Anac aprova edital de concessão dos aeroportos de Congonhas e Santos Dumont

Investimentos previstos são de R$ 8,6 bilhões em 30 anos

Foto: Carlos Roman/Infraero

Pontos-chave

  • Leilão está previsto para o primeiro semestre de 2022
  • Terminais que serão concedidos tiveram quase 40 milhões de embarques e desembarques em 2019

A Anac (Agência Nacional de Aviação Civil) aprovou na terça-feira (21) as minutas do edital e dos contratos de concessão de 16 aeroportos à iniciativa privada. Os documentos serão analisados pelo Tribunal de Contas da União (TCU).

O leilão da 7ª rodada de concessão dos aeroportos está previsto para o primeiro semestre do próximo ano, caso o TCU aprove os editais e os contratos. As concessões abrangerão 39,2 milhões de embarques e desembarques no país, o equivalente a 26% do volume de passageiros registrado em 2019 e devem render R$ 8,6 bilhões em investimentos privados nos próximos 30 anos.

Os aeroportos foram divididos em três blocos. O primeiro é formado por nove terminais em São Paulo, em Mato Grosso do Sul e no Pará, liderado pelos aeroportos de Congonhas e Campo de Marte, em São Paulo. A lista segue com os aeroportos de Campo Grande, Corumbá e Ponta Porã, em Mato Grosso do Sul; Santarém, Marabá, Parauapebas e Altamira, no Pará. Com lance mínimo de R$ 525,2 milhões, o bloco tem valor do contrato estimado em R$ 11,4 bilhões.

Liderado pelos aeroportos Santos Dumont e de Jacarepaguá, no Rio de Janeiro, o segundo bloco também engloba os aeroportos de Montes Claros, Uberaba e Uberlândia, em Minas Gerais, e terá lance mínimo de R$ 324 milhões, com valor do contrato avaliado em R$ 5,8 bilhões.

O terceiro bloco abrange os aeroportos de Belém e de Macapá. Com lance mínimo de R$ 56,6 milhões, os dois aeroportos terão contrato mínimo estimado em R$ 1,9 bilhão.

Um mesmo consórcio poderá arrematar os três blocos, com lance mínimo de R$ 905,8 milhões. Para comprovar requisito mínimo para administrar aeroportos, o operador terá de comprovar experiência em processamento, em pelo menos um dos últimos cinco anos, de 5 milhões de passageiros para disputar os blocos dos aeroportos de São Paulo–Pará e Rio de Janeiro–Minas Gerais. Para operar o terceiro bloco, o número mínimo de passageiros cai para 1 milhão.

A qualificação dos leilões da 7ª rodada de concessão de aeroportos foi decidida pelo Comitê do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI) em dezembro do ano passado e autorizada pelo Decreto nº 10.635, de 22 de fevereiro de 2021.

Com informações da Agência Brasil


Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 16.fev.2022 às 07h25
TCU aprova privatização da Eletrobras com outorga de R$ 23,2 bilhões

Processo segue mesmo após ministro apontar erro que elevaria o valor da companhia para R$ 57,2 bilhões

Valor Econômico Publicado em 11.fev.2022 às 07h37
Privatização do Porto de Santos prevê R$ 18 bi de investimentos

Do valor total, apenas R$ 1,4 bilhão será destinado a obras na estrutura; a maior parte dos recursos se refere a dragagem

Valor Econômico Publicado em 11.fev.2022 às 07h32
Com devolução de concessão, Galeão e Santos Dumont serão licitados juntos

Segundo o ministro Tarcísio de Freitas, a elaboração de estudos para licitar isoladamente o aeroporto de Santos Dumont “não faz mais sentido”

Valor Econômico Atualizado em 08.fev.2022 às 08h12
Frente parlamentar pede para TCU investigar impacto econômico da privatização da Eletrobras

Conforme revelou o Valor, um erro metodológico identificado nos estudos técnicos teria gerado uma subavaliação "gigantesca" no valor da outorga que deverá ser paga ao governo pelos novos donos da empresa

Valor Econômico Publicado em 21.jan.2022 às 07h41
Eletrobras dá novo passo rumo à privatização

Estatal convoca para 22 de fevereiro assembleia de acionistas para analisar capitalização

Valor Econômico Publicado em 10.jan.2022 às 08h16
Energia atrai bilhões e pode ter privatização da Eletrobras

Recursos vão para modernização de redes, conclusão dos projetos e ampliação de geração renovável e térmica