Economia dos EUA tem primeiro trimestre mais fraco desde o início da pandemia

PIB dos EUA cai 1,4% no 1º trimestre; expectativa era de alta de 1,1%

Foto: PIxabay

A economia dos Estados Unidos (EUA) encolheu a uma taxa anual de 1,4% no primeiro trimestre, sua primeira contração desde o início da pandemia.

O Produto Interno Bruto (PIB) caiu acentuadamente em relação à taxa de crescimento anual de 6,9% no quarto trimestre, informou o Departamento de Comércio nesta quinta-feira (28). O declínio no produto interno bruto do primeiro trimestre marcou o trimestre mais fraco desde a primavera de 2020, quando a pandemia de Covid-19 e as paralisações relacionadas levaram a economia dos EUA a uma recessão profunda, embora curta.

O declínio no PIB resultou de um ritmo mais lento de investimento em estoques pelas empresas no primeiro trimestre, em comparação com um rápido acúmulo de estoques no final do ano passado. Um déficit comercial cada vez maior – com os EUA importando muito mais do que exportando – também empurrou o crescimento para baixo. O enfraquecimento dos gastos com estímulos governamentais relacionados à pandemia também pesou no PIB.

Apesar da queda, muitos economistas acham que, em geral, a economia continua a caminho de retomar um crescimento modesto no segundo trimestre e além, em parte porque consumidores e empresas continuam gastando.

“É realmente difícil para a economia crescer rapidamente depois de se recuperar em um grau substancial”, disse ao The Wall Street Journal (WSJ) David Berson, economista-chefe da Nationwide Mutual Insurance Co.

Também pesando sobre o crescimento estão as taxas de juros crescentes à medida que o Federal Reserve (Fed), o banco central norte-americano, combate a inflação. Autoridades do Fed elevaram sua taxa de referência em março em um quarto de ponto percentual de quase zero, e sinalizaram que mais aumentos devem ocorrer.

Olhando para o futuro, os economistas consultados pelo WSJ estimam que o PIB dos EUA deve aumentar 2,6% no quarto trimestre de 2022 em relação ao ano anterior, igualando o crescimento anual de 2019, mas registrando um crescimento bem abaixo dos 5,5% no ano passado.

O mercado de trabalho é uma fonte chave da recuperação econômica neste momento. Os pedidos de seguro-desemprego – um substituto para demissões – estão pairando perto de níveis historicamente baixos, à medida que os empregadores se apegam aos funcionários em meio à escassez de trabalhadores disponíveis. As empresas estão contratando e aumentando os salários, apoiando os gastos do consumidor, o principal motor da economia.

A alta inflação está reduzindo o poder de compra das famílias. Os preços ao consumidor subiram 8,5% em março em relação ao ano anterior, uma alta de quatro décadas. A inflação elevada está acabando com os ganhos salariais de muitos trabalhadores: os ganhos médios por hora aumentaram 5,6% no mesmo período. Os preços, em rápida escalada, também desafiam muitas empresas.

Embora reconheçam o risco crescente de uma recessão, a maioria dos economistas consultados pelo WSJ em abril disse acreditar que o Fed será capaz de conter a inflação sem desencadear uma recessão. A economia está posicionada para suportar taxas de juros mais altas, dado o desemprego perto de baixas recordes, renda em constante aumento e níveis relativamente moderados de dívida do consumidor, dizem eles.

Ainda assim, o banco central nunca baixou a inflação tanto quanto pretende fazer agora sem causar uma recessão. Autoridades do Fed dizem que podem conter a demanda dos empregadores por trabalhadores sem causar demissões e conter a inflação sem recessão. O mercado aguarda ansioso a próxima reunião do Fed, em maio.


Você também pode gostar
Redação IF Atualizado em 17.maio.2022 às 20h10
Deputados do PT apelam ao STF para barrar privatização da Eletrobras no TCU

Parlamentares do PT entraram com pedido de liminar no STF para suspender o julgamento da privatização da estatal

JOTA Atualizado em 17.maio.2022 às 18h52
Análise: Em campanha por ‘super bancadas’, centrão rejeita ataques de Bolsonaro às urnas

Lideranças temem prejuízo eleitoral, mas QG político associa estridência à cobrança por mudanças na Petrobras

Valor Econômico Publicado em 17.maio.2022 às 12h07
Setor de tecnologia faz ajustes nos EUA

Austeridade decorre da venda de ações por investidores aflitos pela taxa de juros e desaceleração

Manhã Inteligente Publicado em 17.maio.2022 às 11h57
Banco Central e Selic, abertura de capital, novela Musk e Twitter

Isabella Carvalho e Victor Vietti falam sobre os principais assuntos que podem afetar seus investimentos nesta terça (17)

Redação IF Publicado em 17.maio.2022 às 11h22
Governo mexe na tabela do frete para conter insatisfação de caminhoneiros

Presidente editou medida provisória reduzindo de 10% para 5% o gatilho que permite revisão da tabela