Bolsas em NY fecham em queda com derretimento da Tesla e investidor à espera de resultados das ‘big techs’

A atenção do investidor se volta agora para as próximas sessões de divulgação dos balanços das 'big techs'

(Foto: Robb Miller/Unsplash)

Pontos-chave

  • Nasdaq fecha no pior nível em mais de um ano com medo dos resultados que estão por vir das empresas de tecnologia

Os três principais índices acionários de Wall Street terminaram a sessão em queda consistente em meio à espera dos investidores pela divulgação dos balanços corporativos das big techs. A sessão de hoje foi marcada por alguns resultados mais fracos e também pelo impacto da queda da Tesla, penalizada pela compra do Twitter ontem pelo presidente da empresa de veículos elétricos, Elon Musk. O dia ainda foi marcado pelo avanço nos preços do petróleo, que deu sobrevida para o segmento de energia no pregão.

Ao fim da sessão, o índice Dow Jones caiu 2,38%, a 33.240,18 pontos, enquanto o S&P 500 recuou 4.175,20 pontos, e o Nasdaq perdeu 3,95%, a 12.490,74 pontos. Entre os índices setoriais do S&P 500, a maior perda veio por parte do segmento de consumo discricionário, com recuo de 4,99%. Dentro deste grupo, a empresa mais penalizada foi a Tesla, cujas ações retraíram 12,18% na sessão. O movimento ocorreu após investidores não enxergarem sinergia entre o Twitter e a marca de automóveis elétricos. Lembrando que ontem Elon Musk comprou a rede social por US$ 44 bilhões. Aliás, as ações do Twitter também não estenderam o rali e caíram 3,93% hoje.

O Twitter, porém, não foi o maior perdedor de seu setor, o segmento de serviços da comunicação (-3,16%). Neste, a maior queda veio pela Warner Bros Discovery, com recuo de 7,77%. As ações de marca caíam depois de o presidente do recém-formado conglomerado (Warner Bros e Discovery), David Zaslav, dizer que a empresa não gastará muito para aumentar os assinantes de notícias e entretenimento quando se trata de streaming. “Vamos claramente tomar ações rápidas e decisivas em certos itens, como você viu na CNN+ na semana passada”, disse Zaslav a analistas em uma teleconferência de resultados na manhã de terça-feira, referindo-se à decisão de fechar o serviço de streaming da CNN cerca de um mês depois de seu lançamento.

Outras ações que caíram com força foram as da General Electric (GE), com recuo de 10,35%. A companhia reportou um prejuízo líquido de US$ 1,09 bilhão no primeiro trimestre e revisou suas perspectivas para 2022, em um viés mais pessimista. A empresa afirmou em seu relatório que, mesmo reduzindo seu prejuízo em 61%, ela continua enfrentando pressão de interrupção na cadeia de suprimentos.

Já a 3M e a Pepsico reportaram lucros melhores do que o esperado para o primeiro trimestre, mas revisaram para baixo as suas projeções de ganhos para 2022. A ação da 3M terminou em queda de 2,95%, enquanto a da Pepsico perdeu 0,25%.

Até o momento, companhias respondendo por 20% do valor de mercado do S&P 500 divulgaram os seus balanços trimestrais e 79% delas superaram as expectativas de lucros para o primeiro trimestre, de acordo com dados da FactSet. No entanto, o crescimento dos lucros até o momento foi de apenas 6,6%, o que, se for o resultado final do trimestre, representaria o menor crescimento desde o quarto trimestre de 2020.

As ações seguem sob pressão, ainda, dos temores em torno de um possível lockdown em Pequim. Autoridades de saúde chinesas já conduziram milhões de testes de covid-19 na capital chinesa e anunciaram que eles serão aplicados em praticamente todos os distritos da cidade, cobrindo 19,5 milhões dos seus 21,5 milhões de habitantes. Os temores são de que a capital chinesa seja submetida ao mesmo nível de restrições visto em cidades como Xangai, que segue na sua quinta semana de restrições.

A atenção do investidor se volta nas próximas sessões à divulgação dos balanços das big techs. Hoje, após o fechamento, a Microsoft divulgou que seu lucro subiu 8% no primeiro trimestre, na comparação com o mesmo período de 2021, alcançando US$ 16,7 bilhões.

A Alphabet (empresa dona do Google) viu seu lucro cair 8,3% no primeiro trimestre, na relação com o mesmo período do ano anterior, a US$ 16,4 bilhões. As ações da Microsoft subiam 0,46% após o fechamento, enquanto as da Alphabet caíam 4,41%. Amanhã a Meta (dona do Facebook) deve divulgar seus números. Na quinta-feira é a vez da Amazon e da Apple apresentarem seus resultados.

Com conteúdo VALOR PRO, o serviço de informação em tempo real do Valor Econômico


Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 25.maio.2022 às 11h22
XP: 62% das empresas do Ibovespa tiveram lucro operacional acima do esperado no 1º tri

Analistas destacam que a temporada de balanços dos três primeiros meses de 2022 foi melhor que a imediatamente anterior

Redação IF Publicado em 25.maio.2022 às 11h12
Ibovespa opera em queda, enquanto Petrobras busca recuperação

Investidores aguardam a divulgação da ata da última reunião do Fed

Entrevista da Semana Publicado em 25.maio.2022 às 10h08 Duração 6 min.
Como funciona a Bolsa de Valores de Nova York (NYSE)?

Anne Dias, editora da IF, entrevista Alex Ibrahim, head de mercados internacionais da NYSE, onde trabalha há mais de 20 anos

Redação IF Publicado em 25.maio.2022 às 09h49
Guedes diz ser possível reajuste de 5% para servidores: ‘Mas esqueçam inflação anterior’

A proposta do governo de aumento do funcionalismo público tem sofrido resistências de diversas categorias

Redação IF Publicado em 25.maio.2022 às 08h55
Inflação: pequenas mudanças driblam a disparada dos preços

Com regras simples, você vai tomar as melhores decisões para o seu bolso

Redação IF Publicado em 25.maio.2022 às 08h34
Bolsas europeias e futuros de NY têm alta moderada, antes da ata do Fed

À espera do documento, no pré-mercado em NY, o futuro do S&P 500 tinha leve alta de 0,06% e do Nasdaq avançava 0,18%

Redação IF Atualizado em 25.maio.2022 às 08h46
Redação IF Publicado em 25.maio.2022 às 07h48
Bolívia reduz envio de gás para o Brasil e custo pode subir

Produção boliviana tem sido direcionada para atender uma demanda maior da Argentina

Valor Econômico Publicado em 25.maio.2022 às 07h36
Após nova troca, ações da Petrobras caem

Investidor volta a analisar peso político, mas efeito na bolsa foi limitado por ativo ser considerado barato