Dólar dispara mais de 2% e passa de R$ 5,10 com temores sobre inflação

Moeda americana chegou a R$ 5,13 na máxima do dia

(Foto: Celyn Kang/Unsplash)

Desde a abertura dos negócios desta segunda-feira, o dólar opera em forte alta de mais de 2%, passando dos R$ 5,12. Após os dados de inflação ao consumidor dos Estados Unidos (CPI, na sigla em inglês) divulgados divulgados na sexta, investidores estão cada vez mais certos de que o Federal Reserve (Fed, banco central americano) será obrigado a promover um aperto monetário mais agressivo, freando a economia americana e global. Essa percepção domina os mercados globais e azeda o clima para ativos de risco.

Por volta das 13h25, o dólar operava em alta de 2,39%, sendo negociado a R$ 5,1069 no mercado a vista. Mais cedo, na máxima, foi a R$ 5,1374. No mercado futuro, o dólar para julho subia 2,31%, para R$ 5,1335.

Ante outras moedas emergentes, o movimento do dólar é similar ao visto na comparação com o real. O dólar sobe 1,78% ante o peso mexicano; 0,98% contra o rand sul-africano; e 1,89% contra o peso chileno. O índice DXY, que mede o desempenho do dólar contra uma cesta de seis principais moedas globais, avançava 0,63%, aos 104,81 pontos.

“Mercado apostando quase todas as duas fichas em uma alta do Fed de 0,75 ponto percentual essa semana e o mercado está reagindo como deveria reagir: o fluxo cambial forte na direção dos Estados Unidos penalizando principalmente os emergentes”, destacou Fernando Bergallo, diretor da FB Capital.

Os contratos futuros dos Fed Funds – usados pelos investidores para avaliar as apostas nos mercados financeiros sobre a política monetária americana – passaram a indicar uma probabilidade majoritária de que o Fed eleve a sua taxa de juros de referência em 0,75 ponto na reunião de julho, após a divulgação de dados de inflação mais fortes do que o esperado na semana passada.

O índice de preços ao consumidor dos EUA indicou uma alta de 8,6% em maio, na comparação com o mesmo mês do ano passado, surpreendendo os investidores, que esperavam uma leitura estável a 8,3%. O número representa o maior salto desde dezembro de 1981.

“De sexta pra cá, aumentou percepção do mercado de que a haverá recessão global nos próximos 12 ou 24 meses ou uma inflação elevada por muito tempo e o mercado acha que o Fed vai seguir um caminho que evite a inflação elevada, o que pode diminuir a atividade global”, destacou Cristiano Oliveira, economista-chefe do banco Fibra. “Agora, se vai virar recessão global ainda é difícil saber”.

A dúvida sobre a possibilidade de uma recessão global também é compartilhada pelo banco Itaú. Em relatório, o banco diz acreditar que os riscos de uma recessão iminente “parecem exagerados, considerando o crescimento resiliente nos EUA e na Europa e a reabertura na China”. “No entanto, esses fatores não devem trazer um alívio significativo e duradouro para preços de ativos, uma vez que a inflação elevada irá levar a maiores taxas de juros nos Estados Unidos e na Europa”, diz o documento.

Para além do Fed, investidores também ficam na expectativa pelo Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central brasileiro, que também divulga decisão nesta semana. Cristiano Oliveira alerta que também vale prestar atenção no Banco Central da Inglaterra, que também tem decisão essa semana, e no BC do Japão porque “é o único que se mantém ‘dovish’. Pode ser que vá pro lado ‘hawkish’. Aparentemente vai haver movimento sincronizado dos principais BCs, apertando a política monetária global”.

Também neste mesmo horário, o índice do dólar DXY operava em forte elevação de 2,4%, aos 104,800 pontos.

Com conteúdo VALOR PRO, o serviço de informação em tempo real do Valor Econômico

Investir em quê? Encontre e compare investimentos de todo o mercado

Parceiro da Inteligência Financeira, o Investir em Quê? é sua fonte confiável para buscar onde investir com isenção, transparência e sem complicação


Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 01.jul.2022 às 18h00
Ibovespa tem sessão de alta liderada por Petrobras e sobe 0,29% na semana

Entre as baixas, se destacaram empresas do setor de minério de ferro devido à preocupação com a retomada da China

Redação IF Publicado em 01.jul.2022 às 17h45
Juros futuros fecham em queda, em linha com taxas dos títulos públicos globais

Medo de recessão nos EUA pesou mais do que riscos fiscais no Brasil

Redação IF Atualizado em 01.jul.2022 às 18h17
União Europeia chega a acordo histórico para regular critpoativos. ‘É o fim do Velho Oeste digital’, diz parlamentar

NFT com preço fixo, como ingressos para eventos ou itens em games, não serão regulados. Provedores deverão divulgar impacto ambiental dos ativos digitais

Valor Econômico Publicado em 01.jul.2022 às 11h39
Análise: PEC dos Combustíveis dificulta o trabalho do Banco Central para baixar a inflação

O assunto novo levantado pelo Copom em junho é o risco de as medidas colocarem o pé no acelerador da economia, num momento em que a política monetária pisa no freio

Redação IF Atualizado em 01.jul.2022 às 15h13
Dólar dispara e supera R$ 5,33 com temores de recessão global no radar

Mercado também repercute aprovação de PEC que libera gasto bilionário às vésperas das eleições

Redação IF Publicado em 01.jul.2022 às 10h21
Criptomoedas iniciam julho no vermelho com bitcoin abaixo de US$ 20 mil

Bitcoin teve sua pior perda trimestral em mais de uma década

Valor Econômico Publicado em 01.jul.2022 às 08h34
Cenário de recessão pode piorar mercado acionário nos EUA, alerta pesquisador

Noriel Roubini considera como 'perigosamente ingênua' a visão de analistas que a recessão será leve e de curta duração