BC da Inglaterra eleva juros pela 5ª vez e sinaliza que pode agir com mais força

O Banco da Inglaterra elevou nesta quinta-feira sua taxa de juros em 0,25 ponto percentual para 1,25% ao ano para combater a inflação

— Foto: Hollie Adams/Bloomberg

O Banco da Inglaterra (BoE) elevou nesta quinta-feira sua principal taxa de juros em 0,25 ponto percentual para 1,25% ao ano, e disse que medidas mais fortes podem ser necessárias para controlar a inflação. Foi a quinta alta feita pela autoridade monetária do Reino Unido.

O ímpeto do banco central para aumentar as taxas é limitado, contudo, por obstáculos crescentes ao crescimento. Isso inclui o aumento dos custos de energia causado pela guerra na Ucrânia e uma possível disputa comercial com a União Europeia, depois que o governo do Reino Unido apresentou uma legislação que permitiria rasgar partes de seu acordo do Brexit com o bloco.

Como nos EUA, o Reino Unido viu um aumento nos preços ao consumidor desde o início de 2021, impulsionado por custos de energia mais altos e gargalos na cadeia de suprimentos. Em resposta, o banco central do Reino Unido elevou sua principal taxa de juros em dezembro, enquanto o Federal Reserve anunciou seu primeiro movimento em março.

Embora tenha começado mais tarde, o Fed agiu mais rápido, aumentando sua taxa de juros em meio ponto percentual em maio e em 0,75 ponto na quarta-feira. O Fed sinalizou que continuará apertando a política este ano no ritmo mais rápido em décadas, enquanto corre para combater a inflação.

Já o BoE manteve seu ritmo mais cauteloso nesta quinta-feira, mas aumentou os custos de empréstimos em cinco reuniões consecutivas de seu Comitê de Política Monetária, uma sequência inigualável desde que o grupo de nove funcionários recebeu o controle sobre as taxas de juros em 1997.

Mas o banco central disse que pode deixar de lado a cautela e aumentar sua principal taxa de juros em meio ponto percentual em uma próxima reunião se parecer que a alta inflação está se tornando mais profundamente enraizada na economia do Reino Unido, em vez de ser importada de fora para o país sob a forma de preços mais elevados da energia e dos alimentos. “O Comitê estará particularmente alerta a indicações de pressões inflacionárias mais persistentes e, se necessário, agirá com força”, disse o banco central em comunicado.

Na conclusão da reunião, três dos nove membros do MPC votaram por um aumento mais forte da taxa básica, para 1,5% ao ano.

Com Dow Jones Newswires — Londres.

Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 01.jul.2022 às 18h00
Ibovespa tem sessão de alta liderada por Petrobras e sobe 0,29% na semana

Entre as baixas, se destacaram empresas do setor de minério de ferro devido à preocupação com a retomada da China

Redação IF Publicado em 01.jul.2022 às 17h45
Juros futuros fecham em queda, em linha com taxas dos títulos públicos globais

Medo de recessão nos EUA pesou mais do que riscos fiscais no Brasil

Papo de Finanças Atualizado em 02.jul.2022 às 08h21
Como as eleições interferem nos seus investimentos?

De alguma maneira, seu bolso será afetado pelas eleições do fim do ano. O que pode acontecer? Nina Silva explica

JOTA Publicado em 01.jul.2022 às 16h58
Semana política: PEC “vale-tudo” une governo e oposição por votos

Enquanto isso, em campanha, Lula acena a empresários e ao mercado, diz Fábio Zambeli, do JOTA

Redação IF Publicado em 01.jul.2022 às 15h28
Bilionários dão adeus a US$ 1,4 tri no 1º semestre; veja quem perdeu mais

A fortuna de Elon Musk caiu quase US$ 62 bilhões. Jeff Bezos viu sua riqueza diminuir em cerca de US$ 63 bilhões. O patrimônio líquido de Mark Zuckerberg foi reduzido em mais da metade

Redação IF Publicado em 01.jul.2022 às 15h23
Track&Field anuncia programa de recompra de ações; conheça a estratégia

Muitos motivos levam uma empresa a realizar uma OPA, e você pode ganhar dinheiro com isso

Redação IF Atualizado em 01.jul.2022 às 15h08
Efeito bumerangue: entenda como quem tem menos grana vai pagar, no futuro, a conta da ‘PEC Eleitoral’

Aumento de gastos tende a pressionar a inflação e prejudicam, principalmente, as pessoas de menor poder aquisitivo