Análise: Em confronto com o STF, Bolsonaro estimula manifestações de rua entre julho e setembro

A novidade é a tentativa de engajar lideranças evangélicas e católicas com a bandeira do combate à legalização do aborto, conta Fábio Zambeli, do JOTA

Presidente Jair Bolsonaro (Foto: Alan Santos/PR)

Após a convocação indireta feita por Jair Bolsonaro (PL), apoiadores do presidente e segmentos organizados que dão suporte ao seu governo iniciaram mobilização para retomar as manifestações de rua contra o Supremo Tribunal Federal (STF), a exemplo das ocorridas em 7 de setembro.

A senha foi dada pelo chefe do Executivo, que cobrou uma “reação” da população diante do que ele chama de abusos da Corte, convalidados na decisão tomada na última terça-feira que derrotou o ministro Nunes Marques e manteve a perda do mandato do deputado bolsonarista Fernando Francischini, acusado de propagar notícias falsas sobre a urna eletrônica na eleição de 2018.

O julgamento foi interpretado como uma espécie de recado do Judiciário aos políticos que usem as redes sociais para colocar em dúvida a lisura do processo eleitoral. Envolvido diretamente no caso, que ele considera simbólico, o presidente não se conformou com o revés e incitou seus correligionários a retomarem os protestos.

Antes, em entrevista, Bolsonaro já havia dado indicativos de que subiria o tom contra o Supremo ao revelar que fez um suposto acordo com o ministro Alexandre de Moraes após as manifestações do ano passado. O presidente chegou a dizer que o magistrado não teria cumprido “nenhum item” deste eventual acerto, colocando o responsável pelo TSE na eleição de outubro em saia-justa.

“Vem pra rua”

Líderes de grupos que apoiam Bolsonaro se reuniram na noite de terça (7) e definiram um calendário de manifestações entre julho e setembro, o que possivelmente resultará num grande ato novamente no Dia da Independência.

O primeiro ato será convocado para 31 de julho, com epicentro na avenida Paulista. A ideia é sair às ruas em pelo menos 200 cidades brasileiras, repetindo o ritual das roupas e bandeiras verde e amarelas e palavras de ordem contra o STF, a esquerda e “em favor da liberdade”.

A novidade é a tentativa de engajar lideranças evangélicas e católicas com a bandeira do combate à legalização do aborto.

Representantes de igrejas de várias denominações têm alertado os apoiadores do presidente sobre as dificuldades de convencer fiéis a participar de protestos, mas se comprometeram a promover marchas com uma agenda de costumes alinhada a Bolsonaro.

Os caminhoneiros, estreitamente associados às manifestações bolsonaristas desde 2018, também serão chamados a participar, embora exista uma divergência entre as lideranças do setor sobre o envolvimento na campanha eleitoral. Entidades importantes que agregam os transportadores autônomos têm relatado ao governo um esvaziamento da sua capilaridade, dadas as dificuldades que os profissionais estão enfrentando por causa da escalada do preço dos combustíveis e os efeitos da pandemia na logística.

Moraes na mira

Bolsonaro tem afirmado a operadores políticos que só ele é capaz de levar multidões às ruas, o que o ajuda a sustentar o discurso de questionamento ao resultado das pesquisas, que o colocam em desvantagem na corrida presidencial. A ideia do presidente, ao estimular novos protestos, é promover um contraponto aos principais institutos e seguir colocando interrogações sobre a segurança do sistema eleitoral.

Nas contas dos apoiadores do presidente, esse timing de protestos coincidirá com a posse de Moraes no TSE, o que tende a elevar a pressão popular contra a Corte no momento mais agudo da campanha pelo Planalto.

(Por Fábio Zambeli, analista-chefe do JOTA em São Paulo)

Esta matéria foi produzida pelo JOTA, uma startup de jornalismo que tem a missão de trazer previsibilidade e transparência para as instituições brasileiras. O JOTA publica notícias e análises sobre política, o Judiciário, projetos de lei, direito tributário e regulações que afetam a economia e o mercado financeiro.


Você também pode gostar
Redação IF Publicado em 01.jul.2022 às 17h45
Juros futuros fecham em queda, em linha com taxas dos títulos públicos globais

Medo de recessão nos EUA pesou mais do que riscos fiscais no Brasil

Papo de Finanças Atualizado em 02.jul.2022 às 08h21
Como as eleições interferem nos seus investimentos?

De alguma maneira, seu bolso será afetado pelas eleições do fim do ano. O que pode acontecer? Nina Silva explica

JOTA Publicado em 01.jul.2022 às 16h58
Semana política: PEC “vale-tudo” une governo e oposição por votos

Enquanto isso, em campanha, Lula acena a empresários e ao mercado, diz Fábio Zambeli, do JOTA

Redação IF Atualizado em 01.jul.2022 às 15h08
Efeito bumerangue: entenda como quem tem menos grana vai pagar, no futuro, a conta da ‘PEC Eleitoral’

Aumento de gastos tende a pressionar a inflação e prejudicam, principalmente, as pessoas de menor poder aquisitivo

Valor Econômico Publicado em 01.jul.2022 às 11h39
Análise: PEC dos Combustíveis dificulta o trabalho do Banco Central para baixar a inflação

O assunto novo levantado pelo Copom em junho é o risco de as medidas colocarem o pé no acelerador da economia, num momento em que a política monetária pisa no freio

JOTA Publicado em 01.jul.2022 às 11h35
Análise: De olho no voto útil, Lula retoma pontes com empresários e empodera “guru” econômico

Ex-presidente, antes refratário a assumir compromissos na campanha, antecipa série de conversas com o PIB, diz Fábio Zambeli, do JOTA

Redação IF Atualizado em 01.jul.2022 às 15h13
Dólar dispara e supera R$ 5,33 com temores de recessão global no radar

Mercado também repercute aprovação de PEC que libera gasto bilionário às vésperas das eleições