Alemanha removerá componentes da chinesa Huawei de suas redes móveis 5G

Sob pressão dos EUA, a Alemanha comprometeu-se no ano passado a reduzir a sua dependência de tecnologia e matérias-primas chinesas importadas

A Alemanha removerá os componentes chineses das redes móveis 5G do país até ao final de 2029, encerrando anos de debate que deixaram o país muito atrás dos aliados na abordagem do que os EUA alertaram ser uma vulnerabilidade fundamental, informou nesta quarta-feira o diário “The Wall Street Journal”.

Ao abrigo de um projeto de acordo com o governo, as principais operadoras de telecomunicações da Alemanha concordaram em remover componentes fabricados pelas chinesas Huawei e ZTE das suas redes centrais — a parte mais sensível de uma rede móvel — até ao final de 2026, disseram pessoas familiarizadas com o assunto.

O sistema de gerenciamento das redes de acesso via rádio — o software que gerencia a comunicação entre dispositivos em uma rede sem fio — deverá estar livre de componentes chineses até o final de 2029, disseram essas pessoas. Ressaltaram que o governo e as operadoras ainda não assinaram um acordo final e alguns detalhes podem mudar nos próximos dias.

Sob pressão dos EUA, a Alemanha comprometeu-se no ano passado a reduzir a sua dependência de tecnologia e matérias-primas chinesas importadas e a diversificar a dependência da sua economia no comércio com a China. Desde então, as agências de segurança alemãs alertaram sobre a espionagem cada vez mais agressiva por parte de Pequim, e os promotores detiveram vários suspeitos de espionagem chinesa este ano.

Mas o crescimento estagnado e as fricções no seio da coligação tripartida do premiê alemão, Olaf Scholz, dificultaram a implementação da política. Embora alguns membros do governo estejam preocupados com a ameaça à segurança representada pela China, a chancelaria continua ansiosa por encorajar o investimento chinês e evitar um colapso no comércio bilateral, segundo funcionários do governo.

Estas fricções levaram Berlim a diluir a primeira estratégia do país para a China, publicada no ano passado, para enfraquecer uma revisão planeada do seu regime de análise do investimento directo estrangeiro atualmente em discussão e para se opor às medidas da União Europeia para reagir às importações chinesas baratas.

Um porta-voz do Ministério do Interior alemão disse que foi tomada uma decisão sobre as medidas para proteger as partes críticas das redes sem fio 5G do país, mas se recusou a entrar em detalhes. A Deutsche Telekom e a Telefónica Germany não quiseram comentar. A Vodafone não reagiu imediatamente a um pedido de comentário.

Um porta-voz da Huawei na Alemanha não quis comentar. A ZTE não respondeu imediatamente a um e-mail solicitando comentários. A Huawei e a ZTE negaram no passado que os seus equipamentos representassem um risco de segurança.

Analistas disseram que a decisão alinharia gradualmente a Alemanha com outros países da Europa, do Reino Unido à Suécia e aos Estados Bálticos, que baniram componentes chineses das suas redes de telecomunicações.

No entanto, sublinharam que a medida chegava tarde e em grande parte nos termos estabelecidos pelos operadores do país, alguns dos quais ameaçaram procurar compensação por custos adicionais associados à proibição de componentes Huawei e ZTE.

“Parece que a Alemanha está fazendo o que o Reino Unido fez, mas quatro anos depois”, disse Noah Barkin, consultor sênior da empresa de pesquisa Rhodium’s China Practice. “Antes tarde do que nunca, mas é muito tarde.”

O cronograma do acordo sugere que a maioria dos componentes chineses só seriam removidos quando chegassem ao fim de sua vida útil e precisassem ser substituídos de qualquer maneira, disse Barkin. A Deutsche Telekom, a maior operadora do país, disse que não possui hardware chinês em sua rede principal.

A formulação do acordo preliminar também deixa alguma margem de manobra para que os componentes fabricados na China permaneçam nas redes de acesso rádio após 2029. Mas os analistas dizem que a troca de sistemas de gestão — o software que opera este hardware — provavelmente removeria a maioria das vulnerabilidades.

Os componentes chineses representavam 59% das redes de acesso rádio 5G da Alemanha em 2022, de acordo com dados da Strand Consult, um grupo independente de investigação de telecomunicações, em comparação com 41% no Reino Unido, 17% em França e 0% na Letônia, Lituânia e Estônia.

A Alemanha tem discutido se deveria restringir o uso de peças fabricadas na China há mais de seis anos, sem chegar a uma conclusão. Apesar da pressão dos EUA, o governo anterior liderado pela premiê Angela Merkel resistiu durante muito tempo à proibição devido a preocupações sobre o custo e potenciais retaliações da China.

No entanto, a invasão da Ucrânia pela Rússia em Fevereiro de 2022 e a decisão de Moscou de limitar as entregas de gás natural à Alemanha levaram Berlim a investigar a sua dependência económica de países hostis e a reavaliar o risco representado pelo hardware chinês.

Os equipamentos 5G fabricados na China foram durante muito tempo considerados de alta qualidade e mais baratos do que os equivalentes fabricados no Ocidente. Mas os EUA alertaram que os componentes chineses podem incluir backdoors que permitiriam ao governo chinês desviar os dados que viajam através da rede ou potencialmente desligá-los em caso de conflitos.

Com informações do Valor Econômico

Leia a seguir

Leia a seguir