ANÁLISE: Bolsonaro tenta se blindar de desgaste político causado por aumento no diesel

Presidente resolveu lançar mão de um pacote de medidas políticas para fazer frente à alta dos combustíveis

Bolsonaro: Presidente se recusou a assinar decreto que reduziria IPI em 33% — Foto: Cristiano Mariz/Agência O Globo
(Foto: Cristiano Mariz/Agência O Globo)

Pontos-chave

  • Na campanha de Lula, o principal assunto é a aproximação com o PSD, de Gilberto Kassab, que avançou nas alianças formais e informais com o PT em estados importantes, com destaque para Minas Gerais

O presidente Bolsonaro resolveu lançar mão de um pacote de medidas políticas para tentar se blindar do desgaste causado por mais um aumento do preço do diesel.

Primeiro: demitiu o ministro das Minas e Energia para mostrar uma indignação com a conduta da Petrobras. Depois, combinou com o novo titular da pasta e a equipe econômica um factoide: o início dos estudos para privatização da empresa – algo que todo mundo sabe que não tem a menor chance de acontecer no curto prazo, ainda mais num ano eleitoral. E para fechar a semana ordenou que a Advocacia Geral da União recorresse ao Supremo para forçar um corte no ICMS, novamente tentando jogar a culpa nos governadores.

Toda essa encenação, com efeito prático quase nulo, ocorre por uma razão simples e objetiva: o núcleo político do Planalto está constatando o óbvio: a recuperação de Bolsonaro nas pesquisas está hoje “congelada” por causa especialmente da economia, sobretudo da inflação. O presidente, que conseguiu melhorar seus números no início do ano, agora chegou a uma espécie de estabilidade nas intenções de voto e também na aprovação popular, o que é motivo de preocupação para seus aliados, visto que Lula parou de cair e se mantém num patamar também sólido, perto dos 40 pontos.

Essa apreensão no governo também reflete na tensão com o Tribunal Superior Eleitoral e os militares, que entraram de vez no jogo de interesses do presidente. Até o ministro da Defesa, visto como um oficial mais independente, já atua como subordinado do presidente em defesa da sua agenda, como ficou claro nas recentes tentativas de abertura de diálogo com o Judiciário. Cada vez mais, Bolsonaro vai precisar contestar as pesquisas e colocar dúvida sobre a lisura do processo eleitoral.

Na campanha de Lula, o principal assunto é a aproximação com o PSD, de Gilberto Kassab, que avançou nas alianças formais e informais com o PT em estados importantes, com destaque para Minas Gerais. Trata-se de um partido de centro e de grande porte, que pode fazer a diferença numa disputa muito equilibrada, como a que se desenha para o Planalto.

Mas o ex-presidente não ajuda muito no caminho para conquistar o centro: voltou a afirmar que derrubará o teto de gastos, caso vença a eleição, provocando desconfiança no mercado e aumentando as incertezas sobre o seu programa econômico.

(Fábio Zambeli é analista-chefe do JOTA em São Paulo)

Você também pode gostar
Redação IF Atualizado em 23.maio.2022 às 16h47
Seis brasileiros que ficaram bilionários na pandemia

Atualmente, são 62 nomes - indivíduos ou famílias - do Brasil que seguem com fortunas acumuladas acima de US$ 1 bilhão

Valor Econômico Atualizado em 23.maio.2022 às 14h55
Os bônus estão desatualizados na era do conhecimento?

Hoje, mais funcionários de escritório colaboram em equipes para realizar tarefas complexas que exigem cooperação e criatividade

Redação IF Atualizado em 23.maio.2022 às 13h41
Doria desiste de ser candidato a presidente

'Entendo que não sou a escolha da cúpula do PSDB', disse ex-governador paulista, em anúncio feito nesta segunda-feira