Fim da era Campos Neto: S&P Global alerta para troca de comando do Banco Central

Para Manuel Orozco, analista de Brasil da S&P Global, mudança no BC será grande teste sobre rumo da economia do país

A mudança de presidência do Banco Central (BC) e a forma como a autarquia pautará suas decisões com um indicado de Luiz Inácio Lula da Silva (PT) ao comando será um grande teste para os rumos da economia do Brasil. A avaliação é de Manuel Orozco, analista de Brasil da S&P Global.

A declaração ocorreu em conversa com a reportagem do Valor Econômico, após o executivo ser questionado sobre a possibilidade de uma volta “ao passado”. Com medidas que deterioraram as contas públicas, como a interferência em decisões de juros do BC, e que levaram a uma sequência de cortes na nota de crédito soberano do Brasil.

Incertezas no radar

Orozco afirma que a autonomia do Banco Central foi uma das reformas dos últimos anos que ajudaram a dar consistência ao crescimento econômico do Brasil e que contribuíram para a última melhora na classificação do país.

No fim do ano passado, a S&P Global Ratings elevou a nota de crédito do Brasil de BB- para BB. A melhora na classificação aconteceu logo após a aprovação da reforma tributária.

Orozco e uma equipe de diretores da S&P estiveram em São Paulo nesta semana para um evento com investidores brasileiros. À reportagem, o analista afirmou que as condições que levaram à melhora na nota do país permanecem.

Ele disse acreditar que os ruídos que têm feito com que as expectativas do mercado para a inflação estejam desancoradas são de curto prazo. Mas alertou que vários ruídos seguidos podem comprometer não apenas as projeções, mas a própria economia do país por um período maior.

“Primeiro é PEC Kamikaze [no governo passado], depois a PEC da Transição, dúvidas sobre o novo arcabouço fiscal, mudança de meta fiscal, piora do déficit… Daqui a pouco não vai ser mais só algo momentâneo”, diz o analista.

Saída de Campos Neto

Orozco afirma que a política monetária atualmente é um dos pontos positivos do país, apesar do patamar alto da taxa básica de juros. Segundo ele, é importante manter os parâmetros técnicos nas decisões, mesmo após a saída de Roberto Campos Neto da presidência do Banco Central, em dezembro deste ano.

Alguns fatores têm elevado as taxas dos contratos de juros futuros, assim como o prêmio de risco cobrado pelos investidores para tomar títulos de dívida de longo prazo do governo brasileiro. O dólar também tem subido a cada sessão e atingiu o patamar dos R$ 5,40.

Um dos fatores que têm provocado essa reação do mercado é a certeza de que os juros nos Estados Unidos permanecerão altos por mais tempo. Na quarta-feira, o Federal Reserve, banco central americano, indicou apenas um corte de juros em 2024, sendo que no começo do ano o mercado esperava ao menos três cortes.

Copom dividido

Mas a economia doméstica também tem pesado no humor dos investidores. O racha na decisão de juros do último Copom (Comitê de Política Monetária) entre diretores indicados pelo atual governo e os indicados pela gestão anterior também fez com que investidores duvidassem se o Banco Central permanecerá ferrenho na luta contra a inflação após a saída de Campos Neto.

Além disso, a mudança de meta de resultado primário, de superávit para déficit zero em 2025, também trouxe dúvidas sobre a sustentabilidade do novo arcabouço fiscal. O fato de o governo focar o ajuste das contas públicas no aumento da arrecadação desperta temor no mercado.

Orozco diz que uma organização definitiva das contas públicas é o que falta para o Brasil voltar a alcançar o grau de investimento (faltam dois níveis para o país atingir esse patamar).

O país chegou a esse nível pela última vez em abril 2008, durante o segundo mandato de Lula, mas perdeu em setembro de 2015, em meio a uma deterioração fiscal durante o governo de Dilma Rousseff (PT).

Deterioração fiscal

Questionado sobre qual a diferença das condições em 2008 e agora que distancia o Brasil do grau de investimento, Orozco menciona a dívida pública líquida, que está em 61,2% do Produto Interno Bruto (PIB), enquanto naquela época estava em 35%.

Para Gregg Lemos-Stein, diretor de análise da S&P que também participou da conversa, a deterioração fiscal é uma questão observada nas principais economias do mundo, algo que se agrava com o patamar elevado dos juros.

“Esse é um desafio que precisa ser enfrentado globalmente. Com a perspectiva de juros altos por mais tempo, o custo da dívida também aumenta. É um dos riscos emergentes no mundo”, diz.

Com informações do Valor Econômico

Leia a seguir

Leia a seguir