Bolsas da Ásia fecham em forte queda acompanhando NY

Bolsas chinesas são pressionadas pela preocupação com a desaceleração da economia devido aos lockdowns

Ações, Bolsa de Valores, Mercado, Investimentos, Pregão, Day Trade, Ibovespa, Quebra, Queda, Papéis
(Foto: Getty Images)

As bolsas asiáticas fecharam em forte queda nesta sexta-feira (6), acompanhando o mau humor do mercado acionário americano, que recuou ontem depois de receber um impulso na quarta-feira dos comentários do presidente do Federal Reserve (Fed), Jerome Powell.

O índice Hang Seng, referência da bolsa de Hong Kong, fechou em queda acentuada de 3,81%, a 20.001,96 pontos, enquanto o do Xangai composto recuou 2,16%, a 3.001,56 pontos. Em Seul, o Kospi fechou em queda de 1,23%, a 2.644,51 pontos. A exceção foi a bolsa de Tóquio, que avançou 0,69%, a 27.003,56 pontos, na volta de um fim de semana estendido devido ao feriado da “Semana Dourada”.

As bolsas americanas subiram na quarta-feira, depois dos comentários de Powell, que disse que o Comitê Federal de Mercado Aberto (Fomc) não está considerando “ativamente” acelerar a elevação dos juros com um movimento de 0,75 ponto percentual na próxima reunião, de junho.

A percepção de que os comentários foram mais “dovish” (menos favoráveis ao aperto monetário) ajudaram a empurrar as ações para cima e os rendimentos dos títulos do Tesouro americano (Treasuries) para baixo. Ontem, no entanto, os rendimentos dos Treasuries voltaram a subir, com o do papel de dez anos superando a marca dos 3%, e as bolsas caíram mais do que elas subiram na quarta-feira, com o Nasdaq, em especial, caindo 4,99% na sessão de ontem.

As bolsas chinesas foram pressionadas também pelos receios em torno dos lockdowns em dezenas de cidades do país para conter o avanço da covid-19. Os dados de atividade do PMI, divulgados ontem, indicaram que o setor de serviços recuou ao seu nível mais fraco em dois anos, desde o começo da pandemia global.

“O que precisamos ver para que o mercado acionário chinês funcione é os estímulos fiscais e monetários que o governo já começou a implementar começarem a permear a economia e a gerar mais apetite por crédito para empresas e famílias”, disse David Chao, estrategista de mercados para a Ásia da Invesco, à “Dow Jones Newswires”.

 

Com conteúdo VALOR PRO, o serviço de informação em tempo real do Valor Econômico


Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 19.maio.2022 às 11h27
Ibovespa sobe com ajuda de Vale e siderúrgicas

Mercado acionário doméstico resiste a nova abertura negativa em NY

Redação IF Publicado em 19.maio.2022 às 10h53
Como o trabalhador poderá usar o FGTS para comprar ações da Eletrobras

Tipo de investimento já foi feito anteriormente em vendas de ações da Petrobras e da Vale

Redação IF Atualizado em 19.maio.2022 às 09h39
Bolsas europeias caem mais de 2% e futuros de NY sinalizam continuidade das perdas

Clima de cautela prevalece nos negócios em meio às preocupações com o impacto da inflação elevada no crescimento econômico global

Valor Econômico Atualizado em 19.maio.2022 às 08h39
Cenário global desperta interesse por Brasil, diz executivo da bolsa de Nova York

Chefe de mercados internacionais da bolsa de Nova York aponta que ADRs brasileiros são um dos ativos mais líquidos no mercado americano atualmente

Valor Econômico Publicado em 19.maio.2022 às 06h12
Grandes investidores ampliam dinheiro em caixa para maior patamar desde atentados de 11 de setembro

Preferência por dinheiro vivo coincide com enfraquecimento significativo das expectativas quanto aos lucros das empresas

Valor Econômico Publicado em 19.maio.2022 às 06h03
Nos EUA, esta pode ser uma década perdida para ações

Aumento de custos e aperto monetário devem pressionar margens de empresas dos EUA

Redação IF Publicado em 18.maio.2022 às 17h47
TCU forma maioria para aprovar privatização da Eletrobras

Governo aguarda aprovação do tribunal para fazer a capitalização da companhia ainda este ano