Bom ou ruim? As avaliações sobre o resultado de novembro do mercado de trabalho

Entre os destaques dos números da Pnad Contínua está a recuperação puxada por salários baixos

Ilustração representa inflação
– Ilustração: Marcelo Andreguetti/IF

A Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) Contínua apontou uma queda na taxa de desemprego no Brasil, para 11,6% no trimestre encerrado em novembro de 2021. Apesar da melhora do cenário, o economista e estrategista da RB Investimentos, Gustavo Cruz, destacou que há pontos negativos nos dados divulgados nesta sexta-feira (28) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística), especialmente a baixa qualidade dos empregos.

“A taxa de informalidade ainda é alta, de 40% da população. Isso não é um nível para desprezar. Mostra uma precariedade do emprego no Brasil”, comentou Cruz. “Outro ponto que chama a atenção de forma mais negativa é que o IBGE destaca que o rendimento real habitual foi o menor da série histórica, de R$ 2.444. Caiu 4,5% frente ao trimestre anterior e 11,4% na comparação anual. Tem alguns pontos de interpretação para esse nível. O primeiro, a inflação muito alta. O segundo, como a taxa de desemprego estava num patamar muito elevado, há muitos relatos de pessoas aceitando ganhar menos. O poder de barganha foi para o empregador”, acrescentou o economista da RB Investimentos.

Para Rodolfo Margato, economista da XP, o resultado não foi totalmente bom nem totalmente ruim. “Copo meio cheio ou meio vazio? Apesar da recuperação do emprego, a renda segue em trajetória de queda”, escreveu em nota. “A reabertura econômica tem propiciada uma recuperação consistente do nível de emprego doméstico. (Por outro lado) A inflação persistentemente alta, a ociosidade no mercado de trabalho e mudanças relevantes na composição da população ocupada (participação crescente das categorias de emprego informal que, em média, possuem rendimentos mais baixos) são os principais fatores que explicam a tendência cadente do rendimento médio”, observou Margato.

A economista-chefe do banco Inter, Rafaela Vitória, ressaltou que o aumento da circulação das pessoas no período anterior à variante ômicron ajudou a reduzir o número de desocupados. “A taxa de desemprego teve mais uma queda forte no trimestre encerrado em novembro e ficou em 11,6% melhor que nossa expectativa de 11,8%. A volta da mobilidade vem permitindo uma retomada mais acelerada do emprego no segundo semestre [de 2021], principalmente no setor de serviços. Por exemplo, o comércio foi o segmento que mais empregou segundo a pesquisa, tanto na comparação trimestral como anual”, anotou em relatório.

Com Valor PRO, serviço de notícias em tempo real do Valor Econômico


Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 16.jun.2022 às 11h05
EUA: Pedidos de seguro-desemprego somam 229 mil na semana passada; consenso era de 215 mil

Números permaneceram perto de uma máxima de cinco meses, um sinal de que as demissões aumentaram nos EUA

2 min
Redação IF Atualizado em 08.jun.2022 às 08h31
Citigroup planeja contratar 4 mil funcionários de tecnologia para ‘explosão digital’

Mais de 1 mil dos recrutados se juntarão à equipe de tecnologia, diz executivo do banco

2 min
Redação IF Atualizado em 06.jun.2022 às 10h37
Brasil cria 196.966 vagas formais em abril, acima das expectativas

Abertura de empregos com carteira assinada no ano soma 770 mil, mostra Caged

2 min
Redação IF Atualizado em 03.jun.2022 às 16h05
EUA criam 390 mil vagas de emprego em maio, segundo payroll; menor aumento em 13 meses

Aumento registrado em maio foi o menor em 13 meses e interrompe uma série de 12 aumentos consecutivos de ao menos 400 mil vagas por mês ou mais

2 min
Redação IF Publicado em 02.jun.2022 às 14h54
Minha vida vai melhorar com a alta do PIB?

É hora de controlar o orçamento e evitar dívidas

4 min