Dólar comercial opera volátil com exterior e formação da Ptax

No meio da tarde, a moeda americana é negociada perto de R$ 4,9450

cropped-Dolar-americano-scaled-1.jpg

Após exibir forte queda ao longo da manhã desta sexta-feira (29), o dólar comercial opera instável, chegando até a inverter a tendência por alguns minutos. O movimento aconteceu simultaneamente à piora do desempenho dos principais índices acionários de Nova York. A formação da Ptax de fim de mês, que acontece hoje, intensifica a volatilidade.

Por volta das 14h50, o dólar comercial era negociado a R$ 4,9450, com leve alta de 0,07% no mercado à vista. Na máxima do dia, chegou a R$ 4,9586. Já no mercado futuro, a moeda tinha recuo, com o contrato de maio caindo 0,43%, sendo cotado a R$ 4,9200.

No exterior, o índice DXY, que mede o desempenho do dólar contra uma cesta de seis divisas fortes no exterior, operava em queda de 0,49%, aos 103,11 pontos. As principais bolsas americanas exibiam queda de mais de 1%, impactadas pelo balanço da gigante Amazon, que reportou seu primeiro prejuízo trimestral em sete anos.


Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 17.maio.2022 às 07h26
Freio na economia chinesa deve fazer Brasil crescer menos

Analistas projetam expansão menor em 2023 e inflação global maior, também devido à guerra na Ucrânia e à alta de juros nos EUA

Redação IF Publicado em 16.maio.2022 às 15h25
Ações da Infracommerce têm forte queda após notícia de demissões na empresa

Os desligamentos teriam ocorrido por conta de 'mudanças no orçamento'

Redação IF Atualizado em 16.maio.2022 às 11h59
Em dia volátil, dólar vai a R$ 5,03 na mínima do pregão

A dinâmica global nesta segunda mostra cautela de investidores

Redação IF Publicado em 16.maio.2022 às 08h53
Bolsas europeias e futuros de NY são pressionados por dados fracos da China

A atividade econômica na China perdeu força de forma acentuada em abril

Redação IF Publicado em 16.maio.2022 às 07h20
China: com lockdowns, produção industrial tem forte desaceleração em abril

Atividade recuou 2,9% na base anual; mercado esperava avanço de 1,0%