Lula: Não é minha preocupação canalizar todo dinheiro público para o superávit primário

Em seu 2º evento do dia na região metropolitana da capital paulista, presidente da República voltou a fazer críticas à elite econômica

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) defendeu hoje os investimentos do governo federal em educação e voltou a fazer críticas ao mercado financeiro e à elite. O presidente disse que o papel do Estado é cuidar da população e que foi eleito para ajudar os mais carentes.

“O Estado tem que cuidar. Lamentavelmente, eu sei que tem muita gente que gostaria que todo dinheiro público fosse canalizado para o superávit primário. Eu sei que tem muita gente que gostaria que o banqueiro não tivesse nenhum problema de dinheiro. Mas não é essa a minha preocupação”, disse o presidente, em evento em Diadema. “Eu fui eleito para cuidar do povo mais necessitado desse país.”

Em seu segundo evento do dia na região metropolitana da capital paulista, Lula voltou a fazer críticas à elite econômica.

“Tem um tipo de gente no Brasil que não precisa do Estado, que ganha bem, que consegue escola boa, particular. Mas na periferia desse país, muitas vezes a criança é filha de pai e mãe analfabetos, que não conseguem orientar essa criança na escola, não conseguem ajudar na tarefa de casa. Então, essa criança sempre estará mais retardada do que as outras no aprendizado”, disse Lula.

O presidente visitou obras do primeiro Centro Educacional Unificado (CEU) de Diadema, na região metropolitana da capital paulista. O equipamento reúne educação, cultura e lazer e recebeu investimentos de R$ 90 milhões do governo federal – 90% do valor da obra.

Lula estava acompanhado dos ministros Camilo Santana (Educação), Luiz Marinho (Trabalho e Emprego), Paulo Teixeira (Desenvolvimento Agrário), Alexandre Padilha (Relações Institucionais), além do prefeito de Diadema, José de Filippi Júnior, pré-candidato à reeleição pelo PT. Mais cedo, esteve em Osasco, para inaugurar novas instalações da Unifesp.

Sem citar nomes, Lula voltou a criticar os ex-presidentes Michel Temer (MDB) e Jair Bolsonaro (PL), seus antecessores, por terem paralisado obras e investimentos na área de educação.

A uma plateia de aliados, Lula disse que “possivelmente” vive seu “melhor momento da vida”. O presidente lembrou que terminou seu segundo mandato, em 2010, com alto índice de aprovação, e lembrou que o contexto político mundial atual é de radicalização.

Pela manhã, em Osasco, o presidente também fez críticas à elite e afirmou que a economia não vai quebrar no país durante seu mandato.

Em meio a críticas sobre suas declarações contra o Banco Central, o presidente disse que vai continuar se pronunciando e rebateu declarações de que estaria cansado, em análises feitas comparando o petista ao presidente americano Joe Biden.

Com informações do Valor Econômico

Leia a seguir

Leia a seguir