Santander rebaixa preço-alvo para Dasa (DASA3) de R$ 10,50 para R$ 4,75 e reitera recomendação neutra

Analistas do banco acreditam que empresa tem incertezas significativas em relação à melhoria de desempenho operacional, a margem significativamente menor em relação aos pares e a ainda alta alavancagem em um ambiente de taxas de juros altas

O Santander cortou seu preço-alvo para Dasa (DASA3) de R$ 10,50 para R$ 4,75 e reiterou sua recomendação neutra, refletindo incertezas significativas em relação à melhoria de desempenho operacional, a margem significativamente menor em relação aos pares e a ainda alta alavancagem em um ambiente de taxas de juros altas. Há pouco, as ações na B3 caíam 2,44% para R$ 3,60.

Os analistas Caio Moscardini, Karoline Correia e Guilherme Gripp escrevem, em relatório, que a alavancagem da Dasa está melhorando após o anúncio do adiantamento para aumento de capital e da transferência de dívida líquida financeira para a Rede Ímpar, empresa hospitalar formada com a Amil.

Eles afirmam esperar mais melhorias operacionais à medida que o foco nas operações de diagnóstico for retomado, e que a joint venture com a Amil é positiva, pois maior escala e uma gestão focada poderiam impulsionar uma expansão mais rápida das margens, levando a alavancagem a melhorar em relação ao nível atual.

Segundo os analistas, a maior escala poderia gerar fortes sinergias, que estimam em valor presente líquido de R$ 2,8 bilhão, ou R$ 1,25 por ação), enquanto a Amil carrega elevados R$ 2,3 bilhões em custos fixos e despesas e, portanto, representa uma oportunidade substancial de expansão de margem.

Com informações do Valor Econômico

Leia a seguir

Leia a seguir