Dólar fecha em alta de olho no Fed e PEC dos Precatórios

No exterior, crescem as apostas de uma redução mais acelerada de estímulos nos Estados Unidos, mesmo num momento em que crescem temores sobre a variante ômicron do coronavírus

Dólar termina a semana em queda (Foto: Pixabay)

O dólar fechou em alta de 0,59%, cotado a R$ 5,6703, valor máximo do dia, nesta quarta-feira (1), conforme a PEC dos Precatórios avança no Senado e os ativos de risco no exterior davam sinais de recuperação após o pregão negativo do dia anterior. Com o resultado, a moeda norte-americana acumula avanço de 9,31% no ano

Se a sinalização inclinada à retirada de estímulos dada ontem pelo presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, apenas limitou as perdas do dólar no pregão da véspera, hoje a mensagem ecoou de forma mais firme nos mercados de câmbio globais.

Embora o dirigente não tenha avançado em nada relativamente ao que disse no Senado, o depoimento dado na na Câmara dos Deputados hoje serviu para reforçar que o Federal Reserve vai, sim, discutir a aceleração da normalização da política monetária no país.

Em seu depoimento à Câmara , Powell voltou a dizer que o Fed deve discutir uma aceleração do plano de redução de compras de ativos na reunião deste mês. “Não podemos agir como se tivéssemos certeza de que a inflação vai cair em 2022”, comentou.

“É até difícil conciliar o fechamento dos juros das treasuries e a alta do euro vista desde ontem, um dia em que Powell confirmou que pode acelerar o processo do ‘taper’”, nota Dan Kawa, CIO da TAG Investimentos. “Por outro lado, é preciso contextualizar que o euro veio de US$ 1,18 para US$ 1,12 em pouquíssimo tempo, então acredito que parte disso foi uma consolidação. Ainda assim, o cenário segue sendo de dólar mais forte.”

No Brasil, acrescenta o profissional, o fato de que o real tem tido performance abaixo dos pares nos últimos pregões pode ser reflexo da saída sazonal de recursos de fim de ano, em meio à remessa de lucros e dividendos. Hoje, o Banco Central (BC) injetou US$ 1 bilhão no mercado via leilão de linha, operação que envolve a venda com compromisso de recompra de dólares e é tradicional no último mês do ano.

Com Valor Econômico.


Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 19.maio.2022 às 12h37
Dólar opera em queda, abaixo dos R$ 4,95, de olho no exterior

O movimento reflete o enfraquecimento da moeda americana frente outras divisas emergentes

Redação IF Publicado em 17.maio.2022 às 17h32
Dólar fecha em queda de 2,14%, a R$ 4,9419, com exterior positivo

A redução das medidas de restrição na China favoreceu a das commodities e beneficiou moedas de países exportadores

Redação IF Publicado em 16.maio.2022 às 17h38
Em sessão volátil, dólar fecha em queda de 0,14%, a R$ 5,05

O movimento acompanhou o enfraquecimento da moeda americana no mercado externo

Redação IF Atualizado em 16.maio.2022 às 11h59
Em dia volátil, dólar vai a R$ 5,03 na mínima do pregão

A dinâmica global nesta segunda mostra cautela de investidores

Valor Econômico Atualizado em 15.maio.2022 às 07h37
Caso Terra aumenta preocupação de reguladores com ‘stablecoins’

Episódio ampliou temor com o risco de contágio entre setor, que movimenta de US$ 180 bi, e mercados tradicionais