Cinco atitudes que te afastam da independência financeira

Já parou para pensar no que pode estar te impedindo de declarar sua independência financeira? Fique de olho nestes 5 possíveis vilões do seu planejamento

Na busca pela tão sonhada independência financeira, qual estratégia você tem adotado? Não há atalhos ou fórmulas mágicas, mas alguns erros podem atrasar, consideravelmente, o plano de não precisar mais de um trabalho formal para custear todas suas despesas e seu estilo de vida.

Antes de conhecer alguns dos principais vilões da sua independência financeira, é fundamental lembrar que o longo prazo será seu grande aliado.

Ou seja, é mais prudente chegar até lá de uma forma mais lenta, porém segura, do que tentar cortar por caminhos mais rápidos, mas que podem, por outro lado, colocar tudo em ruínas de forma até mais acelerada.

Mas como fazer isso, então? Mudando hábitos nocivos que podem comprometer a construção do seu patrimônio.  

Veja a seguir 5 atitudes que te afastam da sua independência financeira:

1) Recorrer ao ‘só se vive uma vez’ sempre

Quem nunca disse “só se vive uma vez” para justificar um gasto por impulso, que atire a primeira pedra. Mas já parou para pensar que recorrer a esse pensamento muitas vezes pode te afastar dos objetivos de longo prazo? Pode ser difícil mudar o comportamento num primeiro momento, afinal, é uma tendência humana priorizar os prazeres instantâneos ao invés de pensar nas recompensas de longo prazo.

Para não perder o controle, estabeleça um valor do seu orçamento mensal só para lazer. Isso vai ajudar a organizar melhor os gastos com os prazeres momentâneos.

2) Não construir uma reserva de emergência

Lidar com imprevistos faz parte da vida, mas quando eles envolvem dinheiro e você não se prepara financeiramente, colocar suas finanças em ordem novamente pode ser muito mais difícil caso você precise de empréstimos pessoais com juros altos, por exemplo. Por isso, é importante seguir a boa prática de reservar entre 3 e 6 salários investidos em ativos que te protejam da inflação, sejam eles pré ou pós-fixados. E nada de perder dinheiro deixando seu dinheiro na poupança que, atualmente, não cobre as altas dos preços.

3) Aumentar os gastos conforme a sobe a renda

Qualquer dinheiro novo no orçamento é bem-vindo, mas é bastante comum as pessoas começarem a gastar mais após receberem um aumento de salário, por exemplo. Quando o objetivo é conquistar a independência financeira, ganhar mais implica em, necessariamente, destinar mais dinheiro para investir pensando no longo prazo.

4) Cair na armadilha das fórmulas fáceis

A vontade de faturar mais em um curto espaço de tempo é tentadora, mas pode ser uma armadilha e fazer você perder dinheiro caso não possua o conhecimento de mercado necessário para lidar com riscos.

Além disso, é fundamental saber se sua carteira está enquadrada ao seu perfil de investidor para, a partir daí, mensurar seu apetite a investimentos de maior risco. Fique longe de dicas milagrosas para enriquecer rapidamente, afinal, ninguém fica rico de um dia para o outro. Construir um patrimônio em ações e outros investimentos de renda variável leva tempo e, quanto mais educação financeira, maiores serão as chances de não cair em falsas promessas.

5)  Investir sem estabelecer metas

Poupar por poupar não é suficiente para conquistar a independência financeira que você busca, uma vez que a inflação muitas vezes pode comprometer a construção do seu patrimônio quando se investe sem estratégia. Por isso, estabeleça metas de curto, médio e longo prazo que envolvam seu dinheiro.  Pense que em vez de “investir”, você está, por exemplo, custeando a casa que tanto sonha, um curso no exterior, ou qualquer outro objetivo que tenha um valor de custo mais elevado.

Por Vinicius Gonçalves, jornalista e produtor de conteúdo no Itaú Unibanco. Artigo originalmente publicado no Feed de Notícias do íon Itaú. Para ler este e outros conteúdos, acesse ou baixe o app agora

Leia a seguir

Leia a seguir