Relação com Investidores (RI)

Direto ao Ponto
Relação com Investidores (RI)

O RI combina marketing, comunicação institucional e finanças. Seu objetivo é fornecer ao mercado e stakeholders informações sobre o desempenho da empresa.

A função de relação com investidores surgiu em 1953 nos EUA, quando a General Electric implementou um programa formal de relacionamento com seus acionistas. A primeira tarefa desempenhada pelo RI foi uma pesquisa com os acionistas, para levantar informações sobre as necessidades que eles tinham em relação à empresa, como manter contato e outros dados importantes.

No Brasil, o termo só se consolidou em 1997 com a criação do Instituto Brasileiro de Relações com Investidores (IBRI). O principal objetivo era criar oportunidades para valorizar a atuação do profissional de RI.

Para que serve á área de relação com investidores?

A área de Relação com Investidores é um dos setores mais fortes de uma companhia de capital aberto — ou seja, que negocia ações na Bolsa de Valores, no caso do Brasil, a B3. Seu objetivo é mostrar ao mercado e aos investidores a quantas anda a saúde financeira da empresa.

O que faz o profissional de RI?

O profissional de RI trabalha como uma espécie de assessor da companhia. Dependendo da situação, ele é o porta-voz da empresa. Uma boa aproximação entre o mercado, a empresa e os investidores depende de uma boa comunicação, e é aí que entra o RI. O profissional deve conhecer o histórico financeiro e dominar os dados estratégicos da companhia.

Afinal, por que a relação com investidores é tão importante?

Toda empresa de capital aberto tem que ter uma área de RI estruturada e um profissional que responda por este setor. Esta é uma exigência da CMV, órgão que regula o mercado de ações no Brasil. Empresas que se importam com a própria reputação perante o mercado e que queiram chamar a atenção de novos investidores precisam ter uma área e um profissional de RI fortalecidos. São eles que zelam pela governança da companhia.

Colaborou Anne Dias

Glossário  Bolsa de Valores Ir para: Verbetes

Conheça os termos mais importantes para enriquecer a sua Inteligência Financeira

Direto ao Ponto
Ifix

O Índice de Fundos de Investimentos Imobiliários (IFIX) foi criado em 2012 pela B3 para mostrar o retorno médio dos fundos imobiliários.…

Leia Mais Ir para:
Direto ao Ponto
Blue Chip

Blue chips (ou large caps) são empresas listadas na Bolsa de Valores e que têm valor de mercado acima de R$ 40 bilhões.…

Leia Mais Ir para:
Direto ao Ponto
Oferta hostil

Também conhecida como aquisição hostil, a oferta hostil acontece quando uma empresa ou um grande investidor toma o controle de uma companhia listada em Bolsa, comprando suas ações.…

Leia Mais Ir para:
Direto ao Ponto
Acionista

Acionista é o investidor pessoa física ou jurídica que tem uma ou mais ações – ou até frações - de uma empresa.…

Leia Mais Ir para:
Direto ao Ponto
B3

A B3, sigla para ‘Brasil, Bolsa e Balcão’, é a Bolsa de Valores do Brasil, que está sediada em São Paulo.…

Leia Mais Ir para:
Swiper Próximo
Swiper Anterior

Você também pode gostar 🔽

Redação IF Publicado em 15.ago.2022 às 11h57
Minério de ferro recua 4,1% no norte da China, para US$ 104,40 por tonelada

Os preços do minério de ferro iniciaram a semana em forte queda no mercado transoceânico, em meio à inesperada desaceleração da economia chinesa em julho. O país asiático é o maior consumidor da commodity no mundo. No norte da China, o minério com teor de 62% de ferro caiu 4,1%, para US$ 104,40 por tonelada, […]

Redação IF Publicado em 15.ago.2022 às 11h52
Cosan tem Ebitda no 2º tri acima do consenso, com melhores volumes em Raízen, diz Goldman Sachs

O Goldman Sachs tem recomendação neutro para as ações da Cosan, com preço-alvo de R$ 20,40, abaixo do valor de R$ 21,03 negociado no momento na B3

Valor Econômico Publicado em 15.ago.2022 às 11h39
No vermelho, Natura vai enxugar a holding

Se cortes tivessem sido feitos em 2021, as despesas corporativas poderiam ter caído 40%, diz CEO global

Visão de Líder Atualizado em 15.ago.2022 às 11h00
‘Não tem mágica. Investir é uma maratona, não uma corrida de cem metros’, diz Roberto Setubal no Visão de Líder

Em entrevista exclusiva à Inteligência Financeira, o copresidente do Conselho de Administração do Itaú Unibanco, Roberto Setubal, fala sobre as perspectivas e os desafios para o Brasil e o mundo, e conta o que mudou no banco em seus 23 anos como CEO – e o que o banco mudou nele

Itaú Meu Negócio