Afinal, quando você vai ter um alívio no bolso?

No atual cenário, especialista orienta investidor a sair de ativos “excessivamente arriscados” e aplicar em outros que possam proteger patrimônio em um cenário de alta de inflação

Imagem ilustrando inflação
– Foto montagem: IF/Freepik

Pontos-chave

  • Novo boletim Focus registrou a 28ª alta seguida na estimativa para a inflação em 2021, para 8,69%
  • Banco Central sinalizou que a taxa Selic irá avançar dos atuais 6,25% para 8,25% ao ano nas últimas duas reuniões do Copom em 2021
  • A combinação de inflação subindo com escalada de juros significa que as pessoas estão gastando mais dinheiro para consumir menos

O presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, disse nos últimos dias que a inflação atingiu o pico em setembro, quando o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) acumulado em 12 meses ficou em 10,25%. A aposta do chefe do BC é que haja uma desaceleração até o final do ano. A autoridade monetária estima que o índice irá encerrar 2021 em 8,50% – superando o teto da meta de 5,25%.

O mais recente boletim Focus, divulgado na segunda-feira (18), mostra que os especialistas das instituições financeiras não estão tão afinados com Campos Neto e ainda veem uma tendência de alta para o IPCA. Foi a 28ª vez seguida que o índice foi elevado, agora para 8,69%. Já projetando 2022, a expectativa para a inflação no ano que vem está em 4,18%, enquanto o centro da meta estipulada pelo Banco Central é de 3,50%.

Para Felipe Sichel, estrategista-chefe do Modalmais, a dinâmica para a inflação deve seguir bastante pressionada e com a possibilidade variações mensais fortes. O alívio deve começar a vir no começo de 2022. “Dificilmente teremos novos reajustes da bandeira tarifária de energia”, diz. “A indicação é que as tarifas sejam revistas para baixo no começo do ano que vem, o que contribui para um índice menor.”

O sócio do banco digital comentou que a grande dúvida que permanece sobre ao IPCA está em relação ao setor de serviços. Sichel disse que o desempenho sofre a pressão pela reabertura, mas que há o fator desemprego contribuindo para a dinâmica de serviços ficar mais fraca. “Isso pode ser o principal foco de surpresa negativa. Na medida em que a gente espera um crescimento baixo da economia e na ausência de choques, isso deveria contribuir para que os preços fiquem mais fracos ao longo do tempo.”

O estrategista-chefe do Modalmais avaliou também a sinalização do Banco Central de que a taxa básica de juros tende a subir 1 ponto percentual nas últimas duas reuniões do ano do Comitê de Política Monetária (Copom). Ou seja, a taxa Selic irá avançar dos atuais 6,25% ao ano para 8,25% ao ano – maior valor desde setembro de 2017.

Conforme Felipe Sichel, o cenário de inflação alta e juros em elevação é uma combinação ruim para as pessoas. “Porque significa essencialmente que a renda real está menor. Você está gastando mais dinheiro para consumir menos”, disse. “A Selic elevada contribui ainda para um ciclo de crescimento menor à frente. Ou seja, não existe viés de melhora para esta renda”, acrescentou.

Já para os investimentos, o especialista vê um panorama de eventual saída de ativos “excessivamente arriscados”. “A direção provável é para ativos que possam se beneficiar efetivamente de um cenário de inflação mais acelerada.”


Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 25.maio.2022 às 08h55
Inflação: pequenas mudanças driblam a disparada dos preços

Com regras simples, você vai tomar as melhores decisões para o seu bolso

Glossário IF Publicado em 24.maio.2022 às 17h24
B3: como surgiu, qual é sua história, o que ela faz?

A Bolsa de Valores brasileira é uma das dez maiores do mundo e a maior da América Latina. Saiba mais no Glossário IF

Redação IF Atualizado em 24.maio.2022 às 18h02
Prévia da inflação de maio deve elevar projeções para a Selic, avaliam economistas

Analistas do mercado consideram que ciclo de aperto monetário pode se estender mais um pouco

Redação IF Atualizado em 25.maio.2022 às 08h00
Nubank renova mínimas históricas e já vale menos que o BTG. Efeito colateral do fim do lock-up?

Valor de mercado do Nubank corresponde a menos de um terço do Itaú, que vale US$ 48,8 bilhões; no IPO em dezembro, o Nubank estreou com valor de US$ 41,5 bilhões

Redação IF Publicado em 24.maio.2022 às 11h20
Dólar inverte sinal e passa a cair abaixo de R$ 4,80

Moeda americana era negociada a R$ 4,78 na mínima do dia

Redação IF Publicado em 24.maio.2022 às 10h23
Presidente do Bradesco diz que inflação deve começar a ficar ‘mais controlada’ a partir de 2023

Octavio de Lazari Junior acredita também que a taxa de juros 'só poderá ser reduzida no ano que vem'