Análise: B3 faz revisão de mais dados e mercado teme estar dirigindo no escuro

A B3 fez, no fim da tarde de sexta-feira (20), uma revisão dos dados referentes ao fluxo de estrangeiros na Bolsa que causou perplexidade

Mercados têm operado em queda por receio de investidores a uma recessão (Foto: Divulgação/B3)

A B3 fez, no fim da tarde de sexta-feira, uma revisão adicional dos dados referentes ao fluxo de estrangeiros na bolsa, contemplando agora 2020, 2021 e as ofertas de ações. Os saldos do mercado secundário neste ano haviam sido revisados em abril, quando a companhia detectou um erro na metodologia que usava.

Causou perplexidade no mercado não exatamente o erro, mas o tamanho dele. No caso de 2021, o saldo de investimentos estrangeiros na bolsa passou de uma entrada de R$ 72 bilhões para uma saída de R$ 7 bilhões. Com isso, a revisão colocou em xeque a narrativa de alguns analistas, gestores e influenciadores financeiros de que, se os gringos estavam vindo, era hora de comprar – afinal, bobos somo nós, não eles.

A explicação da bolsa é que as operações de empréstimo de ações foram retiradas do cálculo, já que não envolvem aportes financeiro. No caso das ofertas de ações, a B3 deixou de considerar as informações dos anúncios de encerramento, cujo prazo legal é de até seis meses após as operações e passou a usar os dados de liquidação de IPOs (ofertas iniciais) e “follow-ons” (de empresas já listadas) nos sistemas da bolsa, o que ocorre em D+2 (dois dias após a oferta). A alteração dá mais tempestividade aos dados e reduz inconsistências, segundo a B3, o que é positivo.

É verdade que esse é um jogo de soma zero. O volume que diminuiu para estrangeiros aumentou para pessoas físicas e institucionais. Não muda a quantidade de dinheiro que circulou pela bolsa, o que atenua o problema.

Mas também é verdade que a B3 é a maior provedora de informações sobre o mercado acionário brasileiro. Nem poderia ser diferente, já que ela é a praça por excelência para as negociações de ações no Brasil. Portanto, confiar nos dados que ela divulga é crucial para os investidores, que se apoiam neles para suas estratégias. Não por acaso, a revisão de abril e a continuação de agora deram voz àqueles que defendem que deveria haver mais concorrência no mercado de renda variável.

Forjada entre fusões e aquisições, a B3 é uma instituição centenária e fruto de uma junção de sistemas. Muitos deles vêm de uma época em que os dados eram mais para consumo interno e fontes que conhecem a bolsa por dentro dizem que alguns não se cruzam, já que isso não era tão necessário antes.

Só que, como se sabe, uma boa gestão de dados é crucial no mercado de hoje.

Não por acaso, a B3 anunciou neste mês um acordo com Microsoft e Oracle para migrar seus sistemas e plataformas para a nuvem ao longo dos próximos anos. O acordo também prevê uma troca de experiências com o objetivo de desenvolver novos produtos e seviços a partir da base riquíssima de informações que a bolsa tem. A medida é positiva para os investidores, mas é preciso ficar claro se as revisões pararam por aí.

Por Talita Moreira, Valor — São Paulo

Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 24.jun.2022 às 18h11
NY: Bolsas fecham em alta e quebram sequencia de três semanas de perdas; Nasdaq acumula alta de 7,5%

Ainda que o medo por uma recessão continue presente, o temor vem sendo calibrado, com analistas enxergando exagero nas projeções

Redação IF Publicado em 24.jun.2022 às 16h21
Americanos buscam ações defensivas com medo da recessão

Investidores monitoram o Fed, que quer derrotar a inflação a qualquer custo

Redação IF Publicado em 24.jun.2022 às 12h57
Dólar apresenta volatilidade e bate R$ 5,27 na máxima

Moeda americana opera sem uma tendência definida

Redação IF Atualizado em 23.jun.2022 às 16h27
Carteira recomendada Itaú: sai Banco do Brasil entra Bradesco

Banco faz parte das recomendações de duas carteiras: Top 5 e a de Dividendos

Redação IF Publicado em 23.jun.2022 às 15h19
Seca de IPOs brasileiros traz 1º semestre mais fraco desde 2016

Nenhuma empresa brasileira abriu capital neste ano até dia 20 de junho, contra 29 transações que levantaram US$ 6,9 bilhões no mesmo período no ano passado

Redação IF Atualizado em 23.jun.2022 às 19h23
‘Timing’ para estreia na Nasdaq foi excelente, diz CEO do Inter; ações fecham em forte queda em NY

O primeiro dia foi negativo para os ativos, fechando com uma forte baixa de 12,56%, a US$ 3,48