CSN (CSNA3): Lucro líquido do 3º tri cai 82% na comparação anual

O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) ajustado atingiu R$ 2,71 bilhões, queda de 37% ante o apurado no terceiro trimestre de 2021

A CSN (CSNA3) registrou lucro atribuído ao controlador de R$ 133 milhões no terceiro trimestre, queda de 88,4% em comparação com o lucro líquido de R$ 1,15 bilhão do mesmo período do ano anterior. O lucro líquido somou R$ 237 milhões, ante R$ 1,32 bilhão na mesma base comparativa, queda de 82%.

A receita líquida da companhia ficou em R$ 10,9 bilhões, queda de 6,35% em comparação com o trimestre encerrado em setembro de 2021. A companhia atribui o resultado à maior atividade comercial e aumento no volume de vendas dos principais segmentos da companhia, parcialmente compensado pelos menores preços registrados para minério de ferro e produtos siderúrgicos.

O lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) ajustado atingiu R$ 2,71 bilhões, queda de 37% ante o apurado no terceiro trimestre de 2021, de R$ 3,26 bilhões. A margem Ebitda foi de 23,9% entre julho e setembro, contra 29,7% em igual período do ano passado, um recuo de 5,7 pontos percentuais.

“Essa redução de rentabilidade é consequência direta da pressão de custos no segmento de siderurgia e do impacto dos preços de minério e aço nos mercados internacionais, que acabaram por compensar a maior atividade comercial registrada no período”, diz a companhia.

A CSN diz, contudo, que o efeito é temporário, já sendo possível verificar uma acomodação dos custos e preços para o resultado no final do ano. “Além disso, é válido observar o impacto da incorporação da LafargeHolcim no segmento de cimentos, cujo Ebitda aumento em 58,4% no terceiro trimestre, mesmo considerando apenas um mês de resultado da operação”, diz a empresa.

Ainda de acordo com a companhia, o volume de vendas de minério de ferro atingiu 9,095 mil toneladas no trimestre, um desempenho 11% superior ao ano anterior. Já as vendas de aço somaram 1,160 mil toneladas, alta de 9% na mesma base de comparação.