O dia em que Pelé me entrevistou

Em 2014, tive a honra de entrevistar o maior ídolo do futebol pela primeira vez, mas, antes disso, foi ele quem dominou o microfone

Quando entrei na faculdade de jornalismo, uma das coisas que eu queria muito era trabalhar com esporte – uma das minhas grandes paixões, apesar das minhas limitadas habilidades esportivas.

Me formei, comecei a trabalhar com assessoria de imprensa e o jornalismo esportivo ficou mais distante. A vida seguiu e, quando eu menos esperava, surgiu a oportunidade de trabalhar na comunicação do Santos FC. Para quem achou que não daria certo entrar no mundo do esporte, tudo saiu melhor do que a encomenda: estava no meu time do coração.

Cheguei ao Santos em julho de 2012. Estive em inúmeros jogos, conheci muitos dos meus ídolos, vi crescerem alguns Meninos da Vila, mas nunca imaginei que, algum dia, eu seria escalada para entrevistar ninguém menos do que Pelé.

O Rei foi convidado a participar de um evento para anunciar uma parceria do Santos com o Unicef, e eu precisaria entrevistá-lo para a Santos TV, o canal do Peixe no YouTube. Foram semanas de negociação, preparação, as perguntas foram aprovadas com o próprio Pelé. Tudo certo! Não tinha como dar errado, era só ler as perguntas.

Enfim, o dia 25 de abril de 2014 chegou e lá estava eu, aos 25 anos, pronta (ou quase isso) para entrevistar o maior de todos.

Ele entrou, cumprimentou a todos que estavam no local e veio em minha direção. Perguntou meu nome e se apresentou (“prazer, Carol, eu sou o Pelé” – rimos muito) enquanto estendia a mão para mim. Eu apenas suava e tremia. Naquele momento que compreendi, estava acontecendo: eu ia entrevistar o Pelé. Jornalistas com 25 anos não costumam ter essa oportunidade, e lá estava eu!

Vendo o nervosismo na jovem entrevistadora, gentilmente, Pelé tirou um lenço verde do bolso, me emprestou para secar as mãos, pegou o microfone e, com o maior bom humor, disse que me entrevistaria. Um amigo cinegrafista rapidamente ligou a câmera e registrou ele falando:

“Senhores, aqui nós vamos entrevistar a Carol. A Carol é a nossa nova contratação. Carol, você está se sentindo bem aqui na Vila?”. Eu respondi a primeira coisa que veio à cabeça, rindo nervosamente.

Quem estava ali presenciou a enorme generosidade dele que, por ser Pelé, poderia ter feito qualquer coisa: pedido para trocar a repórter, ter ido embora, feito cara feia. Mas, não. Ele me deixou à vontade porque o Edson sempre soube o gigantismo do Pelé e o que ele causava nas pessoas. E, por ser gigante, Pelé correspondeu como um ídolo.

Aquele 25 de abril de 2014 é inesquecível para mim, e que sorte a minha ter o registro na memória – e em vídeo – do dia em que o coração chegou a errar as batidas porque fui entrevistada pelo Pelé.

O 29 de dezembro de 2022 fica marcado pela partida do craque que deixou um legado incontestável para o futebol mundial e para o esporte brasileiro.

Obrigada por tudo, Pelé! Você sempre foi, e sempre será, eterno!