Cogna (COGN3): Kroton volta a registrar crescimento de receita após 14 trimestres de queda

Empresa anunciou uma projeção de crescimento de 20% nos contratos com as escolas para o ciclo de 2023

Após 14 trimestres seguidos com queda, a Kroton voltou a registrar aumento em sua receita. A empresa de ensino superior representa 76% de todo o negócio da Cogna (COGN3), que atua também com educação básica.

A receita líquida da Kroton teve crescimento de 11,7% para R$ 765,3 milhões no terceiro trimestre, quando comparado ao mesmo período do ano passado. O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) recorrente teve alta de 29,5% para 207,4 milhões. A margem do indicador subiu 3,7 pontos percentuais para 27,1%.

A Cogna, por sua vez, apurou alta de 4,1% na receita líquida que somou R$ 1 bilhão. O Ebitda recorrente da companhia avançou 15,7% atingindo R$ 231,7 milhões. A margem subiu 2,2 pontos percentuais para 21,8%.

Na última linha do balanço, a Cogna viu seu prejuízo subir 39% para R$ 211,3 milhões impactada pelo aumento nas despesas financeiras, cuja alta foi de 47% para R$ 354,8 milhões no terceiro trimestre.

“Passamos aquela fase difícil, que demandou uma grande reestruturação. Estamos bem, operacionalmente, tanto no ensino superior quanto na educação básica. Desde o ano passado, nossa rentabilidade vem crescendo e agora conseguimos expansão de receita”, disse Roberto Valério, presidente da Cogna.

A companhia também anunciou uma projeção de crescimento de 20% nos contratos com as escolas para o ciclo de 2023, que começa agora no quarto trimestre deste ano. “Batemos a meta de crescer 30% no ciclo anterior, com ACV [vendas] de R$ 1 bilhão. Nossa confiança é grande que apostamos mais um crescimento de 20%”, disse.

A Vasta é dona de sistemas de ensino Anglo, Pitágoras, Eleva, além das editoras Ática, Saraiva, entre outros materiais pedagógicos, vendidos para quase 6 mil colégios.

No terceiro trimestre, a receita líquida da Vasta saltou 48,5% para R$ 188,8 milhões.

Leia a seguir

Leia a seguir