Dólar se aproxima de R$ 5,15 com aumento do clima negativo nos mercados internacionais

Moeda americana tem forte alta desde os primeiros negócios da sessão

(Foto: Pixabay)

Desde o início da sessão, o dólar opera em alta forte de mais de 2%. O movimento faz parte de um ajuste do mercado de câmbio local diante do clima mais negativo para ativos de risco que passou a dominar os mercados internacionais ontem, quando as negociações por aqui estavam interrompidas devido ao feriado de Corpus Christi. No campo doméstico, o reajuste no preço dos combustíveis pela Petrobras também é avaliado pelos investidores.

Por volta das 13h25, o dólar operava em alta de 2,29%, a R$ 5,1414 no mercado à vista. Na máxima do dia, a moeda chegou a ser cotada a R$ 5,1493. Já no mercado futuro, o dólar para julho subia 1,64%, a R$ 5,1615.

Enquanto isso, no exterior, o índice DXY, que mede o desempenho do dólar contra uma cesta de seis moedas fortes, saltava 1,16%, a 104,83 pontos, mas tinha um desempenho misto ante outras moedas emergentes além do real. A divisa americana subia 2,13% ante o peso chileno; 0,22% na comparação com o rand sul-africano; mas tinha leve recuo de 0,10% contra o peso mexicano. Outro destaque no exterior hoje é a forte queda dos contratos futuros de petróleo, que passam de 4% para o WTI.

Os recentes aumentos de taxas de juros pelos principais bancos centrais do mundo preocupam os investidores, já que tornam o ambiente menos favorável para ativos de risco. “O que mais faz preço no câmbio ainda é a decisão do Fed”, destacou o economista da Guide Investimentos Rafael Pacheco.

“Apesar do mercado ter reagido bem inicialmente, o clima, no geral, ainda é bem negativo. Nós não víamos uma alta de 0,75 ponto [nos juros] nos Estados Unidos desde 1994 e possivelmente nós ainda teremos mais uma (alta) na próxima reunião. Isso tudo acaba gerando um prelúdio para um dólar mais forte e ativos de riscos mais fracos nos próximos meses. Somado a isso, tem aversão com os outros bancos centrais”, acrescentou.

Ontem, o Banco da Inglaterra (BoE) também elevou sua principal taxa de juros em 0,25 ponto percentual, para 1,25% ao ano. O Banco Nacional Suíço (SNB), anunciou o aumento sua taxa de juros de referência em 0,5 ponto percentual, para -0,25%, de -0,75%, em um esforço para controlar a inflação. Essa foi a primeira vez desde setembro de 2007 que a autoridade promoveu um aumento em sua taxa de referência.

Em relatório o Rabobank destaca que “os grandes aumentos das taxas do RBA, SNB e Fed este mês deixam muito claro que a maioria dos bancos centrais está agora buscando recuperar a credibilidade no combate à inflação”. Com isso, o banco sinaliza que “o dólar pode demorar a devolver seus ganhos até que a confiança no crescimento global e os ativos de risco comecem a se recuperar”, reafirmando sua visão de que o dólar americano “ficará mais forte por mais tempo”.

Com conteúdo VALOR PRO, o serviço de informação em tempo real do Valor Econômico


Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 01.jul.2022 às 18h00
Ibovespa tem sessão de alta liderada por Petrobras e sobe 0,29% na semana

Entre as baixas, se destacaram empresas do setor de minério de ferro devido à preocupação com a retomada da China

Redação IF Publicado em 01.jul.2022 às 17h45
Juros futuros fecham em queda, em linha com taxas dos títulos públicos globais

Medo de recessão nos EUA pesou mais do que riscos fiscais no Brasil

Redação IF Atualizado em 01.jul.2022 às 18h17
União Europeia chega a acordo histórico para regular critpoativos. ‘É o fim do Velho Oeste digital’, diz parlamentar

NFT com preço fixo, como ingressos para eventos ou itens em games, não serão regulados. Provedores deverão divulgar impacto ambiental dos ativos digitais

Redação IF Atualizado em 01.jul.2022 às 15h13
Dólar dispara e supera R$ 5,33 com temores de recessão global no radar

Mercado também repercute aprovação de PEC que libera gasto bilionário às vésperas das eleições

Redação IF Publicado em 01.jul.2022 às 10h21
Criptomoedas iniciam julho no vermelho com bitcoin abaixo de US$ 20 mil

Bitcoin teve sua pior perda trimestral em mais de uma década

Valor Econômico Publicado em 01.jul.2022 às 08h34
Cenário de recessão pode piorar mercado acionário nos EUA, alerta pesquisador

Noriel Roubini considera como 'perigosamente ingênua' a visão de analistas que a recessão será leve e de curta duração