz que a gasolina deve baixar entre 7% e 8%, o etanol em 7% e o diesel em 4%
  • Presidente da Câmara garantiu que a política de reajustes da Petrobras não será alterada
  • A proposta enfrenta protestos dos Estados por uma possível interferência na autonomia federativa

A Câmara dos Deputados aprovou nesta quarta-feira (13), por 392 a favor 71 contrários e 2 abstenções, o projeto de lei do governo para mudar a cobrança de ICMS sobre os combustíveis. O texto diminuirá a volatilidade dos preços e deve reduzir o custo da gasolina, do etanol e do diesel em 2022, ano em que o presidente Jair Bolsonaro buscará a reeleição, mas também pode causar efeito inverso para o próximo governo, com a manutenção artificial de um preço mais alto.

Após a aprovação do texto-base com 392 votos favoráveis, os deputados rejeitaram as cinco emendas apresentadas pelos partidos de oposição ainda na noite desta quarta-feira. O texto segue para análise do Senado Federal, onde governadores devem reforçar a ofensiva para tentar alterar pontos da proposta.

O projeto foi defendido pelo presidente da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), e o parecer protocolado no meio do feriado pelo deputado dr Jaziel (PL-CE).

Hoje o ICMS é um percentual entre 25% e 34% aplicado sobre o preço de venda de cada combustível, calculado pelos Estados a cada 15 dias. Com o aumento nos valores praticados pela Petrobras, estatal controlada pelo governo, subiu também a arrecadação do ICMS.

A Câmara tornou anual essa pesquisa de referência, que levaria em conta a média dos preços nos dois anos anteriores.

Além disso, ao invés de um percentual, será cobrado um valor fixo por litro, como ocorre com o PIS/Cofins do governo federal desde 2004 (de R$ 0,89 por litro de gasolina). Esse valor do ICMS seria definido por cada Estado e valerá por 12 meses, tendo como teto os valores medidas na pesquisa.

Na data de sanção do projeto, diz o parecer, os anos de referência seriam 2019 e 2020, quando o preço da gasolina e do diesel era menor (em 2020, o barril do petróleo chegou a estar cotado a US$ 20, contra US$ 80 hoje), e valeria por pelo menos os próximos 12 meses (até depois da eleição, portanto). Com isso, segundo Lira disse em entrevista à “rádio CNN” nesta quarta-feira, a gasolina cairia entre 7% e 8%, o etanol em 7% e o diesel em 4%.

Para 2023, contudo, o alto preço de venda dos combustíveis em 2021, que chegou a R$ 7 para a gasolina, entraria na conta para definir o valor de referência do ICMS.

Se o dólar e o barril do petróleo recuarem até lá, ou se um novo governo determinar uma mudança na política de preços da Petrobras e forçar a redução do valor — ambas variáveis incertas —, o tributo se manteria artificialmente mais elevado, aumentando o custo dos combustíveis.

O deputado Alexis Fonteyne (Novo-SP) afirmou que a proposta empurra com a barriga os preços altos para provocar efeito imediatista. “No fundo isso não resolve o problema e talvez gere problema futuro maior. Hoje estamos trabalhando no pico do preço dos combustíveis, mas esse pico pode voltar atrás, como já ocorreu no passado”, pontuou.

O deputado Ênio Verri (PT-PR) disse que o projeto pode reduzir o preço dos combustíveis no curto prazo, mas não é a solução porque a culpa é das políticas de reajustes da Petrobras e econômica do governo federal. “O governo Bolsonaro apresenta um projeto na Câmara que tenta disfarçar a sua mais completa responsabilidade. Quer transferir para os Estados a sua incompetência ou uma decisão de favorecer os acionistas”, afirmou.

Apesar de ponderarem as críticas ao governo, os partidos de oposição se uniram aos governistas e votaram a favor do projeto, enviado por Bolsonaro em meio a tentativa de jogar para os governadores a culpa pelo preço da gasolina, tema altamente impopular. “O povo brasileiro sofre muito com a incompetência desse governo e não é justo que a nossa população continue sofrendo tanto assim”, justificou Verri.

O líder do PCdoB, deputado Renildo Calheiros (PE), afirmou que os partidos de oposição decidiram votar a favor do projeto para “derrubar a máscara e o discurso falso” de Bolsonaro. “Vai aprovar o projeto e essa política econômica lesa pátria vai continuar aumentando a gasolina”, disse.

O PSDB, com dois potenciais adversários de Bolsonaro a frente de governos estaduais, liberou sua bancada e não se posicionou. Os partidos contrários foram o Novo e o MDB, que reclamou da quebra de acordo de votar uma mudança no imposto estadual.

“O presidente da Câmara Arthur Lira e o líder do governo Ricardo Barros quebraram o acordo firmado em relação ao PLP 11/2020. O acordo seria votar o texto do PLP 105/21, que daria transparência ao consumidor. Essa ação é uma verdadeira cortina de fumaça”, disse o líder do MDB, Isnaldo Bulhões (AL), em nota. Lira rebateu em plenário que o texto mudou em relação à proposta do governo e que os governadores terão autonomia, por isso o acordo não teria sido descumprido.

A proposta gerou protestos dos Estados sobre interferência na autonomia federativa. Em nota, o Comitê de Secretários Estaduais de Fazenda (Comsefaz) disse que o projeto diminuirá em R$ 24 bilhões as finanças estaduais, o que terá impacto de R$ 6 bilhões para os municípios, que recebem 25% do ICMS. O documento destaca que neste ano a gasolina já acumula alta de 31%, o etanol de 40,7% e o diesel de 28%, mas que o governo culpa o ICMS “na pressa de endereçar soluções aparentemente simples, mas claramente equivocadas”.

O governador do Piauí, Wellington Dias (PT), coordenador do fórum de governadores do Nordeste, gravou vídeo para criticar a proposta. “Em um momento delicado do país, por quê não se trabalha com muita força a proposta que o próprio ministro Paulo Guedes e agora o próprio Bolsonaro já admitiram? De capitalizar o fundo de equalização dos combustíveis. Isso sim faz cair o preço da gasolina para aproximadamente quase R$ 4,50 e não apenas 40 centavos como é essa proposta da Câmara”, declarou.

Para Adriano Pires, diretor do Centro Brasileiro de Infra Estrutura (CBIE), o único mérito da proposta é diminuir a volatilidade, de um reajuste quinzenal no imposto para anual, mas isso não significa que o preço da gasolina e do diesel vão cair.

“Falar que o combustível está alto pelos governadores é artifício político. Essa não é a principal explicação. A principal explicação chama-se Paulo Guedes, é o câmbio”, disse.

Na opinião de Pires, o debate acelerado para dar respostas à sociedade insatisfeita com a gasolina cara acabou por prejudicar o projeto original, que era positivo por estabelecer uma alíquota única e monofásica que ajudaria a combater a sonegação. O melhor para solucionar o problema do preço dos combustíveis, afirmou, é o fundo de equalização, atrelado a política de ajuda a população carente para comprar o gás de cozinha.

Lira defendeu a mudança no ICMS e que a política da Petrobras (que define o valor dos combustíveis vendidos no Brasil com base no dólar e na cotação internacional do petróleo) não deve ser alterada, mas criticou o “monopólio absurdo” dela no gás e a falta de política de investimento energético e cogitou a venda da empresa. “É uma política que tem que ser revista porque hoje ela nem é pública nem privada. Não seria o caso de privatizar a Petrobras? Não seria a hora de se discutir qual a função da Petrobras? É só distribuir dividendos aos acionistas?”, questionou.


Você também pode gostar
Manhã Inteligente Publicado em 19.maio.2022 às 10h26
Guerra na Ucrânia, queda das ações da Amazon, Madonna e NFTs

Isabella Carvalho e Ítalo Martinelli falam sobre os assuntos que podem afetar seus investimentos nesta quinta (19)

Redação IF Publicado em 19.maio.2022 às 09h06
IGP-M desacelera para 0,39% na segunda prévia de maio, aponta FGV

Houve recuos nos preços ao produtor, ao consumidor e nos custos da construção

Redação IF Atualizado em 19.maio.2022 às 06h32
Governo quer registrar venda da Eletrobras nas bolsas de NY e SP na próxima semana

Após aprovação do TCU, objetivo é tentar acelerar o processo e garantir a privatização da empresa até 15 de junho

Valor Econômico Publicado em 19.maio.2022 às 06h12
Grandes investidores ampliam dinheiro em caixa para maior patamar desde atentados de 11 de setembro

Preferência por dinheiro vivo coincide com enfraquecimento significativo das expectativas quanto aos lucros das empresas

Redação IF Publicado em 18.maio.2022 às 17h47
TCU forma maioria para aprovar privatização da Eletrobras

Governo aguarda aprovação do tribunal para fazer a capitalização da companhia ainda este ano

Valor Econômico Publicado em 18.maio.2022 às 17h23
Lockdowns na China estão afetando as cadeias globais de produção, diz secretária do Tesouro dos EUA

Secretária do Tesouro americano alertou que os fechamentos na China têm efeito dominó em todo o mundo, e que é preciso ficar atento com os impactos destas medidas