Lula convida Xi Jinping para visita oficial ao Brasil

Visita poderia ocorrer em 2024, para celebrar os 50 anos de relações diplomáticas entre Brasil e China

Após uma visita de três dias, na qual foram assinados 15 acordos comerciais, o presidente Lula encerrou, na noite desta sexta-feira (horário local), seus compromissos de agenda oficial.

A declaração conjunta que encerra a visita de Lula à China, divulgada nesta sexta-feira, defende o diálogo e a negociação para buscar o fim da Guerra da Ucrânia. Entretanto, o documento não detalha ações ou propostas, só indica que os países continuarão debatendo o assunto. Não há condenação à invasão russa.

Lula tem ampliado críticas ao regime de Vladimir Putin, grande aliado chinês.

“As partes afirmam que diálogo e negociação são a única saída viável para a crise na Ucrânia e que todos os esforços conducentes à solução pacífica devem ser encorajados. O Brasil recebeu positivamente a proposta chinesa (…) e a China recebeu positivamente os esforços do Brasil em prol da paz. As partes apelaram a que mais países desempenhem papel construtivo para a promoção da solução política”.

‘Princípio de uma só China’

Na declaração conjunta divulgada pelos governos da China e do Brasil, o governo brasileiro reafirmou que “adere firmemente ao princípio de uma só China”, que inclui o entendimento de que Taiwan é “parte inseparável do território chinês”, o que mantém a posição historicamente adotada pelo Brasil e pela maioria dos países.

Recentemente, os chineses escalaram a tensão com a ilha, que tem um governo autônomo, após um encontro da presidente de Taiwan, Tsai Ing-wen, com o presidente da Câmara dos Estados Unidos, Kevin McCarthy.

Os Estados Unidos não mantêm relações diplomáticas com a ilha, mas são o principal aliado militar e vêm intensificando os contatos com Taipei, provocando forte reação chinesa.

A declaração conjunta diz que “a parte chinesa manifestou grande apreço a esse respeito”.

Convite a Xi Jinping

Lula agradeceu a “calorosa acolhida e a grande hospitalidade” recebidas do presidente da China, Xi Jinping, do governo e do seu povo durante a visita ao país, e convidou o mandatário chinês a realizar uma visita de Estado ao Brasil em 2024, para celebrar os 50 anos de relações diplomáticas entre Brasil e China.

O presidente chinês agradeceu o convite “com satisfação”, e as partes tratarão o assunto por via diplomática.

Leia a seguir

Leia a seguir