FGV: Economia brasileira cresceu 0,1% em outubro, diz Monitor do PIB

Desempenho do setor de serviços e consumo das famílias impulsionou PIB apesar dos juros em alta

O Monitor do PIB, calculado pelo Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (FGV Ibre), aponta crescimento de 0,1% na atividade econômica em outubro em comparação a setembro, considerando-se dados com ajuste sazonal. Na comparação interanual, o crescimento da economia em outubro foi de 2,8%. Na análise trimestral interanual, a economia cresceu 3,3% no trimestre móvel findo em outubro.

“O crescimento do PIB em outubro deve-se, principalmente, ao bom desempenho do setor de serviços e do consumo. Assim como tem ocorrido durante todo o ano de 2022, estes componentes seguem contribuindo positivamente apara o desempenho da economia. Destaca-se que após dois recuos consecutivos da atividade econômica, o crescimento de 0,1% é considerado modesto, porém não deixa de mostrar que a economia ainda dá indícios de crescimento apesar da maior influência do aperto monetário causado pelos altos juros”, segundo Juliana Trece, coordenadora da pesquisa.

Serviços persistem como motor da consumo, diz FGV

O consumo das famílias cresceu 5,7% no trimestre móvel findo em outubro, segundo o FGV Ibre. A contribuição positiva do consumo de produtos não duráveis segue aumentando desde o segundo trimestre.

O principal motor do crescimento do consumo segue sendo os serviços. Após ter apresentado por mais de um ano de queda (desde o terceiro trimestre de 2021), o consumo de produtos duráveis cresceu no trimestre móvel findo em outubro.

A formação bruta de capital fixo (FBCF) cresceu 6,4% no trimestre móvel findo em outubro, pelos cálculos da FGV, com relevante contribuição do segmento de máquinas e equipamentos. “Apesar de iniciado o ano contribuindo negativamente para a FBCF, no trimestre móvel encerrado em outubro a contribuição de máquinas e equipamentos representou cerca de 70% do crescimento do componente. Esse crescimento é explicado principalmente pelo desempenho das máquinas e equipamentos importados, com destaque para o segmento de caminhões, ônibus, reboques e carrocerias.”

Exportações de bens e serviços cresce

A exportação de bens e serviços cresceu 11,4% no trimestre móvel, segundo o FGV Ibre. À exceção da exportação de produtos da indústria extrativa mineral, nota-se que todos os demais segmentos contribuíram positivamente para este crescimento.

A importação de bens e serviços cresceu 11,9% no trimestre móvel findo em outubro. As maiores contribuições para este crescimento foram: a importação de serviços (5,6 p.p.), de bens intermediários (4,7 p.p.) e de bens de capital (2,9 p.p.). Os demais segmentos da importação retraíram, porém em pequena magnitude, o que explica a pouca contribuição na redução do crescimento das importações.

Em termos monetários, o FGV Ibre estima que o acumulado do PIB até outubro de 2022 foi de R$ 8,16 trilhões, ou R$ 8.158.846 milhões em valores correntes.