Análise: Semana foi dura para Bolsonaro com assassinatos na Amazônia e aumento dos combustíveis

Presidente também aumentou o tom contra o STF, diz Fábio Zambeli, analista do JOTA

(Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil)

O governo e o Congresso avançaram na aprovação do pacote de medidas para tentar reduzir o preço dos combustíveis. A limitação da cobrança do ICMS pelos estados passou com folga no Senado e na Câmara. Falta agora a PEC que prevê compensação federal para zerar os impostos sobre o diesel e a gasolina.

O presidente Bolsonaro esperava que as medidas, em conjunto, pudessem representar uma redução de até dois reais no valor dos combustíveis nas bombas, o que seria uma vitória importante do governo.
O problema é que a Petrobras resolveu anunciar novo reajuste, já que o dólar e o preço internacional do petróleo seguem em alta. Isso quase anula o esforço concentrado feito pelo Executivo e pelo Legislativo nas últimas semanas para atenuar o peso no bolso do consumidor. E gerou uma reação dura do presidente e do centrão, que agora discute novas soluções de curto prazo, algumas delas bastante heterodoxas.

Em paralelo, Bolsonaro segue em franco combate com o Tribunal Superior Eleitoral, aumentando a cada semana o tom contra os ministros da corte, sobretudo Edson Fachin e Alexandre de Moraes. O presidente relaciona ambos ao PT e tenta colocá-los sob suspeição para conduzir o processo eleitoral. É bom lembrar que Moraes foi eleito nesta semana para assumir o comando do TSE a partir de agosto.

O centrão está se empenhando para emplacar a ex-ministra Tereza Cristina na vaga que hoje seria ocupada pelo general Walter Braga Netto como candidata a vice na chapa de Bolsonaro. Os ministros políticos preferem uma mulher e que represente melhor o bloco de partidos que apoia o governo em detrimento de um militar, sobretudo agora que uma parcela das Forças Armadas entrou em choque com o Judiciário.

E a imagem do governo no exterior, que já vinha sofrendo desgaste, ficou ainda pior com o assassinato do jornalista britânico Dom Phillips e do indigenista Bruno Pereira durante uma expedição na Amazônia. O episódio reforçou a percepção global de que os defensores das terras indígenas e do meio ambiente estão em apuros no país.

Já na campanha de Lula o assunto é a revisão do programa de governo apresentado pela equipe do petista. A principal preocupação é com o tratamento dado à reforma trabalhista –o texto inicial do plano falava em ‘revogação’ da reforma, aprovada no governo Temer, mas agora a ideia do ex-presidente é suavizar esse documento, usando o termo ‘revisão’, evitando uma ideia de enfrentamento aos empresários. Também ganhou força no núcleo da campanha do PT a ideia de indicar um nome com perfil político para o Ministério da Economia, caso Lula seja eleito.

O entendimento de Lula, que retomou suas agendas em Minas e no Nordeste após uma semana confinado por causa da Covid, é o de que a função exigirá ampla interlocução com o Congresso já em 2023. Esse desenho deixaria os técnicos em posições executivas na área econômica.

(Por Fábio Zambeli, analista-chefe do JOTA em São Paulo)

Esta matéria foi produzida pelo JOTA, uma startup de jornalismo que tem a missão de trazer previsibilidade e transparência para as instituições brasileiras. O JOTA publica notícias e análises sobre política, o Judiciário, projetos de lei, direito tributário e regulações que afetam a economia e o mercado financeiro.


Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 01.jul.2022 às 17h45
Juros futuros fecham em queda, em linha com taxas dos títulos públicos globais

Medo de recessão nos EUA pesou mais do que riscos fiscais no Brasil

Papo de Finanças Atualizado em 02.jul.2022 às 08h21
Como as eleições interferem nos seus investimentos?

De alguma maneira, seu bolso será afetado pelas eleições do fim do ano. O que pode acontecer? Nina Silva explica

JOTA Publicado em 01.jul.2022 às 16h58
Semana política: PEC “vale-tudo” une governo e oposição por votos

Enquanto isso, em campanha, Lula acena a empresários e ao mercado, diz Fábio Zambeli, do JOTA

Redação IF Publicado em 01.jul.2022 às 15h28
Bilionários dão adeus a US$ 1,4 tri no 1º semestre; veja quem perdeu mais

A fortuna de Elon Musk caiu quase US$ 62 bilhões. Jeff Bezos viu sua riqueza diminuir em cerca de US$ 63 bilhões. O patrimônio líquido de Mark Zuckerberg foi reduzido em mais da metade

Redação IF Publicado em 01.jul.2022 às 15h23
Track&Field anuncia programa de recompra de ações; conheça a estratégia

Muitos motivos levam uma empresa a realizar uma OPA, e você pode ganhar dinheiro com isso

Redação IF Atualizado em 01.jul.2022 às 15h08
Efeito bumerangue: entenda como quem tem menos grana vai pagar, no futuro, a conta da ‘PEC Eleitoral’

Aumento de gastos tende a pressionar a inflação e prejudicam, principalmente, as pessoas de menor poder aquisitivo