Quer investir na Vale (VALE3)? Saiba quem recomenda a compra das ações em janeiro

Papel da mineradora destoou do Ibovespa no ano passado, mas segue na lista de preferidos de bancos e gestoras para o mês

Ação de maior peso na composição do Ibovespa (14,1603%), a Vale (VALE3) fechou 2023 com queda de 5,8%. O papel da mineradora ficou na contramão do índice de referência da bolsa de valores brasileira, que saltou mais de 22% no acumulado do ano passado.

Mesmo com o movimento negativo, VALE3 segue entre os destaques nas carteiras de ações recomendadas de bancos e gestoras para janeiro de 2024.

Naturalmente pela liquidez do papel, também pela expectativa de pagamento de dividendos robustos e uma aposta na demanda resiliente da China.

Por que comprar Vale (VALE3)?

Itaú BBA

“A Vale (VALE3) é uma empresa com mais de 80 anos de atuação e com experiência em minério de ferro, cobre e níquel. Em minério de ferro, a companhia é uma das líderes globais de produção, com market share (participação) do minério transoceânico entre 15%-20%.

Em cobre e níquel, a Vale é uma das maiores produtoras globais, com operações no Brasil, América do Norte e Oceania.

Assim, a Vale é a nossa preferida no setor de mineração e siderurgia, pois o momento para mineração está melhor do que siderurgia, dado que a China está consumindo mais minério de ferro (sustentando os preços da commodity) e exportando mais aço (pressionando preços de aço).

Além disso, avaliamos que o caixa advindo da venda parcial da operação de metais básicos pode ser distribuído via dividendos no primeiro semestre de 2024, o que somado aos dividendos mínimos, poderia representar um dividend yield de 8-9% para a ação.”

Banco do Brasil

“Apesar das incertezas em relação ao ambiente externo, em especial sobre o mercado imobiliário chinês, a Vale (VALE3) segue sendo destaque por sua evolução operacional com controle de custos, além de mostrar uma alocação de capital disciplinada sem deixar de entregar um elevado nível de retorno ao acionista.

A recente disparada no preço do minério, que ocorreu impulsionada por uma série de promessas de estímulo ao mercado imobiliário por parte de Pequim e fez o mercado antecipar um possível salto na atividade construtiva.

Isso continua favorecendo o desempenho das ações da Vale e deverá contribuir positivamente para o resultado do 4T2023, a ser divulgado no final de fevereiro.”

BTG Pactual

“Esperamos que a Vale (VALE3) continue se beneficiando das tendências de demanda por minério de ferro proveniente da China em 2024. A produção chinesa de aço bruto deverá permanecer acima de 1 bilhão de toneladas, uma vez que a demanda por infraestrutura/manufatura + exportações deverá continuar a compensar um mercado imobiliário ainda difícil.

Estimamos outro déficit no mercado internacional este ano, que deverá continuar sustentando os preços em níveis elevados – atualmente na faixa de US$ 130-140/t.

Estamos modelando os preços do minério de ferro em uma média de US$ 120/t para o ano, o que ainda está acima do valor esperado, e esperamos ver mais revisões para cima nos próximos meses.

Nesses níveis, vemos a Vale sendo negociada a ~4x EV/EBITDA 24, e esperamos yields de ~13%, incluindo recompras, o que consideramos atrativo.

Além disso, a Vale deverá ser o destaque de resultados no 4T2023 dentro da nossa cobertura de Mineração & Siderurgia (os resultados do 4T podem acelerar mais de 50% t/t), o que esperamos fornecer suporte às ações no curto prazo.”

Banco Safra

“Elevamos ligeiramente a exposição de Vale (VALE3) em nossa Carteira Recomendada. Seguimos com uma visão positiva para as ações da companhia e acreditamos que a recuperação da economia chinesa em 2023 pode dar suporte a preços mais altos do minério no curto prazo.

A empresa deve continuar a gerar um fluxo de caixa sólido e manter níveis atrativos de remuneração aos acionistas.

Adicionalmente, o prêmio de qualidade para o minério tende a se manter próximo do nível atual, devido à busca por maior eficiência e elevados padrões ambientais das siderúrgicas.”

Ágora Investimentos

“Apesar de todas as incertezas vindas da economia global, em especial com os rumos da atividade na China, a verdade é que os preços do minério de ferro estão em quase US$ 140 por tonelada, sinalizando que a dinâmica do mercado físico é realmente saudável.

De fato, acreditamos que a dinâmica dos preços do minério de ferro deve permanecer forte, com a demanda chinesa resiliente e a demanda global (ou seja, excluindo a China) melhorando em 2024.

Assim, VALE3 continua sendo nossa principal recomendação no setor de Mineração, pois acreditamos que a forte dinâmica do mercado deverá continuar a impulsionar os resultados da Vale, enquanto a empresa continua a buscar medidas de eficiência nas divisões de minério de ferro e de metais básicos.

O valuation segue atraente, abaixo de 5x o múltiplo EV/EBITDA para 2024.”

Terra Investimentos

“O minério de ferro na China deve manter o cenário volátil, enquanto o governo do gigante asiático continua analisando políticas de estímulos que tendem a aumentar a demanda pelo produto.

Ainda assim, a expectativa para retomada para níveis históricos da demanda do aço. O fator de risco continua associado às restrições do combate à Covid e sinais de interferência em Taiwan.

A empresa continua apresentando resultados operacionais fortes apesar das últimos revisões de produção.

Outro fator de longo prazo, é a guerra entre Rússia e Ucrânia, que no longo prazo deve gerar maior demanda por metais para reposição de armamento bélico.

O minério de ferro é uma commodity que foi muito usada na reconstruções de países afetados por guerras no passado. Preço-alvo 12 meses: R$ 87,00.”

Toro Investimentos

“Considerada uma das maiores mineradoras do mundo, a Vale (VALE3) tem uma ampla operação nacional e internacional.

Atualmente, suas principais linhas de negócios são as de Soluções de Minério de Ferro, com foco em finos de minério e pelotas; e Metais para Transição Energética, com atuação em níquel e cobre, principalmente.

Um ponto que merece atenção é a volatilidade dos preços internacionais do minério de ferro, levando em conta que a China é o principal país importador da commodity e o cenário incerto por lá se mostra um catalisador para as oscilações de preços do metal.

Ao longo de 2023, a economia do gigante asiático apresentou dificuldades em tracionar, sobretudo no segmento imobiliário, que ainda dá sinais de saturação.

Ainda assim, a Vale possui vantagens competitivas no seu produto, que tem maior pureza frente aos demais concorrentes. Isso permite que a empresa negocie finos e pelotas com certo prêmio, impactando positivamente a sua receita.

O time de Análise da Toro entende que a Vale apresenta estrutura operacional, gestão de custos e poder de negociação que a colocam em uma posição privilegiada para usufruir do atual cenário mundial.

A volta do crescimento chinês, respondendo aos estímulos que vêm sendo colocados em prática pelo governo, a exemplo da redução dos juros de curto e médio prazos, podem trazer maior demanda ao minério de ferro.

Ademais, as siderúrgicas chinesas continuam operando em patamares substancialmente próximos às suas capacidades, o que corrobora para um ambiente de maior demanda de minério e, consequentemente, elevação dos preços.

Em conjunto, os preços atuais da empresa seguem atrativos, dado o seu histórico, o seu potencial de entrega de resultados e o valuation de seus pares internacionais.

Em julho de 2023, foi anunciada a venda de 13% do segmento de Metais para Transição Energética, que foi avaliado em US$ 26 bilhões.

Apesar de se encontrar, atualmente, em ascensão, o segmento tem capacidade de gerar valor no médio e no longo prazo, sobretudo se a transição energética ganhar fôlego nos próximos anos.”