Haddad nega mudanças no IOF de câmbio e fala em melhorar comunicação para controlar subida do dólar

Ministro da Fazenda acredita que governo precisa ser mais claro sobre autonomia do BC e rigidez do arcabouço fiscal

O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, negou que o governo vá fazer uma mudança no Imposto sobre Operações Financeiras (IOF) que incide sobre o câmbio para controlar a escalada do dólar, que ontem atingiu o maior patamar desde janeiro de 2022.

Ele voltou a dizer que é preciso melhorar a comunicação do governo, especialmente sobre a autonomia do Banco Central (BC) e sobre a “rigidez” do arcabouço fiscal para melhorar a percepção dos agentes econômicos sobre o país.

“Não sei de onde saiu esse rumor”, disse o ministro ao ser questionado por jornalistas na portaria do ministério se iria mudar o IOF sobre o câmbio. Ele falou após uma reunião com parlamentares sobre reforma tributária.

“Eu acredito que o melhor a fazer é acertar a comunicação, tanto em relação à autonomia do Banco Central, como o presidente [Luiz Inácio Lula da Silva] fez hoje de manhã, quanto em relação ao arcabouço fiscal”, disse o ministro. Hoje, o presidente Lula falou que o BC tem função de cuidar da política monetária e atingir a meta de inflação.

“Não vejo nada fora disso. Autonomia do Banco Central e rigidez do arcabouço fiscal, é isso que vai tranquilizar as pessoas”, completou Haddad.

Ele frisou que a desvalorização do real é “mais comunicação do que outra coisa”, na sua visão.

Com informações do Valor Econômico

Leia a seguir

Leia a seguir